Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA E VALONGO, VALONGO E ALFENA - O PARADIGMA DE SEMPRE...


Ontem foi dia de Assembleia de Freguesia em Alfena.

Ordem de trabalhos (quase) consensual - apenas com alguns votos contra de parte dos Unidos por Alfena que são contra a responsabilidade da Junta no  que tem a ver com a vigilância nos Cemitérios onde há pouco - num deles - aconteceram actos de vandalismo e roubo.

Pouco mais que mereça especial destaque.

 

Ou melhor, destaque até houve pela negativa, na parte referente à intervenção do público, onde estava inscrita apenas uma alfenense, a braços com uma situação igual a tantas outras, isto é, com 'cheiro a corrupção que tresanda'.

Não vou referir nomes - nem da queixosa nem do prevaricador - por razões óbvias, mas tenho obrigatoriamente de mencionar três pessoas/entidades inequivocamente envolvidas - com graus de responsabilidade diferente, é verdade - mas envolvidas!

 

(Abro um parêntesis para criticar mais uma vez, a demasiada subserviência do Presidente da Assembleia em relação ao executivo, nomeadamente ao presidente da Junta.

Divididos que eles andam, nem precisaria preocupar-se muito com essa assertividade demasiado marcada e também, como não havia mais nenhum cidadão inscrito para falar, não precisava de ter interrompido a senhora, impedindo-a de concluir a sua intervenção, 'obrigando-a' a ler à pressa  a 'ultima linha' do texto que trazia escrito).

 

Voltando ao assunto, do que se tratava - do que se trata -  é de mais um episódio de corrupção, relacionado com a construção de um armazém e da apropriação abusiva por parte de um cidadão, de uma rua pública, onde existem infra-estruturas de saneamento, de águas pluviais, etc.

Até aqui, nada de muito relevante, porque apenas mais uma situação de ilegalidade igual a tantas outras, que a Câmara resolveria facilmente - se não deixasse entar pela 'porta lateral' de sempre, o tráfico de influências e a corrupção pura e dura que bem conhecemos, desta vez - e aqui a parte lamentável de tudo isto - apadrinhada e patrocinada pelo advogado Rogério Palhau.

Só que Rogério Palhau é também - para quem não saiba - o presidente da Junta de Freguesia e o único argumento que encontrou para 'atirar' à cidadã como resposta - e também a todos nós ao fim e ao cabo - foi que 'trabalho é trabalho, conhaque é conhaque'!

 

Ficamos sem saber qual é mesmo a parte do 'conhaque'... 

 

Porém ficou visível para todos - menos para o visado - que o problema não é só da Câmara onde ele vai, assessorado tecnicamente e com regularidade, como advogado (ou como presidente de Junta?) para tentar 'negociar' uma saída que corresponda aos interesses do seu cliente (ou simples freguês?).

 

Pelos vistos, o presidente Rogério Palhau nunca ouviu falar em 'conflito de interesses' e o advogado com o mesmo nome também não. 

Acontece que o presidente da Junta de Freguesia, a tempo inteiro, acompanha o advogado em regime livre, sempre que os 'dois' se deslocam à Câmara - que como se sabe, não funciona para além do horário de expediente...

Pelos vistos, o 'último' não se apercebeu ainda que pode vir a ter uma problemazinho, se a cidadã que está a ser prejudicada pelos 'dois' resolver apresentar uma queixa na Ordem dos advogados.

Por razões semelhantes, outros têm visto a sua carteira profissional suspensa!

 

Já quanto à Câmara, enquanto finge que está a tratar do problema pelas vias legais, avança com o argumento de sempre: posse administrativa, mas sem dinheiro para executar a Lei!


Acho que já ouvi esta desculpa vezes demais nos últimos tempos e a propósito de outros casos. E é pena, porque se esperava algo de diferente, depois de algumas mudanças ultimamente operadas a nível da responsabilidade pela Divisão dos Assuntos Jurídicos, Contencioso e Fiscalização, Informação e Apoio a Munícipes.

 

Uma Câmara onde a falta de Orçamento nunca foi um problema para executar obras por ajuste directo, vir agora de repente invocar a falta de dinheiro para executar uma pequena demolição - que até vai ser paga pelo cidadão que cometeu a ilegalidade -  soa no mínimo, a desculpa de 'mau pagador'!

publicado às 11:40

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D