Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A DEMOCRACIA TEM DE FAZER 'QUIMIOTERAPIA' - TAMBÉM EM VALONGO...

Ainda a propósito do post anterior e dos vários perfis possíveis para democracia se 'promover' - a montante, isto é, na fase da 'agitprop':

 

Centremo-nos por enquanto e porque é este o momento que vivemos, na pré campanha para as autárquicas de 29 de Setembro. Tomemos como exemplo - mau exemplo aliás - o 'case study' de Valongo e facilmente concluiremos que o actual estado de coisas já não pode piorar muito mais.


Vejamos:

 

- O nosso(?) presidente/candidato - ou vice versa - seguindo aliás uma prática que não se confina a Valongo especificamente, usa o orçamento como instrumento de propaganda, reservando os escassos recursos que lhe restam depois do serviço da dívida e da satisfação das responsabilidades decorrentes dos processos judiciais que têm começado a desabar nos últimos tempos e que resultam de actos de corrupção ou negligência ao longo dos 20 anos de gestão de Fernando Melo e dele próprio, para actos de 'compra dissimulada' de votos em núcleos populacionais bem definidos.

 

É assim que se podem entender' investimentos virtuais' como a 'decisão' para a permuta do estádio do Ermesinde por 300 mil EUR mais a cedência do complexo desportivo dos Montes da Costa, a 'decisão' para a construção de uma nova área de lazer ('Vale do Leça') e o arranjo do espaço sob o viaduto da A41 em Alfena, o 'protocolo de cooperação' com a holandesa EDC para a instalação de um centro de designer no edifício Faria Sampaio e outros similares.

 

É ainda assim que se pode entender o ajuste directo de 25 mil EUR feito com Custódio Oliveira - organizador da campanha de Maria José Azevedo em 2009 - para a realização de um 'Estudo de Planeamento Estratégico', celebrado em Abril e com um prazo de 3 meses, mais tarde alterado para 6, alegadamente por erro dos serviços.

 

Perante estes exemplos concretos e bem próximos e perante todos os outros que embora mais distantes vamos acompanhando pelas notícias, a 'promoção' da democracia a montante tem de mudar urgentemente, sob pena de a mesma se autodestruir num processo de lamentável autofagia que se arrasta há já 39 anos!

 

- Desde logo e no que concerne às eleições autárquicas, a questão tão discutida nos últimos dias sobre a interpretação da lei de limitação de mandatos tem de ser claramente resolvida e no único sentido possível para quem possua um nível médio de inteligência: só por anedota é que alguém se lembraria de inventar uma questão 'semântica' como aquela que gira à volta do 'de' ou 'da' dos presidentes de Câmara!

 

- Casos como o de Isaltino Morais (preso e apesar de tudo, candidato) nunca deveriam ficar sequer dependentes de uma decisão dos tribunais - como aquela que veio aliás a ser tomada finalmente. Nem sequer deveria admitir-se a possibilidade de apresentar qualquer candidatura e ponto final!

 

- Se admitirmos teoricamente 3 níveis de 'acompanhamento preventivo' da gestão das Câmaras por parte do Tribunal de Contas, aquelas onde se começasse a falar da recandidatura dos respectivos presidentes, isto é, aí uns 6 meses antes do respectivo acto eleitoral, deveriam saltar logo para o NÍVEL 1!

Casos como o de Menezes e de João Paulo Baltazar, deveriam fazer acender as luzinhas todas no painel de controlo do TC!

 

- Mas a medida que a meu ver mais se impõe face aos múltiplos abusos de que vamos tendo conhecimento - associada aliás à questão anterior - será a obrigação de todos os presidentes de Câmara que resolvam recandidatar-se, serem obrigados a suspender os respectivos mandatos - aí até uns 6 meses antes do acto eleitoral pelo menos! Querem candidatar-se? Muito bem. Deixem então de ser presidentes durante o período crítico da 'agitprop'!


Deixaríamos de assistir por exemplo, a ocorrências verdadeiramente revoltantes como aquela que AQUI referi: a reunião de campanha de João Paulo Baltazar e do seu número dois na lista mais o seu staff de funcionários, na hora de trabalho e com recurso às viaturas camarárias, na 'sede/contentor' do PSD em Alfena, durante praticamente uma manhã de trabalho.

Isto NUNCA deveria ser possível e não o sendo, nem seria necessário que a Comissão Nacional de Eleições perdesse tempo com a eventual queixa que esta e atitudes semelhantes pode vir a suscitar.

 

Eu até ia bem longe na minha 'magnanimidade': os presidentes candidatos poderiam manter o seu respectivo vencimento durante esse período de suspensão (apenas o vencimento...). Mesmo assim, o País ganharia com a redução da promiscuidade entre o exercício do cargo e a propaganda, pouparia nas viaturas de serviço e na utilização de funcionários como assessores políticos, o que representaria uma boa relação custo/benefício relativamente à actual situação.


Nota final: Com as devidas adaptações, isto fará igualmente sentido para os presidentes de Junta.

 

 

 

 

publicado às 10:03

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D