Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

DESPENALIZAÇÃO, REFERENDO & DEMAGOGIA...

Ontem, dia 4 de Dezembro e num dos meus raros momentos disponíveis para ver televisão durante o dia, apanhei uma parte do programa da Igreja Católica - Eclesia - transmitido pelo Canal 2 da RTP.

O formato era a entrevista e a entrevistada  (vejam só) uma mulher, pelo que percebi, responsável por uma Instituição particular de apoio a mulheres grávidas...

Muitas referências ao trabalho desenvolvido, que me pareceu meritório e merecedor de todos os elogios, críticas à falta de apoios, nomeadamente por parte do Estado, que também me pareceram justas, garantias de tudo continuar a fazer, para responder à procura de ajuda por  parte de muitas mulheres grávidas em desespero, com vontade de levar a gravidez por diante, mas muitas vezes sem o mínimo de condições para o conseguir sem essa ajuda...

Até aqui, totalmente de acordo. Uma gravidez, quando não planeada, ou resultante de situações em que a  vontade nem sempre está presente, mas que tendo acontecido, é assumida e passa a representar um objectivo da mulher, tem de ser sempre inteiramente apoiada!

O pior, foi a tirada seguinte  da distinta entrevistada:

" ...o aborto, nunca! A mulher tem que ser em primeiro lugar, responsável na sua sexualidade por forma a evitar uma gravidez não desejada, mas se ela acontece, já não lhe cabe a ela decidir..."

"...porque a nova vida que gerou, é autónoma e tem direitos próprios..."

"...porque em última instância, nunca poderia ser só a mulher a decidir (e então o pai?)..."

"...porque o que vai acontecer, é que vai disparar, o negócio das clínicas privadas..."

"...se o Estado, em vez de subsidiar as Clínicas e Hospitais que vão fazer abortos, nos desse esse dinheiro, se calhar poderíamos apoiar todas as mulheres grávidas em dificuldades ..."

E a senhora simpática, bem falante de rosto fresco e bem maquilhado continuou a discorrer, aparentando agora um total desfasamento relativamente ao verdadeiro drama, vivido essencialmente pelas mulheres e quase sempre em completa solidão, quando confrontadas com uma gravidez não desejada, muitas vezes até, imposta de forma violenta...

Se não fosse católico e  uma pessoa minimamente atenta e informada, ficaria com a ideia, que a senhora e a Igreja Católica são contra  Despenalização, porque disponibilizam às mulheres, todos os meios de informação e ajuda para que a gravidez não desejada não possa acontecer...

Pensaria por exemplo nos vários métodos contraceptivos (incluindo o uso do preservativo) aconselhados pela Igreja...

Mas sou católico e informado e conheço a posição da Igreja, desde logo, em relação ao preservativo, mesmo no que à prevenção das doenças sexualmente transmissíveis se refere...

E depois, a senhora não falou, porque politicamente incorrecto, no problema das adolescentes grávidas, meninas e mães ao mesmo tempo, sem o desejarem minimamente e quase sempre sem fazerem sequer ideia de como tudo aconteceu ...

Como não falou no drama daí resultante, dos avós que sem o desejarem, passam a ser "pais" do neto, enquanto a mãe continua os seus estudos  e a viver a sua vida de adolescente...

(Eu que trabalhei num Hospital Pediátrico, convivi no meu dia-a-dia, com muitos destes dramas: Os avós a acompanharem o neto internado enquanto a jovem mãe ia namorar ou divertir-se um pouco, como é normal nas jovens do seu escalão etário...)

E depois, confesso que me desagradou, ver num programa da minha Igreja Católica, fazer uma abordagem tão demagógica deste problema:

O que está em causa, não é o incentivo ao aborto, mas sim a sua despenalização no sentido de colocar em pé de igualdade a mulher rica que vai a Espanha fazer a interrupção da gravidez e a pobre, que actualmente, só pode recorrer à ajuda criminosa de alguém sem escrúpulos, num qualquer vão de escada...

E este processo, não invalida, nem pode,  que se disponibilize às mulheres grávidas toda a informação, todo o apoio e ajuda com vistas a uma gravidez, que apesar de todas as condicionantes que possam existir, elas desejem prosseguir!

Por isso, o que eu desejo (e julgo que como eu, a maioria dos portugueses) é que todo o processo que antecede o referendo, seja vivido de forma empenhada e militante pelos dois lados da trincheira mas sem demagogia e sobretudo, sem colocar rótulos às mulheres que quantas vezes ao longo da sua vida, é possível encontrar episodicamente de um ou outro lado dessa mesma trincheira sem que isso represente qualquer alteração da sua forma de pensar!

 

publicado às 14:30

2 comentários

  • Imagem de perfil

    cneves 11.12.2006

    É sempre gratificante, receber manifestações de apreço em relação ao nosso trabalho - neste caso, eu chamar-lhe-ia mais um protesto, por constatar novamente, tal como aconteceu no processo de consulta anterior e em relação a um assunto de tanta importância, o repetir da mesma abordagem demagógica por parte de muita gente e Instituições que só teriam a ganhar com um posicionamento isento (não necessariamente neutro) e um apêlo a uma decisão consciente...
    Obrigado pelo teu apoio miss-pinguim(minha sobrinha)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D