Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

OLHAR (IM)PARCIAL VALONGO – DOIS VEREDORES, UM ‘CORAÇÃO DOCE’ E UM ‘PASQUIM’

 CITANDO-ME NO JORNAL VERDADEIRO OLHAR - ESTA SEMANA, NUMA BANCA PERTO DE SI...

 

Dizia a minha avozinha que Deus tenha, com a imensa sabedoria das pessoas simples e a propósito do meu respingar em relação a tudo que não me agradava: ‘se não gostas não abocanhes e põe na borda do prato’.

Sábio conselho que nunca deixou de me acompanhar e que ganha importância sempre que vejo certos artistas, salivando de cobiça - fingirem que não gostam do bocado, lhe torçam o nariz, ensaiando mesmo aquele trejeito de enjoo, mas tentem aproveitar a primeira desatenção ou aligeirar das defesas para o abocanhar.

Vem esta espécie de parábola de contornos familiares a propósito do Jornal Verdadeiro Olhar – um Jornal de Lousada, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel – e também de Valongo, onde tem vindo a conseguir uma implantação exponencial – e onde há alguns meses atrás, o seu Director me desafiou, como membro da Direcção da Associação Coragem de Mudar, a partilhar aquilo que me vai na alma – a maioria das vezes, sobre assuntos do meu habitat mais alargado que é Valongo, outras, sobre o microclima de Alfena onde moro, mas também num ou outro momento, sobre assuntos de âmbito mais geral.

Tudo correu sem percalços de maior, enquanto o ‘agregado familiar’ a que pertenço desde 2010 e com o qual renovei recentemente o meu contrato de cidadania por mais dois anos, se manteve fiel aos seus propósitos de ser e fazer diferente daquilo que os Partidos são e fazem de pior: a intriga.

Tudo passou a correr menos bem, a partir do momento em que os filhos (a parte Institucional) ganharam voz própria e deixaram de se confinar ao papel de adoradores incondicionais dos detentores de uma parte da nossa representação – os 2 vereadores eleitos - estes, adeptos de um tipo de poder endeusado, onde só os eleitos - no sentido sacralizado do termo - têm o direito de se sentar à mesa do Rei e onde à plebe deve estar reservado apenas um papel condizente com a sua condição de classe inferior, os quais, reagiram mal à blasfémia que algumas críticas consubstanciaram, à luz da visão endeusada que têm das suas funções.

Pelos vistos, só em 2009 é que a força braçal foi importante para a condução do andor até ao comício de encerramento da campanha – a festa do ‘CORAÇÃO DOCE’ - frente à casa grande de Vallis Longus, naquela noite memorável onde ainda acreditávamos que o sonho fosse possível. Não foi. E a partir daí, passamos a ser uma realidade cada vez mais incómoda, cujo definhamento foi sendo trabalhado na sombra, no sentido de lhe fazer velório o mais depressa possível. Dezembro de 2010 foi a primeira tentativa, mas correu mal! Tão mal, que de forma completamente inesperada, o morto se levantou e andou. Há dias atrás, tentaram novamente o ‘libertador filicídio’ e mais uma vez não correu bem. Fizemos a nossa prova de vida e demos razão àquela conhecida frase de que ‘as notícias sobre a nossa morte eram manifestamente exageradas’.

Motivos para não gostarem do nosso apego à vida existirão vários, mas destaco apenas dois:

Primeiro: Tenho um Blog que teima em incomodar muita gente, facto que parece não agradar a quem faz do chá das cinco o principal espaço de debate dos problemas da Sociedade.
Segundo: Escrevo num ‘pasquim’ (leia-se Jornal Verdadeiro Olhar) como membro da Coragem de Mudar, o que para eles parece ser razão bastante para que seja colocado no ‘Index’.

É aqui que entra de novo – e em jeito de conclusão – a parábola da minha avozinha que Deus tenha: Não gostam, ponham na borda do prato.

Mas surpresa das surpresas, não puseram na borda do prato! Fizeram até o inimaginável: foram bater à porta do ´pasquim’ (leia-se Verdadeiro Olhar’) pedir para me substituírem na colaboração quinzenal  que ali mantenho...
Ele há cada coisa!

 
Celestino Neves 
 
Veja abaixo mais artigos de Celestino Neves
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REGEDOR DE ALFENA (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
LIGAÇÕES PERIGOSAS...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
Vallis Longus (*) da longa crise
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O PADRINHO DE VALONGO (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
POLÍTICA E PODER
A política, como forma de atividade ou de práxis humana, está estreitamente ligada ao poder. O poder político é o poder do homem sobre outro homem, descartados outros exercícios de poder, sobre a natureza ou os animais, por exemplo. Poder que tem sido tradicionalmente definido como "consistente nos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem" (Hobbes) ou, como "conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados" (Russell). (Respigado da Wikipédia)
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
AS DUAS REN DE ALFENA
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA TERRA DE “MILAGRES”
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
JORNALISMO SEGUNDO GEOGE ORWELL
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
GASEADOS PELA CRISE - IN MEMORIAM
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ENTRE A BULÉ DE ATENAS E A COMUNA DE PARIS, A HÍBRIDA DEMOKRATIA DE VALONGO...
 
 
Olhar (Im)Parcial
 
A ‘PLAYSTATION’ DE VALONGO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
SOBRE OS CÉUS DE VALONGO – ‘O GRITO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O ‘TRADE CENTER’ DE ALFENA E OUTROS MITOS – ALGUÉM SE LEMBRA?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
QUEREMOS A PÁTRIA DE VOLTA!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – UMA HISTÓRIA DE ‘GLUTÕES’...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – A TANGA E A OBSCENA OBESIDADE
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CUMPLICIDADES ESCONDIDAS COM... ‘RABO DE FORA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ÉTICA NA POLÍTICA – E PORQUE NÃO?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO EM ‘FIM DE CICLO’
publicado às 01:32

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D