Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ABRIL PODE SER QUANDO UM HOMEM QUISER!

Vivemos dias de raiva - por enquanto contida, mas indiscutivelmente corrosiva - e expressámo-la de formas bem diversas, algumas admiravelmente criativas.

Sendo suposto 'agredir' a Troika da nossa revolta com tudo aquilo que de mais contundente tivéssemos à mão, eis que a inesgotável imaginação de uma mulher portuguesa - talvez parente muito afastada da conhecida padeira de Aljubarrota - resolveu ontem - no decurso da manifestação de Lisboa -  carregar com um cabaz de suculentos e macios tomates para 'armar' algumas dezenas de manifestantes, que obviamente não se fizeram rogados e se serviram dos mesmos,  não para os comerem, mas para com o seu arremesso, dar à fachada do edifício do FMI a cor do sangue que nos sugam há tempo demais!

Depois a mensagem subliminar daquela outra mulher, que com o já distante Abril do nosso contentamento ainda na memória, resolveu oferecer um cravo vermelho a um dos polícias do Corpo de intervenção incumbido de defender a sede do mal que se abateu sobre nós, alguns talvez com uma enorme vontade de largar a farda e passar para o lado dos que têm razão - porque Portugal não está a beneficiar de um resgate, mas sim a ser vítima de um assalto e o papel natural de um polícia, é sempre o de lutar pela lei e a ordem, logo, lutar contra os verdadeiros assaltantes que nos entraram fronteiras adentro com 'licença para roubar'.

De todas estas e de muitas outras imagens, que foram capazes de fazer na nossa memória a ponte entre Abril de 1974 e Setembro de  2012, ficou uma certeza: Abril pode perfeitamente ser em Setembro, em Dezembro que seja - ou como diz o poeta - Abril é quando o homem quiser! Desde que seja a tempo e em tempo útil.

E depois de já quase tudo ter sido dito sobre o civismo da maior manifestação de sempre em Portugal, o merecido destaque - pela positiva desta vez - para o comportamento irrepreensível da Polícia - ela que sente na carne as dificuldades que todos nós sentimos, acrescida de uma incumbência bem desagradável como 'suplemento', mas que não pode obviamente recusar: defender os costados da 'bandidagem' a quem o País foi entregue para ser governado, na última (esperemos que no sentido literal do termo)  distracção do Povo na altura de colocar a cruzinha no seu voto.

publicado às 21:55

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 17.09.2012

    Não afastou do tema coisa nenhuma, caro A.da Vicência!
    Isto está tudo ligado e os gatunos - porque é disso que estamos a falar - não se resumem à Troika do País. Há muitas troikas em ponto pequeno espalhadas pelo País e muitos 'escravos voluntários' - mais capatazes que escravos - que nos amarram à sua interessada subserviência aos interesses que nos dominam.
    A bandidagem começa muitas vezes por baixo - iniciam-se como pilha-galinhas e acabam comprando submarinos e auto estadas hospitais e outros 'bens de longa duração' que nos vendem em milhares de prestações que deixaremos como herança aos nossos filhos e neto
    Abraço,
    CN
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D