Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

AS METÁSTASES DA PÁTRIA DE CAMÕES

 

 


Existem momentos em que a revolta que nos assalta é tão grande que nos apetece ir além das palavras, o que não é bom, porque nos tira o discernimento e nos pode vulnerabilizar perante a 'lei vigente'.

Nessas alturas, o melhor mesmo, é socorrermo-nos daqueles que  sabem brandir como ninguém o verbo e zurzir com ele de forma cirúrgica as pústulas instaladas no corpo da Pátria de Camões e que urge excisar antes que o metastizem de forma irreparável!

 

Com a devida vénia de um Homem ilustre chamado José António Barreiros, aqui vai a sua REVOLTA DAS PALAVRAS de hoje:


O calendário oferece oportunidades, tendo dias. Há o dia do Pai e o dia da Mãe em que à sociedade dos filhos se dá a oportunidade de, com uma prenda ou um telefonema, mostrarem que houve progenitura e ela tem um espaço de cuidado no seu coração. Mesmo para aqueles que, ao aproximar-se a hora da inutilidade dos que lhes deram a vida, se eriçam já ansiosos pelos despojos da partilha, entre si discutem qual o melhor lar onde se desembaracem do peso de lhes aturar a decadência física e o embaraço mental. E o dia dos namorados, com corações e jantarinhos à luz da vela e oportunidade de carinho na monotonia de quanta vida íntima e uma noite de enlace em semanas de desinteresse. E o dia do trabalhador em que este se permite um dia vazio à burguês, fazendo nada e pensando em coisa nenhuma, pondo de férias a sua raquítica consciência de classe.

Tudo com muitas excepções, claro, entre elas o daqueles que aproveitam estes dias para comemorarem o anti-dia, fazendo tudo para que se note que não querem saber do dia e estão contra o dia, irritados e afirmativamente façanhudos por trazer-lhes o calendário, o calendário juliano ou o calendário gregoriano, um e cada um dos dias e entre os dias dedicados calhar-lhes terem de conviver com a data e os odiados comuns mortais. São os que são sempre o outro e estão sempre do contra.
Além disso, há as efemérides que são um brinde dado pelos mortos aos políticos comemoradores e aos editores. Dias de lembrança engalanada com discursos e escritos e publicações. No dia seguinte volta o senhor morto ao seu coval, devolvido ao facto de ter passado o dia e com ele a ocasião. E a História engole nas suas páginas o acontecido, que entra em nova contagem até datas certas, de decénios e lustres para que se erga então de novo a tenda da celebração.
Vem isto a propósito de ser hoje o Dia que, ao ser o de Portugal, é também o de Camões.
A épica que Camões cantou está hoje ali pelo Restelo a rosnar impossibilidades das Índias e a inutilidade da viagem. É um verso heróico já esquecido cantado a tristonhas gaivotas em terra. De Portugueses plebeus do Quinto Império. De concidadãos que qualquer Intende governa, explorando e apoucando, sem precisar sequer da ameaça do cadafalso ou do pelourinho, apenas valendo-se de se terem tornado a horda vagabunda dos conformados mansos.
Quanto a Portugal são oito séculos a ter dado vergonhosamente nisto. Não sei se no Parlamento ou no Largo da Câmara Municipal ou talvez no Terreiro do Paço, com formatura compulsiva de Sapadores Bombeiros ou de sonolentos magalas, as senhoras autoridades, uma vez mais, cumprirão o caduco protocolo da comemoração. Imagino bem que sim e que haja discurso e fita, penderucalho de condecoração e oportunidade para fazer de conta. O povinho esse quererá lá saber. Amanhã a imprensa dirá do que se disse o que foi "recado" como se de alcoviteiros falasse ou de regateiras.
No seu bojo, naquele recôndito de alma onde nasce no português a saudade e a aventura, há, porém, uma raiva surda que começa a urdir. É ainda um rumor. Tem a ver com a penúria mas vai para além dela. Surge porque se está mal mas isso é apenas a ocasião. Explica-se por estarmos fartos disto tudo mas é a voz anterior à saturação. Não em todos porque nunca é em todos, a maioria acha sempre bem tudo e qualquer coisa e aprende a desenrascar-se em qualquer canto, avinhando-se de alienação, imbecilizados a futebol e a televisão. É naqueles poucos que de quando em vez fizeram as datas que depois morrem, em que a terra a treme, rompe o que está pelo sismo do que talvez pudesse ser.
Há uma raça de portugueses que os portugueses nem sabem. Dormem a esta hora. São sete e pouco da manhã e é dia de Portugal. Se eles quisessem aclamava-se uma nova dinastia, defenestrado o usurpador e seus intendentes.
 
publicado às 23:35

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D