Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA E VALONGO, VALONGO E ALFENA - O PARADIGMA DE SEMPRE...


Ontem foi dia de Assembleia de Freguesia em Alfena.

Ordem de trabalhos (quase) consensual - apenas com alguns votos contra de parte dos Unidos por Alfena que são contra a responsabilidade da Junta no  que tem a ver com a vigilância nos Cemitérios onde há pouco - num deles - aconteceram actos de vandalismo e roubo.

Pouco mais que mereça especial destaque.

 

Ou melhor, destaque até houve pela negativa, na parte referente à intervenção do público, onde estava inscrita apenas uma alfenense, a braços com uma situação igual a tantas outras, isto é, com 'cheiro a corrupção que tresanda'.

Não vou referir nomes - nem da queixosa nem do prevaricador - por razões óbvias, mas tenho obrigatoriamente de mencionar três pessoas/entidades inequivocamente envolvidas - com graus de responsabilidade diferente, é verdade - mas envolvidas!

 

(Abro um parêntesis para criticar mais uma vez, a demasiada subserviência do Presidente da Assembleia em relação ao executivo, nomeadamente ao presidente da Junta.

Divididos que eles andam, nem precisaria preocupar-se muito com essa assertividade demasiado marcada e também, como não havia mais nenhum cidadão inscrito para falar, não precisava de ter interrompido a senhora, impedindo-a de concluir a sua intervenção, 'obrigando-a' a ler à pressa  a 'ultima linha' do texto que trazia escrito).

 

Voltando ao assunto, do que se tratava - do que se trata -  é de mais um episódio de corrupção, relacionado com a construção de um armazém e da apropriação abusiva por parte de um cidadão, de uma rua pública, onde existem infra-estruturas de saneamento, de águas pluviais, etc.

Até aqui, nada de muito relevante, porque apenas mais uma situação de ilegalidade igual a tantas outras, que a Câmara resolveria facilmente - se não deixasse entar pela 'porta lateral' de sempre, o tráfico de influências e a corrupção pura e dura que bem conhecemos, desta vez - e aqui a parte lamentável de tudo isto - apadrinhada e patrocinada pelo advogado Rogério Palhau.

Só que Rogério Palhau é também - para quem não saiba - o presidente da Junta de Freguesia e o único argumento que encontrou para 'atirar' à cidadã como resposta - e também a todos nós ao fim e ao cabo - foi que 'trabalho é trabalho, conhaque é conhaque'!

 

Ficamos sem saber qual é mesmo a parte do 'conhaque'... 

 

Porém ficou visível para todos - menos para o visado - que o problema não é só da Câmara onde ele vai, assessorado tecnicamente e com regularidade, como advogado (ou como presidente de Junta?) para tentar 'negociar' uma saída que corresponda aos interesses do seu cliente (ou simples freguês?).

 

Pelos vistos, o presidente Rogério Palhau nunca ouviu falar em 'conflito de interesses' e o advogado com o mesmo nome também não. 

Acontece que o presidente da Junta de Freguesia, a tempo inteiro, acompanha o advogado em regime livre, sempre que os 'dois' se deslocam à Câmara - que como se sabe, não funciona para além do horário de expediente...

Pelos vistos, o 'último' não se apercebeu ainda que pode vir a ter uma problemazinho, se a cidadã que está a ser prejudicada pelos 'dois' resolver apresentar uma queixa na Ordem dos advogados.

Por razões semelhantes, outros têm visto a sua carteira profissional suspensa!

 

Já quanto à Câmara, enquanto finge que está a tratar do problema pelas vias legais, avança com o argumento de sempre: posse administrativa, mas sem dinheiro para executar a Lei!


Acho que já ouvi esta desculpa vezes demais nos últimos tempos e a propósito de outros casos. E é pena, porque se esperava algo de diferente, depois de algumas mudanças ultimamente operadas a nível da responsabilidade pela Divisão dos Assuntos Jurídicos, Contencioso e Fiscalização, Informação e Apoio a Munícipes.

 

Uma Câmara onde a falta de Orçamento nunca foi um problema para executar obras por ajuste directo, vir agora de repente invocar a falta de dinheiro para executar uma pequena demolição - que até vai ser paga pelo cidadão que cometeu a ilegalidade -  soa no mínimo, a desculpa de 'mau pagador'!

publicado às 11:40

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D