Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

O PAEL DE VALONGO - UM "PROGRAMA DE APOIO À ECONOMIA LOCAL"?

 

'Eu ainda sou do tempo' em que uma empresa era uma espécie de 'família alargada' onde o patrão, podendo embora ter por vezes aquele acesso de mau feitio de que não gostávamos - mas os nossos pais não o tinham também quando a paciência escasseava face ao acumular dos nossos erros? - nunca nos faltava, tal como aqueles, nas horas do aperto.

 

Não que Karl Marx não tivesse razão quando escreveu 'O Capital' (Das Kapital em alemão) mas embora o patrão tivesse de facto como objectivo o lucro, na fase da minha juventude, essa forma de exploração já não se fazia da mesma forma selvagem de outros tempos.

Até nas grandes empresas - às vezes muito grandes mesmo - o trabalho viveu anos de relativa 'democratização' de balanceio relativamente pacífico entre direitos e deveres e sobretudo - aqui 'a diferença que faz a diferença' em relação aos tempos actuais - as relações de trabalho ainda não tinham sido contaminadas pela entrada no processo, do perigoso predador chamado capital financeiro.

A partir desse momento (não foi bem um momento mas antes um longo período em que se foi introduzindo de forma insidiosa) os países - sim porque este processo é verdadeiramente 'internacionalista' - foram perdendo soberania, as empresas passaram a ser meros joguetes nas mãos dos homens da roleta e os governos deixaram de, bem ou mal, representarem (apenas) o Povo. Antes, quando o faziam mal o Povo substituía-os por outros e assim sucessivamente até obter um relativo sucesso na escolha, agora a escolha é quase indiferente, pois todos à sua maneira, serão fiéis representantes dos predadores, passando a constituir simples marionetas nas mãos deles.

 

O que se passa em Portugal agora, não surgiu do nada, como não surgiu também na Grécia, na Irlanda, em Chipre e nos outros Países que se seguirão.

 

E nesta trituradora gigante em que o mundo se transformou, os cidadãos deixaram de contar, os países deixaram de ser Estados e de serem delimitados pelas suas linhas de fronteira mas apenas pelo extensão da sua dívida versus capacidade de a pagar no mais curto prazo possível.

 

"E se isso significar a aniquilação física de uma parte significativa da sua população, nem por isso deve deixar de ser feito, porque é para 'salvar' a outra parte e outros já o fizeram no passado por motivos menos 'nobres', como por exemplo para preservar a predominância de uma raça e blábláblá".


Vem isto a propósito de quê? Ah! já me lembro: 

 

Como alunos aplicados, a nova geração de patrões rapidamente evoluiu para a categoria de caniches amestrados, dos governantes, eles que se transformaram também em buldogues do 'internacionalista' capital financeiro.

 

Valongo não podia escapar ao fenómeno. A trituradora não nos poupou e por via dela, o sofrimento alastrou, as falências dos patrões que apesar da exploração cada vez mais intensiva e selvagem do seu principal 'capital' - o trabalho - deixavam de poder fazer as entregas periódicas aos usurários foi transformando em esqueletos, edifícios inteiros antes designados de 'Fábrica de xpto', 'Oficina de não sei o quê', 'Gabinete de não sei quantos'.

 

As Obras públicas antes artificialmente prósperas perderam o gás que enchia a bolha e fizeram 'ploff', a autarquia deixou de receber os fluxos antes imaginados como eternos, as silvas e o mato foram fazendo o que podiam para encobrir as desgraças - veja-se a chamada Zona Industrial do Barreiro em  Alfena, só para dar um exemplo...

 

Mas há tempos, surgiu uma luz ao fundo do túnel, muito ténue, tanto que nem a conseguíamos enxergar, mas como na história do rei que ia nú, não quisemos fazer má figura: "Ah! pois estou a ver (estávamos lá a ver alguma coisa!), sim sim o PAEL! Claro que sei o que é!" - aqui não fingíamos, pois sabíamos bem o que era e para o que serviria nesta altura em que se aproximam eleições!

 

Mas o PAEL em Valongo não bate certo com a sigla!

 

Em Valongo, há dívidas que estão a ser pagas a empresas que fecharam portas, que viraram 'camaleões', que venderam instalações e maquinaria, mas que mesmo assim - "e porque não, pergunta o devedor agora pagador?" - recebem o respectivo cheque para depois desaparecerem esquecendo-se de o dividir com os seus credores, outrora quase 'família alargada'.

 

Não sei se isto é respeitar a Lei - se calhar até é, porque conhecendo alguns mentecaptos que viraram legisladores, tudo é possível - mas que é IMORAL, lá isso é! 

 

Será que a Câmara de Valongo não tem o direito - o DEVER! - antes de passar o cheque, de ver qual é a situação social da 'Fábrica xpto', da 'Sociedade de Empreitadas e Construções", da 'Oficina de não sei o quê'?

 

Se eu fosse presidente da autarquia, era o que faria - sobretudo, se estivesse interessado em ganhar os votos dos valonguenses nas próximas eleições...

 

publicado às 22:58

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 18.04.2013

    Na mouche meu caro A. da Vicência!
    Abraço
    CN
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D