Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A RUINOSA CONCESSÃO DA VEOLIA DE VALONGO - OU O ASSALTO À MÃO DESARMADA!

 

 

O comentário que se segue deixado por este ilustre desconhecido,  sobre a colonização da VEOLIA e sobre a corrupção que está e sempre esteve subjacente à concessão atribuída por Melo e até agora não contestada pelo herdeiro, merece ser destacado e divulgado.

Façam-no todos os que puderem - para que os roubos parem. Façam-no em benefício daqueles que neste momento em Valongo - sobretudo em Alfena estão em vias de ser assaltados!


A.Almeida a 7 de Março de 2013 às 23:15
A teia que nos envolve é poderosa, não pela carapaça mas pelos paliativos (democráticos)que em trinta e oito anos não param de esconder a verdade.
O negócio das águas, todos o sabem, foram PPP a nivel autarquico e todos assinaram os regulamentos camarários que vieram intimidar os cidadãos para concluir com taxas sobre ramais de saneamento e águas, ilegais.
O Dec. Regulamentar 23/95 artigo 282 e 283 é claro para qualquer formação da primária, no entanto passou despercebido a centenas de democráticos licenciados e até juristas.
Lutar pelo melhor preço da água é muito pouco quando a maior azia está nas taxas que foram pagas e outras que se preparam. Digo eu, será melhor fazer a frente para centenas de utentes reclamarem a devolução das ditas taxas a coberto de regulamentos camarários, que ultrapassaram a Constituição e a Lei. 
Este Dec. Regulamentar. só fáz sentido na defesa do cidadão e não de negócios/PPP autarquias e concessionários e temos como afirma-lo. 
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Desde 1993 as Camaras Municipais, aquelas que deram na forma PPP o negócio das águas e saneamento a empresas privadas, transmitiram também uma prática ilegal, à luz do Decreto Regulamentar nº 23/95 art. 282 e 283, via regulamento camarário, que impõe o pagamento dos ramais públicos aos utentes. Os ditos regulamentos camarários que deviam repetir a Lei sem a ultrapassar, deram-lhe um sentido diferente para extorquir aos utentes o que é ilegal e muitas vezes incomportável.
Para alertar todos aqueles que já pagaram ramais de água ou saneamento na área pública, ou estão na calha para pagar, devem ler o parecer da Associação Direito ao Consumo 12-2012(Mário Frota) e a Sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga que condena a Câmara Municipal de Barcelos pelas razões acima referidas.
Assim, os ramais de saneamento como os ramais de água potável, são da total responsabilidade das Artarquias ou suas PPP, amenos que, seja solicitado pelo utente alterações que elevem o seu custo.
Para defesa do suor do utente e contra o parasitismo nacional. 
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
Links relevantes:

Associação Portuguesa do Direito do Consumo

Câmara de Barcelos
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
PS:

A.Almeida a 9 de Março de 2013 às 13:14
Para concluir o trabalho sobre a água/PPP-solicito ao Sr.Gestor TERRACOMOLIMITE o favor do melhor enquadramento.

Mais recente, temos o DL 194/2009 que vem fazer afinações na lei da água e revoga o DL 207/94. 
Que pode querer dizer esta afinação? Deixo esta interrogação para concluirmos mais tarde, aquando da publicação do novo Dec. Regulamentar referente ao DL 194/2009. 
Para mim esta afinação leva água no bico, a menos que a TERRA diminua a velocidade de rotação nada mais justifica que uma Lei seja revogada com tão poucos anos de vida. Quando muito, correções pontuais são de esperar mas novo Dec. Regulamentar, cheira a esturro. 
A ser assim, voltando ao pensamento das conveniências de todas as forças políticas qual será a que vai denúnciar tal matrafisca contra o povo? Nenhuma, pois todos estão conscientes que os orçamentos camarários são o garante dos seus tachos. Mais difícil ainda quando se trata de uma organização nacional de municipios onde todos são domesticados, tal e qual as ordens maçónicas ao serviço do GRUPO de BILDERBERG. A Almeida.

publicado às 00:55

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D