Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

CONTRIBUTOS PARA A MELHORIA DA 'SAÚDE PÚBLICA' DE VALONGO....

Citando-me a mim próprio no Jornal Verdadeiro Olhar - hoje nas bancas...


 

por: Celestino Neves
 
OLHAR (IM)PARCIAL
O PAEL DE VALONGO – MELROS, MINHOCAS E AVIÕEZINHOS DE PAPEL...
 

Olho através das janelas da minha sala-cozinha o melro que se entretém no meu quintal de minifúndio(!) de cerca de 30 metros quadrados, dando bicadas na terra cavada de fresco  e digo para com os meus botões “é cada cavadela cada minhoca”!

Digo dele, enquanto penso o mesmo sobre quem governa Valongo, onde neste momento decorre uma gigantesca operação de ‘compra’ de resultados eleitorais por via do PAEL cirurgicamente eclodido por Miguel Relvas num parto  prematuro e – segundo ele -  induzido por vontade própria.

A sigla significa – deveria significar – ‘Plano de Apoio à Economia Local’.

E vendo bem as coisas, se tomarmos Valongo como o modelo à escala das autarquias ‘resgatadas’,  é-o de facto, só que para a parte errada da economia – aquela que suportou algumas maiorias despudoradas e corruptas que durante vários anos (no caso de Valongo, Fernando Melo sobreviveu quase 18) promoveram um pouco por todo o lado, uma espécie de ‘fontismo’ serôdio e bacoco, onde se inventaram rotundas, obeliscos, esguichos vistosos, chafarizes, estádios de futebol, pavilhões, arranjos urbanísticos de gosto duvidoso e quase sempre com uma esperança de vida indexada ao termo dos mandatos dos seus promotores – quem vier atrás que os restaure!

‘Fontismo’ à medida de alguns egos desmesurados, escandalosas manifestações de novo-riquismo de quem governa e nos desgoverna com orçamentos fictícios e virtuais, onde a despesa apenas coincide com a receita no breve momento inicial e onde a corrupção encontra – tem encontrado até agora – o microclima ideal para medrar.

Valongo pode com justiça reivindicar junto das congéneres, o papel de líder na asneira e no erro.

Isto apesar de nos dizerem o contrário, apesar do herdeiro se multiplicar em contactos, em convívios da carne assada, da bifana e das minis, espalhando retórica na esperança de que uma mentira repetida muitas vezes, possa vir a ser verdade.

E é aqui que o PAEL entra, funcionando como atenuador do voto de protesto, com os chequezinhos acabadinhos de preencher e ainda com cheiro a Relvas, entregues tantas vezes a ex-empresários corruptos que já se desfizeram das respectivas empresas a quem era devidos.

Num dos casos mais conhecidos por estes lados, até a maquinaria pesada voou  rumo a Angola e outras paragens, enquanto se atiravam borda fora os trabalhadores, com uma mão à frente e outra atrás e a promessa de que “tudo acabaria em bem, quando a Câmara libertasse o carcanhol”.

Era só meia verdade e os que acreditaram que era a verdade inteira acordaram tarde demais  com o ruído do voo rasante do papelinho dobrado em triângulo, qual aviãozinho daqueles que se atiravam (ainda atiram?) durante as aulas. Rumava evidentemente ao mais próximo paraíso fiscal e roncava  quase tanto como as barrigas famintas dos seus filhos,

Esta última parte era a metade da verdade em que não estavam interessados...

O amigo Almerindo (e mais alguns outros ‘almerindos’) e as silvas que aqui em Alfena crescem no sítio das máquinas que agora  escavam o solo angolano, são por enquanto e neste caso específico, os únicos beneficiários do bendito PAEL .

(Serão mesmo?)

O primeiro, provavelmente de bermudas e dobrado ao peso de tantos zeros do cheque que carregou, elas – as silvas - na esperança de que não tenha sobrado o suficiente para comprar herbicida que as incomode, são de certeza.

Seja como for, de bermudas ou de fato e gravata, o amigo Almerindo não deixará de torcer (e contribuir ainda mais um pouco) para a vitória do herdeiro do amigo – ou do amigo simplesmente... 


 
 
 
 
Celestino Neves 
 
Veja abaixo mais artigos de Celestino Neves
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REGEDOR DE ALFENA (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
LIGAÇÕES PERIGOSAS...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
Vallis Longus (*) da longa crise
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O PADRINHO DE VALONGO (*)
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
POLÍTICA E PODER
A política, como forma de atividade ou de práxis humana, está estreitamente ligada ao poder. O poder político é o poder do homem sobre outro homem, descartados outros exercícios de poder, sobre a natureza ou os animais, por exemplo. Poder que tem sido tradicionalmente definido como "consistente nos meios adequados à obtenção de qualquer vantagem" (Hobbes) ou, como "conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados" (Russell). (Respigado da Wikipédia)
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
AS DUAS REN DE ALFENA
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA TERRA DE “MILAGRES”
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
JORNALISMO SEGUNDO GEOGE ORWELL
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
GASEADOS PELA CRISE - IN MEMORIAM
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ENTRE A BULÉ DE ATENAS E A COMUNA DE PARIS, A HÍBRIDA DEMOKRATIA DE VALONGO...
 
 
Olhar (Im)Parcial
 
A ‘PLAYSTATION’ DE VALONGO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
SOBRE OS CÉUS DE VALONGO – ‘O GRITO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O ‘TRADE CENTER’ DE ALFENA E OUTROS MITOS – ALGUÉM SE LEMBRA?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
QUEREMOS A PÁTRIA DE VOLTA!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – UMA HISTÓRIA DE ‘GLUTÕES’...
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – A TANGA E A OBSCENA OBESIDADE
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CUMPLICIDADES ESCONDIDAS COM... ‘RABO DE FORA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ÉTICA NA POLÍTICA – E PORQUE NÃO?
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO EM ‘FIM DE CICLO’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – DOIS VEREDORES, UM ‘CORAÇÃO DOCE’ E UM ‘PASQUIM’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O REI-SOL DO ANO – ‘A CÂMARA SOU EU’!
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
CÂMARA DE VALONGO – O HERDEIRO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
ALFENA E A ‘CÂMARA OCULTA’
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
VALONGO – “AS DEZANOVE SOMBRAS” DE... MARIA JOSÉ AZEVEDO
 
 
OLHAR (IM)PARCIAL
 
O ‘UP(DOWN)GRADE’ DE VALONGO...
 
 
publicado às 01:03

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D