Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

O PAEL DE VALONGO - UM "PROGRAMA DE APOIO À ECONOMIA LOCAL"?

 

'Eu ainda sou do tempo' em que uma empresa era uma espécie de 'família alargada' onde o patrão, podendo embora ter por vezes aquele acesso de mau feitio de que não gostávamos - mas os nossos pais não o tinham também quando a paciência escasseava face ao acumular dos nossos erros? - nunca nos faltava, tal como aqueles, nas horas do aperto.

 

Não que Karl Marx não tivesse razão quando escreveu 'O Capital' (Das Kapital em alemão) mas embora o patrão tivesse de facto como objectivo o lucro, na fase da minha juventude, essa forma de exploração já não se fazia da mesma forma selvagem de outros tempos.

Até nas grandes empresas - às vezes muito grandes mesmo - o trabalho viveu anos de relativa 'democratização' de balanceio relativamente pacífico entre direitos e deveres e sobretudo - aqui 'a diferença que faz a diferença' em relação aos tempos actuais - as relações de trabalho ainda não tinham sido contaminadas pela entrada no processo, do perigoso predador chamado capital financeiro.

A partir desse momento (não foi bem um momento mas antes um longo período em que se foi introduzindo de forma insidiosa) os países - sim porque este processo é verdadeiramente 'internacionalista' - foram perdendo soberania, as empresas passaram a ser meros joguetes nas mãos dos homens da roleta e os governos deixaram de, bem ou mal, representarem (apenas) o Povo. Antes, quando o faziam mal o Povo substituía-os por outros e assim sucessivamente até obter um relativo sucesso na escolha, agora a escolha é quase indiferente, pois todos à sua maneira, serão fiéis representantes dos predadores, passando a constituir simples marionetas nas mãos deles.

 

O que se passa em Portugal agora, não surgiu do nada, como não surgiu também na Grécia, na Irlanda, em Chipre e nos outros Países que se seguirão.

 

E nesta trituradora gigante em que o mundo se transformou, os cidadãos deixaram de contar, os países deixaram de ser Estados e de serem delimitados pelas suas linhas de fronteira mas apenas pelo extensão da sua dívida versus capacidade de a pagar no mais curto prazo possível.

 

"E se isso significar a aniquilação física de uma parte significativa da sua população, nem por isso deve deixar de ser feito, porque é para 'salvar' a outra parte e outros já o fizeram no passado por motivos menos 'nobres', como por exemplo para preservar a predominância de uma raça e blábláblá".


Vem isto a propósito de quê? Ah! já me lembro: 

 

Como alunos aplicados, a nova geração de patrões rapidamente evoluiu para a categoria de caniches amestrados, dos governantes, eles que se transformaram também em buldogues do 'internacionalista' capital financeiro.

 

Valongo não podia escapar ao fenómeno. A trituradora não nos poupou e por via dela, o sofrimento alastrou, as falências dos patrões que apesar da exploração cada vez mais intensiva e selvagem do seu principal 'capital' - o trabalho - deixavam de poder fazer as entregas periódicas aos usurários foi transformando em esqueletos, edifícios inteiros antes designados de 'Fábrica de xpto', 'Oficina de não sei o quê', 'Gabinete de não sei quantos'.

 

As Obras públicas antes artificialmente prósperas perderam o gás que enchia a bolha e fizeram 'ploff', a autarquia deixou de receber os fluxos antes imaginados como eternos, as silvas e o mato foram fazendo o que podiam para encobrir as desgraças - veja-se a chamada Zona Industrial do Barreiro em  Alfena, só para dar um exemplo...

 

Mas há tempos, surgiu uma luz ao fundo do túnel, muito ténue, tanto que nem a conseguíamos enxergar, mas como na história do rei que ia nú, não quisemos fazer má figura: "Ah! pois estou a ver (estávamos lá a ver alguma coisa!), sim sim o PAEL! Claro que sei o que é!" - aqui não fingíamos, pois sabíamos bem o que era e para o que serviria nesta altura em que se aproximam eleições!

 

Mas o PAEL em Valongo não bate certo com a sigla!

 

Em Valongo, há dívidas que estão a ser pagas a empresas que fecharam portas, que viraram 'camaleões', que venderam instalações e maquinaria, mas que mesmo assim - "e porque não, pergunta o devedor agora pagador?" - recebem o respectivo cheque para depois desaparecerem esquecendo-se de o dividir com os seus credores, outrora quase 'família alargada'.

 

Não sei se isto é respeitar a Lei - se calhar até é, porque conhecendo alguns mentecaptos que viraram legisladores, tudo é possível - mas que é IMORAL, lá isso é! 

 

Será que a Câmara de Valongo não tem o direito - o DEVER! - antes de passar o cheque, de ver qual é a situação social da 'Fábrica xpto', da 'Sociedade de Empreitadas e Construções", da 'Oficina de não sei o quê'?

 

Se eu fosse presidente da autarquia, era o que faria - sobretudo, se estivesse interessado em ganhar os votos dos valonguenses nas próximas eleições...

 

publicado às 22:58

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D