Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

IOHANNIS DIXIT...

D.João Miranda, Administrador Apostólico da Diocese do Porto, falou na sua homilia do dia de Natal, sobre o abôrto .

Pois... e melhor seria que o não tivesse feito - que um Bispo, mesmo que no papel de simples Administrador Apostólico, tem por vezes de se auto-impor alguma contenção verbal.

D.João Miranda, talvez num impeto momentâneo, talvez ainda - o mais provável - na tentativa de consolidar um lugar que ocupa apenas interinamente, pensou mais na hipotética vantagem que o impacto mediático das suas palavras lhe poderia trazer, do que no interesse mais geral dos católicos da sua Diocese - muitos dos quais, como eu, não se revêm minimamente nas suas referências aos "expostos" ou aos "meninos da roda".

Talvez valha a pena lembrar ao Senhor Bispo, uma regra elementar que ele seguramente conhece, mas de que se esqueceu na sua homilia de Natal:  falar em público, sobretudo para uma plateia que é multiplicada pelos microfones e câmaras de televisão presentes numa celebração solene como a do Natal, não é a mesma coisa que dissertar numa roda de amigos ou de  paroquianos conhecidos.

Depois, Senhor Bispo, o que está em causa no próximo referendo, não é aquilo que alguns em que se inclui uma certa Igreja retrógrada de que lamentavelmente parece fazer parte, querem fazer crer aos menos atentos: a liberalização do aborto!

O que vai ser referendado, é a despenalização da interrupção voluntária da gravidez !

Convenhamos, que até um Bispo menos atento, deveria saber encontrar a diferença entre uma e outra terminologia - porque no fundo , é a diferença entre a mistificação (no caso da primeira) e a verdade (contida na segunda).

Depois, Senhor Bispo, comparar uma situação de interrupção da gravidez - independentemente do que em teoria se possa  considerar como sendo o verdadeiro início da vida - ao abandono das crianças à porta da antiga Roda ou aos expostos, valha-me  Deus! Não havia necessidade...

Por outro lado, como pode a Igreja Católica arrogar-se o direito de atirar a primeira pedra às mães que por razões seguramente ponderosas e seguramente também, de forma profundamente dolorosa, se vêm obrigadas a interromper a sua gravidez?

É que a Igreja Católica, tem mantido até hoje (e não se vislumbra nenhum sinal de que venha a mudar de atitude) a sua recusa insensível em aceitar qualquer método contraceptivo - verdadeiramente entendido como tal!

Donde necessariamente se tem que concluir, que essa atitude sim, não fora o empenhamento dos Estados e da sociedade civil em geral, criando Instituições de acolhimento humanizado ou promovendo a adopção, conduziria de facto à multiplicação dos "expostos" e "enjeitados" de que ousa falar...

Depois, Senhor Bispo, um dos Direitos Fundamentais do ser humano, é o de nascer e viver no seio de uma família feliz e existem muitas e muitas situações - a maioria daquelas que em teoria podem ser passíveis de uma interrupção de gravidez não penalizável - que seguramente não cumprem este desiderato.

Termino, congratulando-me por me incluir no número dos católicos, que se sentem felizes por permanecer no seio de uma Igreja fraterna, amiga, solidária e não sectária nem fundamentalista - uma Igreja que nem sequer equacione o regresso aos tempos da "Santa Inquisição"!

Uma Igreja que espero sinceramente seja já - ou venha a ser muito em breve - maioritária  entre os católicos!

publicado às 14:08

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D