Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

PARQUÍMETROS DE VALONGO EXALAM UM CHEIRO ESQUISITO...

Por se tratar de um assunto relevante e talvez um dos negócios mais ruinosos apadrinhados por Fernando Melo e pelo seu fiel e atento aluno (foi o próprio (João Paulo Baltazar que o afirmou logo após a saída de Melo), aqui transcrevo a notícia da LUSA.

Ao contrário do que diz - e estranha -  João Paulo Baltazar, o assunto já foi alvo de muitas e acesas discussões em reuniões de Câmara, com o PS então representado entre outros pela sua primeira vereadora Maria José Azevedo.

(Nota: A foto acima, da Voz de Ermesinde, refere-se a uma dessas discussões - 15-05-2007)

Aqui vão alguns links que nos remetem para essas discussões:

http://www.avozdeermesinde.com/noticia.asp?idEdicao=99&id=3148&idSeccao=848&Action=noticia
http://www.avozdeermesinde.com/noticia.asp?idEdicao=88&id=2658&idSeccao=730&Action=noticia
http://www.avozdeermesinde.com/noticia.asp?idEdicao=116&id=3731&idSeccao=1030&Action=noticia
http://www.mariajoseazevedo.com/index.php?oid=600&op=all#cont
Agora o que torna o assunto realmente estranho, é que dada a situação actual das finanças municipais, João Paulo Baltazar demore tanto a transformar este assunto num caso de polícia.
Porquê essa hesitação? Porque Melo e seus apaniguados não estão livres de pecado e podem ser apanhados na fotografia? Por quaisquer outras razões que por enquanto nos escapam?
Eu só estive a lançar dúvidas. As acusações costumam ficar por conta do Ministério Público!
Mas não ficamos por aqui em termos de estranhos e involutivos comportamentos:
Qual foi o registo que os vereadores eleitos pela Coragem de Mudar (mas actualmente, visivelmente à margem da sua Associação) adoptaram perante este relatório, depois de em nome do PS (Maria José Azevedo e restantes) terem assumido no passado recente, posições tão críticas - como esta, por exemplo:

Coragem de Mudar denuncia prejuízo anual de 102 mil euros com os parcómetros

2010-07-01

Partilhar 

A Câmara Municipal de Valongo tem um prejuízo anual de 102 mil euros com o contrato de concessão do estacionamento de duração limitada (vulgo parcómetros ou parquímetros). Em contrapartida, a empresa a quem está concessionado o serviço lucra todos os anos 223 mil euros. O negócio é ruinoso para o município, como denunciaram os vereadores da Coragem de Mudar na última reunião pública da Câmara.


O contrato de concessão foi assinado em 2003, mas sofreu sucessivas alterações, cuja legalidade não está suficientemente esclarecida, aumentando o período de concessão de 20 para 30 anos, ou seja, alargando o prazo de obtenção de rendimentos para a empresa e de prejuízos para a Câmara em 50 por cento do tempo inicialmente previsto. Além disso, essas modificações, sempre por iniciativa da empresa e com a anuência cúmplice da Câmara, prejudicaram directamente os cidadãos, já que os lugares de estacionamento pago são agora 505 em Ermesinde e 496 em Valongo, quando, inicialmente, eram 322 e 429, respectivamente.

Um dos principais motivos para o prejuízo da Câmara com o negócio é a fiscalização. O pessoal que realiza esse serviço é pago pela edilidade, que tem uma despesa anual de 114 mil euros para que sejam autuados os cidadãos que não paguem pelo estacionamento. Sem custos com esta operação, a empresa concessionária embolsa a parte de leão das receitas: 93 por cento em Valongo e 97 por cento em Ermesinde, deixando as migalhas que sobram para a autarquia.

Perante esta situação e tendo em conta a situação calamitosa das finanças municipais, os vereadores da Coragem de Mudar, dando seguimento a um dos compromissos celebrados em notário durante a campanha eleitoral, propuseram que o negócio seja reanalisado, renegociando-se o contrato, sem excluir a possibilidade de resgate da concessão.

A Coragem de Mudar propôs que o estudo da solução a adoptar fosse realizado por uma comissão que integrasse um representante de cada uma das forças políticas presentes no executivo municipal. PSD e PS opuseram-se, decidindo que deveria ser o gabinete contratado pela Câmara para analisar a situação financeira do município a debruçar-se sobre este assunto."


Talvez muito em breve conheçamos um pouco as razões que a razão desconhece, para a existência de tão ruidoso silêncio...


Porto, 25 jan (Lusa) - O PS de Valongo apresentou hoje uma participação no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) relacionada com o contrato de concessão de estacionamento entre a autarquia de Valongo e um consórcio privado.

Em declarações à agência Lusa, o líder da concelhia socialista de Valongo, José Manuel Ribeiro, disse que está em causa a alegada prática do crime de gestão danosa, com dolo, explicou que a atitude socialista decorre "de uma obrigação cívica" e declarou "estranho" que a denúncia não tenha sido efetuada pelo "próprio" presidente da Câmara Municipal de Valongo.

Confrontado pela agência Lusa com a ação do PS/Valongo, o presidente da autarquia, João Paulo Baltazar (PSD), reconheceu "problemas" na dita concessão, mas considerou que a denúncia apresentada é "apenas uma questão de estilo de fazer politica" e que "em nada vai ajudar" a resolver a questão.

A denúncia do PS/Valongo, à qual a Lusa teve acesso, decorre da avaliação efetuada à referida concessão, a pedido da autarquia.

Segundo o PS, a avaliação "reconhece que o município de Valongo não consegue validar com rigor os valores que lhes são transferidos pela Parque VE no âmbito das concessões, em virtude de nunca ter funcionado convenientemente a consulta ao sistema informático dos parcómetros prevista na cláusula 12.ª dos contratos de concessão".

O PS classifica como "muito grave" a "existência de um obstáculo informático ao cumprimento do referido contrato" que - alega, tendo por base o citado estudo - "atenta objetivamente contra a defesa do interesse público".

Por isso, José Ribeiro defendeu ser "uma obrigação cívica denunciar esta questão", afirmando mesmo que "devia ser o próprio presidente da Câmara a fazê-lo".

“É muito estranho que não o tenha feito", acrescentou.

Em resposta, João Paulo Baltazar afirmou "que estranho é que só agora tenha dado este acervo de cidadania" ao líder socialista.

"Esta denúncia é uma questão de estilo, na vida política e pública. O meu é resolver os problemas. O dele [José Manuel Ribeiro] é fazer denúncias para aparecer na comunicação social", disse.

Até porque, adiantou, "esta é uma questão que vem há muito a ser discutida dentro do executivo camarário e sobre a qual todo o executivo concorda que é preciso encontrar uma solução".

Segundo disse o autarca, "a questão que mais importa no decorrer do contrato nem é a apontada pelo PS".

João Paulo Baltazar apontou que a autarquia "não abdica que a empresa concessionária faça a demonstração das receitas resultantes do acordo", mas que "há questões bem mais importantes a refletir porque repercutem diretamente sobre os cidadãos".

São questões referentes ao "valor das coimas a aplicar em caso de incumprimento, que é injusto", e o "encargo excessivo que a CMV tem com esta concessão", precisou.

O autarca reiterou que o processo está a ser "conduzido com toda a transparência" e que a denúncia feita pelo PS "não ajudará em nada e apenas vem denegrir o nome de Valongo".

Baltazar assegurou ainda que "estão a ser estudadas soluções" para este problema, que podem passar pela denúncia do contrato ou um acordo entre as partes, "para que haja alterações" no mesmo.

"Na próxima semana o assunto voltará a ser discutido e analisado pelo executivo", garantiu.


publicado às 23:46

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D