Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

CRONOLOGIA DA VIOLÊNCIA

O homem é um ser social que ao interagir com o seu semelhante, provoca reacções - amigáveis umas, de indiferença ou hostis outras.

Um acto amistoso é retribuído com outro acto amistoso, um acto hostil obtém retorno equivalente. Só a indiferença pendularmente reciproca, é neutra e socialmente parasitária.

 

A cada acção, corresponde por isso uma reacção, a qual por sua vez, induz 'valor acrescentado' numa nova acção e potencia o retorno de uma inevitável reacção superior à primeira - com excepção como já vimos, do comportamento relacionado com a indiferença.

 

Parece um pouco confuso, mas a cronologia dos comportamentos sociais gira mais ou menos em torno destes pressupostos.

No caso particular das reacções de tipo violento, se não pararmos este perigoso ciclo vicioso, o mais certo é que estas, que numa primeira fase podem ser ainda relativamente contidas, acabem por degenerar rapidamente em conflito descontrolado.

 

Mas não há hostilidade que magoe mais, do que aquela que nos chega de forma inesperada, imerecida, indesculpável, inexplicável, da parte dos amigos imaginados, porque declarados, porém objectiva e comportamentalmente não confirmados e é esta a que mais rapidamente pode evoluir para a tal fase seguinte.

 

Quando a contrafacção alastra dos bens de consumo ao terreno das amizades, quando 'espreitamos' o interior daquele suposto amigo de sempre e nos deparamos com a deprimente etiqueta made in não sei quantos, ficamos sem chão, descremos do mundo, descremos - se é que ainda críamos - de um suposto ordenamento divino e instala-se na nossa mente um vazio que dói, uma desilusão que nos seca por dentro, uma revolta que nos suga os últimos resquícios de bondade, transfigurando-nos, trasformando-nos num 'outro eu' tão letal como o 'outro' que deu início à reacção em cadeia.


Nada como a traição - e só os amigos traem - é susceptível de gerar tão fortes reacções de violência. 



 

 

 

 

publicado às 22:42

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D