Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - UM 'UPGRADE' MAL CONSEGUIDO...

Citando-me a mim próprio - no Jornal VERDADEIRO OLHAR - hoje nas bancas:



 

OLHAR (IM)PARCIAL
O ‘UP(DOWN)GRADE’ DE VALONGO...
 


Quando pensávamos já saber tudo sobre ele, o  presidente/candidato da Câmara de Valongo consegue ainda surpreender-nos!

Debilitado pelo ‘divórcio’ recente com o traído parceiro de coligação, compreende-se que tenha de fingir que continua vivo, forte e criativo.

E faz por isso! 

Vai à festa e à festança, ao bailinho e à dança ao Teatro com letra maiúscula e também à palhaçada em que para entrar não se ensaia nada, vai ao almoço e à almoçarada, está ‘sempre em festa’ fazendo lembrar o outro ‘emplastro’, antes desdentado, agora de prótese embelezado, de Pinto da Costa ‘filho’ inventado.

João Paulo está em todas – nas que subsidia e nas que só apadrinha - numa busca incessante de público atento e venerador! 

E agora até resolveu tentar uma pequena incursão no ramo da electricidade e ‘ligar a nós’ um Concelho (que Melo e ele desligaram  dos valonguenses há 18 anos) através de um logótipo e de um slogan feitos à pressa – a pressa que o momento eleitoral exige:
 
 (…) Para o Presidente da Câmara Municipal, João Paulo Baltazar, "esta nova imagem que aqui apresentamos e que vai passar a identificar o município de Valongo respeita a nossa identidade e as nossas tradições(…).
 (...) Ligado a si” é o novo mote para a relação que pretendemos aprofundar com cada munícipe. “Ligado a si” porque é para si e para a sua família que diariamente trabalhamos.Ligado a si… sempre."

(Município de Valongo no Facebook)

Já outros têm feito coisas semelhantes mas nunca de forma tão atamancada e desligada da realidade.

Sendo a Câmara de Valongo uma daquelas onde a opacidade é mais notória, onde a informação e a transparência de procedimentos são mais deficitárias, onde as leis ‘jazem em herméticas gavetas’, onde nem as regras do PAEL que exigem a publicação atempada no sítio da Câmara, de todos os documentos relevantes são cumpridas, temos de concordar que não faria grande sentido ele preocupar-se com ninharias como por exemplo, um concurso de ideias envolvendo os criativos do Concelho, os estudantes e a comunidade escolar, (apenas) para criar um novo logótipo ou um novo slogan cuja principal senão única finalidade, é dar uma nova imagem à sua candidatura e por isso mesmo, não compaginável com o calmo, natural e compassado ritmo de quem cria sem segundas intenções e sem pressas calendarizadas.

E atreve-se a dizer-nos que espera (como quem exige) que gostemos!
(Num flyer distribuído apenas aos funcionários, é um pouco mais presunçoso afirmando que isto significa uma nova autarquia! Só os da ‘árvore genealógica’ acreditarão!).

Mas ainda que gostássemos, ainda que por hipótese absurda pudesse ocorrer a coincidência de o resultado final ser exactamente igual àquele que foi “totalmente concebido internamente”, a abertura à participação da comunidade, faria ainda assim toda a diferença.

Lamentavelmente, fica-nos um logótipo ao gosto (discutível) do presidente/candidato, um slogan que se queda pela metade e um Concelho que se queda por fazer...

“Construído por todos, ligado a si” faria algum sentido. Porém, João Paulo Baltazar, igual a ele próprio, confinou-nos à metade mais pequena da frase - ‘ligado a si’.

Caso para lhe perguntarmos, a ele que tem como parceira preferencial nas obras municipais uma empresa de instalações eléctricas bem conhecida de todos, se a ‘ligação’ estará devidamente certificada. É que, por mais que tentemos, não passa corrente!


 
 
 
Celestino Neves 
 
Veja abaixo mais artigos de Celestino Neves
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REGEDOR DE ALFENA (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
LIGAÇÕES PERIGOSAS...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
Vallis Longus (*) da longa crise
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O PADRINHO DE VALONGO (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
POLÍTICA E PODER
A política, como forma de atividade ou de práxis humana, está estreitamente ligada ao poder. O poder político é o poder do homem sobre outro homem, descartados outros exercícios de poder, sobre a natureza ou os animais, por exemplo. Poder que tem sido tradicionalmente definido como "consistente nos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem" (Hobbes) ou, como "conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados" (Russell). (Respigado da Wikipédia)
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
AS DUAS REN DE ALFENA
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA TERRA DE “MILAGRES”
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
JORNALISMO SEGUNDO GEOGE ORWELL
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
GASEADOS PELA CRISE - IN MEMORIAM
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ENTRE A BULÉ DE ATENAS E A COMUNA DE PARIS, A HÍBRIDA DEMOKRATIA DE VALONGO...
 
 
Olhar (Im)Parcial
 
A ‘PLAYSTATION’ DE VALONGO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
SOBRE OS CÉUS DE VALONGO – ‘O GRITO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O ‘TRADE CENTER’ DE ALFENA E OUTROS MITOS – ALGUÉM SE LEMBRA?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
QUEREMOS A PÁTRIA DE VOLTA!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – UMA HISTÓRIA DE ‘GLUTÕES’...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – A TANGA E A OBSCENA OBESIDADE
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CUMPLICIDADES ESCONDIDAS COM... ‘RABO DE FORA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ÉTICA NA POLÍTICA – E PORQUE NÃO?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO EM ‘FIM DE CICLO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – DOIS VEREDORES, UM ‘CORAÇÃO DOCE’ E UM ‘PASQUIM’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REI-SOL DO ANO – ‘A CÂMARA SOU EU’!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – O HERDEIRO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA E A ‘CÂMARA OCULTA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – “AS DEZANOVE SOMBRAS” DE... MARIA JOSÉ AZEVEDO
publicado às 00:42

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D