Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA A 'ENTEADA'...

 
 
por: Celestino Neves  
 
OLHAR (IM)PARCIAL
ALFENA E A ‘CÂMARA OCULTA’
 

Alfena é nome de cidade recente do Concelho de Valongo.

Porém, quem eventualmente acreditou que dessa alteração de estatuto adviriam mudanças imediatas no enquistado centralismo da Câmara, rapidamente perceberam que não seria nesse sentido que as coisas caminhariam. E não caminharam!

Muitos (eu incluído) atribuíam às cataratas políticas de Fernando Melo, o facto de a Câmara se focar demasiado  num ponto específico do Concelho e tendiam a atribuir esse desvio visual a causas de natureza puramente enológica.

Mas não. Rapidamente percebemos que com 18 anos de desvarios, o tumor virara maligno e as metáteses se tinham disseminado de forma incontrolável, pelo que quando o dinossauro deixou de ‘gostar de nós’, o seu delfim só podia seguir-lhe as pisadas e continuar os seus desvarios.

João Paulo Baltazar dirige a orquestra com a partitura de Melo e quanto a isso estamos todos conversados!

Até deixou sem resistir, que Relvas lhe retirasse uma das 5 filhas e a obrigasse a ir viver para casa da irmã mais próxima, qual gata borralheira  - para fazer o trabalho braçal?

De duas das restantes não vou falar, mas tenho de criticar de forma veemente a forma madrasta como sempre foi tratada aquela onde vivo! 
Alfena foi sempre a enteada a quem só ofereciam mimos ou roupa nova quando o dinheiro não fazia falta para os berloques das preferidas e por isso não admira que a sua elevação a cidade, numa primeira reacção nos tenha entusiasmado genuinamente, fazendo-nos acreditar que isso induziria uma pressão acrescida sobre a madrasta, capaz de pôr cobro à discriminação do passado.

E seria lógico que assim fosse, se não estivéssemos em Valongo e se não vivêssemos em pleno reinado de Fernando Melo II!

De facto, Alfena não tem uma extensão de serviços camarários, não tem um pavilhão gimnodesportivo municipal não tem equipamentos ou espaços de lazer e não fosse o contributo que é dado de forma verdadeiramente louvável e insuficientemente apoiada, por duas relevantes Instituições da nossa cidade (o Centro Social e Paroquial de Alfena e o Atlético Clube Alfenense) nas suas áreas  específicas de intervenção e teríamos um vazio completo a nível da actividade lúdico-desportiva.

Alfena é atravessada pela N105 (Rua 1º. De Maio no troço urbano) que devido à introdução de portagens nas SCUT passou a ter um volume de trânsito muito próximo daquele que tinha antes da construção da A41. Nada foi feito até agora por parte da Câmara para pressionar as Estradas de Portugal a dotarem este mesmo troço, de infraestruturas adequadas: semáforos, passadeiras, passeios.

A Junta de Freguesia tem andado a desempenhar esse papel sozinha e abandonada, exigindo o que há muito foi acordado - a construção de cerca de 700 metros de passeio e a resolução dos vários ‘pontos negros’ em termos de acidentes.

Enquanto isso, João Paulo Baltazar, o sempre em festa, lá vai dançando o corridinho rumo às eleições próximas, esquecendo-se de que há mais vida para além da pré campanha.

Valongo tem portanto 5 filhas (ou serão 4?) todas iguais, mas parece que algumas continuarão a ser mais iguais que outras.

Aqui, continuaremos com uma ‘Câmara oculta’ e por causa disso, a qualidade da imagem com que nos apresentamos aos vizinhos continuará abaixo do aceitável e a desagradar-nos profundamente - até Outubro ou (segundo se consta) finais de Setembro.

 


 


 
 
 
Celestino Neves 
 
Veja abaixo mais artigos de Celestino Neves
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REGEDOR DE ALFENA (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
LIGAÇÕES PERIGOSAS...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
Vallis Longus (*) da longa crise
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O PADRINHO DE VALONGO (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
POLÍTICA E PODER
A política, como forma de atividade ou de práxis humana, está estreitamente ligada ao poder. O poder político é o poder do homem sobre outro homem, descartados outros exercícios de poder, sobre a natureza ou os animais, por exemplo. Poder que tem sido tradicionalmente definido como "consistente nos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem" (Hobbes) ou, como "conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados" (Russell). (Respigado da Wikipédia)
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
AS DUAS REN DE ALFENA
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA TERRA DE “MILAGRES”
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
JORNALISMO SEGUNDO GEOGE ORWELL
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
GASEADOS PELA CRISE - IN MEMORIAM
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ENTRE A BULÉ DE ATENAS E A COMUNA DE PARIS, A HÍBRIDA DEMOKRATIA DE VALONGO...
 
 
Olhar (Im)Parcial
 
A ‘PLAYSTATION’ DE VALONGO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
SOBRE OS CÉUS DE VALONGO – ‘O GRITO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O ‘TRADE CENTER’ DE ALFENA E OUTROS MITOS – ALGUÉM SE LEMBRA?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
QUEREMOS A PÁTRIA DE VOLTA!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – UMA HISTÓRIA DE ‘GLUTÕES’...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – A TANGA E A OBSCENA OBESIDADE
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CUMPLICIDADES ESCONDIDAS COM... ‘RABO DE FORA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ÉTICA NA POLÍTICA – E PORQUE NÃO?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO EM ‘FIM DE CICLO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – DOIS VEREDORES, UM ‘CORAÇÃO DOCE’ E UM ‘PASQUIM’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REI-SOL DO ANO – ‘A CÂMARA SOU EU’!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – O HERDEIRO
publicado às 17:32

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D