Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

PARA LÁ DO "MANTO DIÁFANO DA FANTASIA"...

Hoje foi dia de remexer no passado – não consegui resistir ao choro plangente de uma balalaika triste (*) vindo bem do fundo do meu “baú de recordações”…

 

Tinha prometido acabar com a longa hibernação a que tenho votado as míseras 40 páginas do meu velho projecto e vou fazê-lo, mas por agora, não é sobre isso que quero desabafar.
Quando soprava a poeira dos tempos acumulada sobre velhos apontamentos de viagem, vieram-me à memória, dolorosas lembranças sobre a vida partidária que já tive e sobre as razões fortes – porque mais decantadas e consolidadas pelo tempo – que me levaram a abandonar a mesma.
E como são parecidas a maioria delas, com as que anos mais tarde levaram Mikhail Gorbatchev a lançar a sua Glasnost e a dar início à Perestroika – o princípio do fim do mito sobre a construção do socialismo na URSS.
Como ele, também eu naquela minha estadia de 7 meses em 1976 na “pátria do socialismo”, comecei a ver um pouco para além do diáfano manto de fantasia com que os ideólogos de serviço do meu Partido sempre envolviam o que verdadeiramente ali se passava.
E o que vi foi tão violento e tão desmotivador, que me impediu de continuar – como muitos companheiros de percurso fizeram – a “assobiar para o ar” fingindo que nada se passava.
Por isso escrevi, denunciei, manifestei o meu descontentamento (internamente, mas sempre ao mais alto nível do meu Partido). Não me ligaram – pior, acusaram-me de estar a facilitar a tarefa aos “nossos inimigos”!
Optei por "descer da carruagem" e deixar que os outros, mesmo avisados e conscientes do caminho errado, prosseguissem…
Depois, bem … depois foi o que se viu!
Passaram já mais de 30 anos sobre o momento em que comecei a "ver" que na terra de Vladimir Ilitch Lenine, nem tudo o que parecia era – pior, quase tudo o que parecia não era! – E apesar de todo este tempo, acho que ainda não fiz o meu "luto”.
É que apesar da hecatombe que levou ao desabar de todo o Império por detrás da “cortina de ferro”, de que o estrondo maior – ou se quisermos, a parte mais audível do terramoto – foi a queda do muro de Berlim (capital da então RDA, por onde andei também durante 45 longos dias em 1979, integrando um grupo de formação de formadores sindicais) continuo a ver antigos companheiros ainda em plena actividade ao nível das várias estruturas partidárias, sindicais, autárquicas, culturais e outras, utilizando o mesmo léxico, como se nada tivesse mudado e isto é no mínimo caricato!
(*) É apenas um projecto de título para um projecto de livro...
publicado às 11:45

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D