Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

RECOLHA DO BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME - APENAS O 'ZÉ POVO' É SOLIDÁRIO!

Vou ser 'politicamente incorrecto' naquilo que vou escrever...

 

Antes de mais, devo dizer que sempre tenho contribuído sempre e também o fiz na recolha de alimentos que decorreu este fim de semana, levada a cabo pelo Banco Alimentar contra a Fome.

Estou além disso inscrito como voluntário há mais de 3 anos, mas pelos vistos Isabel Jonet não precisa assim tanto de colaboradores, dado que nunca me respondeu relativamente a essa manifestação de disponibilidade.

 

Dito isto vamos lá então à parte 'incorrecta' e desalinhada.

 

Este fim de semana, longe de constituir um edificante exemplo de solidária partilha por parte de muitas centenas de milhar de portugueses que teimam em contrariar a lógica da crise e provar que apesar de tudo, é possível partilhar com quem nada tem, traduz-se na mais aviltante constatação de aproveitamento comercial, por parte de quem tem conduzido o País ao actual estado de verdadeiro desastre social - grandes grupos económicos e de distribuição - e de quem tinha o dever de se  constituir como principal agente numa redistribuição dos nossos impostos, isto é, o próprio governo.

 

É inadmissível, é revoltante, é quase pornográfico, registar sem a devida e negativa nota disso o empenho de tantos milhares de voluntários a darem o litro na operação de recolha e na arrumação dos alimentos, a adesão solidária de tantas centenas de milhar de doadores e ver por outro lado, o ar seráfico com que Isabel Jonet destaca o evento, sem nada fazer para alterar o iníquo e revoltante perfil destas recolhas e sem nada dizer sobre o assunto!

 

A bem dizer, ontem e hoje, antes de sermos solidários, fomos todos coniventes com um roubo!

 

As grandes superfícies reforçaram as prateleiras com os produtos de marcas brancas - os mais doados -  colocaram na 'linha da frente' o máximo de artigos próximos das datas limite de validade - as crescentes necessidades garantem à partida, que os respectivos prazos não serão ultrapassados  - facturaram os substanciais acréscimos de vendas e tudo isto, enquanto o governo 'bate palmas' ao suplemento excepcional de IVA que resultará disto tudo - em nome da SOLIDARIEDADE do 'Zé Povo'!

 

Isto é uma verdadeira VERGONHA NACIONAL, isto mantém-se inalterado ao longo de anos, isto é um abuso permitido - porque nunca contornado - pelo Banco Alimentar e sobre o qual, Isabel Jonet nada diz nem nada faz - porque a sua 'solidariedade' se divide entre aqueles que precisam e que os ladrões que engordam à custa do nosso esforço!


PS: Já AQUI tinha escrito sobre o 'negócio da fome'. Hoje reforço a ideia que tenho sobre o assunto.

 

publicado às 13:34

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 01.12.2013

    Exactamente!
    …oferecida pelo Estado - como compensação pelos roubos e malfeitorias praticados pelos governos e que mais não têm feito senão aumentar o exército de pobres.

    Mas falta uma outra parte: a margem de lucro do comércio.

    A coisa poderia - deveria! - funcionar assim:

    Um pequeno contentor (ou carro) junto de cada caixa, do lado de fora e devidamente guardado pelo(s) voluntário(s), onde a operadora lançaria as dádivas registadas sem margem de lucro e sem IVA (um código específico para este dia não seria difícil de criar).

    Sem isto, resta o negócio da fome como acusa Paulo Morais...
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D