Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

MUNICIPALISMO VERSUS (ACTUAL) TERRORISMO DE ESTADO

«Por Municipalismo entendemos nós o conjunto de todas as organizações locais que têm como função administrar os interesses das respectivas circunscrições territoriais, mais ou menos determinadas, e segundo formas de indicação dos seus próprios habitantes. De municipalismo costuma igualmente designar-se a tendência para reconhecer ou instituir aquelas organizações.», António Lino Neto, A questão administrativa (o municipalismo em Portugal), Lisboa, 1910. p. 48.


Pois bem...


Nestes tempos de esmagador e iníquo centralismo, vale a pena revisitar Alexandre Herculano - e outros pensadores que de algum modo o influenciaram - e perceber como neste momento tudo podia ser diferente para todos nós, se o seu pensamento sobre o Municipalismo tivesse vingado.

Desde logo, não teríamos um Órgão legislativo que é considerado por muitos - por exemplo, pelo insuspeito Professor Paulo Morais, ex vice presidente da Câmara do Porto - como o centro da corrupção em Portugal.

Depois, Portugal - do Minho ao Algarve, passando pelas regiões 'autónomas' dos Açores e da Madeira - não estaria ao alcance e constantemente na mira dos 'mísseis terra-terra' do 'grupo terrorista' comandado a partir da Rua da Imprensa à Estrela em Lisboa e que tanta destruição e tanto sofrimento têm causado ao nosso Povo.

Também a despesa relacionada com o efectivo de gorilas destinados a proteger a periferia do centro do mal e os costados dos terroristas, poderia ser bem menor, dado que um poder descentralizado e de proximidade, não geraria tantos anti corpos nem daria lugar a tão violentas reacções alérgicas e de absoluta rejeição.

Por último, sendo a Democracia por definição o poder do Povo - mais ou menos directa, mais ou menos representativa - o factor mais importante mesmo e que verdadeiramente conta, é o da proximidade - "tu representas-me porque eu te conheço e confio em ti" versus "como podes representar-me se não nos conhecemos de lado nenhum"?

No actual sistema, perguntar ao deputado que ajudamos a eleger "porque não fizeste o que te pedi (ou me prometeste) na campanha eleitoral?" ou ainda, "porque te juntaste ao grupo de malfeitores ao contrário do que sabias ser o sentido do voto que eu te dei?" é tarefa impossível e teremos de esperar 4 anos por uma nova oportunidade de corrigir o mal - se entretanto já não tivermos morrido em consequência do mesmo!

Hoje o Partido Socialista anunciou um projecto de alteração da Lei eleitoral visando a redução do número de deputados da Assembleia da República.

É capaz de representar algum corte na celulite do Estado. É até capaz de agradar aos senhores da Troika (vénia). Mas não muda nada relativamente ao problema de fundo do País, o qual reside - salvo melhor opinião - no tipo de organização do seu território por um lado e por outro, num exercício do poder, completamente diferente daquele que actualmente temos!

 

publicado às 14:26

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D