Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - O FIM DE FESTA E A FACTURA DO COSTUME...

Esta é a foto do "nós pagamos"...


E pronto...


Já em ambiente fim de festa que incluiu a EXPOVAL e o 'Nós Somos Portugal' da TVI, eis que chega aquele momento especial - e abominável, digo eu - do "traga a conta se faz favor"...

 

Sabemos que a EXPOVAL tem representado para muitos pequenos empresários do nosso Concelho e arredores, uma oportunidade para promoverem as suas marcas, os seus produtos, a sua forma de fazerem negócio e isso é bom para eles, é óptimo para o nosso Concelho e é excelente para os empregos de que Valongo carece como do pão para a boca.

Sabemos que a maré é de vacas magras e por isso todos os investimentos têm de ser muito bem ponderados e não é novidade para ninguém, que nesta navegação à vista onde muitos já se limitam apenas a manter o barco á tona, a mais pequena ajuda pode representar muitas vezes a diferença entre o naufrágio e a sobrevivência.

Justificava-se por isso mais que nunca, que a Câmara tivesse este ano feito um esforço suplementar para ajudar - e estamos a falar de ajudas tão modestas no contexto do Orçamento destinado ao evento - aqueles muitos que apenas com muito sacrifício puderam estar presentes e os muitos outros que embora tivessem vontade de participar, não conseguiram de todo ultrapassar a inevitável limitação orçamental com que sobrevivem.


Em Alfena por exemplo, temos um caso concreto de um conhecido artesão, com um imenso e valioso espólio de miniaturas em madeira e ao qual a Câmara exigia o pagamento de quase 200 EUR para puder estar presente na divulgação da sua arte e fazendo-o, promover também a imagem da sua terra e do Concelho.

Em muitos Concelhos, a Câmara teria agradecido a disponibilidade do artista e ter-se-ia oferecido até para lhe transportar o espólio para o espaço do evento, mas a Câmara de Valongo não!

Preferiu gastar muitos milhares de EUR a limpar um lago do qual se esqueceu durante anos e depois, gastar muitos outros milhares na factura da água da rede com que o encheu de novo - dizem que demorou 28 horas, debitando uma quantidade impressionante de litros/hora...

Preferiu ainda gastar as centenas de milhar de EUR que gastou com o 'nós somos Portugal' da TVI - e não adianta o assessor do presidente andar a multiplicar-se em desmentidos, afirmando que o espectáculo foi de borla, porque ele sabe que nós sabemos que não foi!

 

Percebemos que o presidente/candidato - ou vice versa - precise de fazer apêlo a toda a sua imaginação para camuflar a desgraçada situação da nossa Câmara e a desastrosa governação de 20 anos de PSD, em que ele, ao contrário do que alega, participou de forma activa nos últimos 'crimes'.

 

Sabemos que o 'efeito governo' no resultado do próximo acto eleitoral assusta profundamente as hostes laranja e que por isso se tenta um pouco por todo o lado e por maioria de razão também em Valongo, dissimular o rasto de crimes, de favorecimentos ilícitos, de prevaricação que já nem os órgãos de comunicação do regime conseguem esconder. 

 

Mas os valonguense mereciam de longe uma melhor relação custo/benefício nesta edição da EXPOVAL, mereciam ser poupados à habitual e quase pornográfica feira de vaidades  do presidente, da sua prima e dos demais apêndices da árvore genelógica que o ajudam a desgovernar a Câmara!

 

Durante a demorada visita que a candidatura MUDAR VALONGO teve a oportunidade de fazer ao evento, ouvimos muitas queixas dos participantes sobre a postura pouco solidária da Câmara,  não atendendo ao momento difícil que todos vivemos e continuando 'naquela' de todos terem de pagar o espaço e em moldes que apenas o executivo definiu de forma unilateral, sem procurar ouvir a oposição, os empresários ou os seus representantes associativos, em suma, sem ao menos este ano, se libertar daquele princípio genérico do 'utilizador/pagador' que neste contexto perde todo o sentido...

publicado às 13:51

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D