Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

"A MULHER DE CÉSAR"...

PGR afasta Eurojust da investigação do caso Freeport

TSF-Hoje às 13:53

...Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República refere que «desde que se iniciou o inquérito sobre as alegadas pressões, [Pinto Monteiro] deu instruções no sentido de todas as diligências necessárias e que impliquem a cooperação judiciária internacional passarem a ser efectuadas sem a intervenção da Eurojust», passando a ser utilizados «outros canais»(...)


Diário Digital-Hoje às16:21
 

Eurojust diz não ter sido notificada de decisão do PGR
 

...A Eurojust afirmou hoje não ter sido notificada da decisão da Procuradoria-geral da República (PGR) de excluir aquele organismo europeu das diligências relacionadas com a investigação do caso Freeport(...)

Pobre República que tão fracos Procuradores tem...

Hesitante, periclitante, incapaz de marcar uma posição - a posição da República - face aos que a governam, ou melhor que se governam à custa dela...

Pobre República!

Mas já agora fica-me aqui uma dúvida: Será que o Procurador fez aquele anúncio apenas "para consumo interno"?

 "À mulher de César não basta ser séria, é preciso parecê-lo" mas com esta aparente encenação do Procurador, agora é que ela não parece nada "séria"

publicado às 19:37

REPÚBLICA DAS BANANAS...

Sócrates ainda não se demitiu?

E Pinto Monteiro?

E Lopes da Mota?

O quê? Está tudo na mesma?

Pois está... Tinha-me esquecido que Portugal, estando embora na União Europeia integra também de pleno direito a "Confederação Independente das Repúblicas das Bananas" - cujos membros como todos sabemos, adoptam regras de conduta muito próprias!

 

publicado às 13:34

"FATO" POR MEDIDA...

É tamanho o estado de degradação da nossa vida social, tão baixo o nosso nível de auto estima  que daí resulta - ao constatarmos a corrupção que anda à solta por aí, o aumento preocupante da criminalidade violenta e do sentimento de insegurança,  o enriquecimento ilícito, a fuga ao Fisco - que às vezes temos a tendência para culpar a Justiça por tudo isto: Os juízes apressam-se nos Processos envolvendo “peixe miúdo”, mas arrastam até à “exaustão final" aqueles onde os visados são “caça grossa”, “tubarões” e outros “ões”.

É uma análise demasiado simplista, um erro em que muitos incluindo eu próprio, por vezes caímos – porque os Juízes trabalham com as “ferramentas” que outros lhes preparam.
E esses “outros” sim, são os verdadeiros culpados pelo estado calamitoso a que chegamos - a classe actualmente mais desacreditada na Sociedade, aquela que em qualquer sondagem digna desse nome, fica “abaixo de cão” (sem ofensa para o nobre animal que muito prezo) na opinião da esmagadora maioria dos interrogados – a classe dos POLÍTICOS!
(Claro que como em todas as classes, há honrosas excepções, mas essas só confirmam a regra).
São eles, que na maioria das vezes, arvorando-se em especialistas "disto, daquilo e daqueloutro” se aventuram “além da chinela” parindo Leis que às vezes logo no primeiro teste se verifica não passarem de autênticos abortos. Têm Universidades – Públicas e Privadas - especialistas eméritos nas mais variadas áreas do Direito a quem podiam encomendar o trabalho especializado, reservando para si próprios unicamente a decisão política sobre o assunto, mas não! Preferem ser eles próprios a fazê-lo e como é óbvio, só podia sair burrice (na maioria dos casos).
Mas por mais estranho que isto possa parecer, esta ainda é a parte menos grave – parirem Leis imbecis, pela simples razão de eles próprios o serem.
Pior, bem pior mesmo, é quando eles se esmeram mais no trabalho (às vezes conseguem fazê-lo), quais artistas de “alta costura” e se abalançam na confecção do "fato por medida" – da sua medida e na dos mais dilectos amigos.
Aí sim, o problema complica-se, porque deixam tantos bolsos falsos no "fato" que o mais certo é os processos arrastarem-se de artimanha em artimanha (às vezes chamam-lhe “Código de Processo...”) até que ocorra inevitavelmente  a “santa prescrição” antes que qualquer Juiz, por maior vontade que tenha de ser justo, possa fazer alguma coisa em  contrário. Claro que esta “arte” de contornar a Justiça, por exigir uma enorme disponibilidade de meios humanos e financeiros, só está ao alcance dos poderosos, razão pela qual, são  os criminosos “rafeiros” a verem os seus processos a passarem à frente de todos os outros…
publicado às 23:39

O "EUROJUSTO"...

Lopes da Mota, o “pressionador”, vai ser alvo de um processo disciplinar.

Fica no entanto a pairar nas nossas mentes esta “gigantesca” dúvida: Lopes da Mota pressionou a pedido de quem?
Sim, que não sendo ele “parte interessada” relativamente ao efeito das pressões – não é ele que está a ser acusado de corrupção – alguém lhe pediu para o fazer.
O ministro Alberto Costa, obviamente nega, Sócrates - como habitualmente - também, pelo que só resta pôr a “corda no pescoço” ao homem do EUROJUST e conduzi-lo ao “cadafalso”. Sem um queixume do “condenado”, como compete a um verdadeiro “pau-mandado” que sabendo “ao que ia”, não tem porque se queixar.
Tudo simples, tudo dentro do expectável, tudo “Eurojusto”…
publicado às 17:19

A "ARTE" DE SÓCRATES...

A vida não é uma ciência exacta, mas sim uma arte.
Samuel Butler, 1835-1902, escritor inglês

(A "Arte" de Sócrates, dizemos nós...)


Convicção do autarca de Guarda

Caso dos projectos de Sócrates "totalmente arrumado"

O presidente da Câmara da Guarda, Joaquim Valente, considerou hoje que o assunto dos projectos de obras assinados por José Sócrates na década de 1980 "está totalmente arrumado" com a decisão de arquivamento do Ministério Público.


É... parece que os "eventuais" crimes de José Sócrates já prescreveram.

Porque será que nestes casos a Justiça anda (convenientemente) devagar enquanto noutros que envolvem cidadãos comuns,  como o que foi julgado no dia 20 de Abril na Maia que ficou conhecido como o Processo do "pilha galinhas" (as duas galinhas tinham sido roubadas em 26 de Outubro de 2007) se verifica uma celeridade fora do comum?

Quase nem deixavam o homem "digerir" os galináceos...

publicado às 23:57

"VÍCIOS PRIVADOS, PÚBLICAS VIRTUDES..."

Processo disciplinar
Fernanda Câncio apresenta queixa contra jornalista por ter sido referida como ‘a namorada de…’
A jornalista Fernanda Câncio apresentou uma queixa à Comissão da Carteira Profissional de Jornalistas contra um jornalista do Correio da Manhã por este se ter referido a ela como «a namorada de…», escreve hoje o CM

Depois de ler a notícia, ficou-me uma dúvida: A Nandita vai processar um colega por este ter mentido sobre a sua relação com o engenheiro ("a namorada de...") ou por, não tendo mentido, se ter referido a ela considerando em termos públicos, como um dado adquirido o tal "estado civil" - "violando o dever de reserva"  da intimidade e da privacidade?

Em qualquer dos casos, eu solidarizo-me(!) com ela. Porquê?  Porque não é justo que a achincalhem assim publicamente -  a simples hipótese do tal namoro já seria ofensiva, agora considerar esse "estado civil" como um facto (tanto quanto consegui pesquisar, o jornalista não colocou "aspas" na ignominiosa palavra) já é demais!

Ninguém - nem sequer um jornalista - pode deixar nunca de ter presente a obrigatoriedade de respeitar a sequência  das palavras seguintes: "Vícios privados, públicas virtudes". E ser apresentada como "a namorada de..." (Sócrates) não é seguramente uma virtude que alguma mulher se orgulhe de ostentar. (Digo eu...)

publicado às 15:18

"EJACULAÇÃO PRECOCE"...

Quase toda a gente (gente importante, entenda-se) que por uma ou outra razão é chamada a uma prestação de contas (quase sempre tardia) à Justiça, se queixa de violações sistemáticas do segredo da dita.

Ora bem… Não há violações sem violadores! É do senso comum...
Mas será que todas as situações relatadas consubstanciam de forma clara e inequívoca, casos de violação?
Se considerarmos que sim, então porque é que as vítimas não se têm dirigido à APAV -Associação Portuguesa de Apoio à Vítima - solicitando ajuda?
(Pronto, foi uma "piadola" de péssimo gosto, reconheço! Adiante pois...)

Encaremos então as situações numa outra perspectiva: Não se tratará (apenas) de manifestações pontuais de "ejaculação precoce" a partir de "incertos" no interior do Ministério Público?

 

E aqui chegados, isto é, se após análise cuidada de cada queixa se concluir que na génese das mesmas estiveram apenas manifestações desta última patologia, será que os sujeitos activos (os alegados violadores) devem ser considerados criminosos, ou por outro lado terão de ser tratados como doentes?

 

Finalmente e em relação ao resultado final dos alegados actos, importante para suportar ou não a respectiva acusação, será que em presença de simples e vulgares manifestações da dita  ejaculação precoce (que como é sabido é impeditiva de consumar o acto) resta mesmo assim algum suporte legal que possa sustentar a acusação de violação?

 

A palavra pois, aos especialistas que seguramente saberão esclarecer estas interrogações.

PS: Pensando melhor, acho que tenho uma "teoria" sobre o assunto:

Para mim (e em todos os casos até agora conhecidos) a "relação" começou por ser "consentida". Só que um dos intervenientes (a alegada vítima) tentou levar longe demais os "preliminares". Como a contenção tem limites, a outra parte pouco familiarizada com  práticas "tântricas", não aguentou mais e...

O resto, é fácil de adivinhar, como o resultado não foi compensador para o actor "passivo", este resolve vingar-se começando a gritar "violação" aos quatro ventos...

publicado às 15:50

VERGONHA!

Familiares das vítimas da queda da ponte de Entre-os-Rios, intimados a pagar meio milhão de Euros de Custas Judiciais...

Quando já pensávamos que a nossa Justiça tinha batido no fundo, afinal ainda faltava mais este trambolhão.

Não nos bastava ter assistido àquelas deprimentes sessões do julgamento dos culpados - que afinal não o eram, porque a ponte caiu apenas por intervenção Divina (ou neste caso, provavelmente por omissão...).

Os engenheiros, os técnicos, os governantes, a Junta Autónoma de Estradas, todos fizeram o que deviam e os únicos que "erraram" foram as vítimas que decidiram estar à hora errada no sítio errado!

Por isso, é justo que não podendo ser eles a assumir as referidas Custas (afinal estão mortos) tenham de ser os familiares fazê-lo!

Surrealista! Revoltante! Retrato fiel deste País doente, onde pelos vistos, só os que chafurdam no charco nauseabundo e malcheiroso do Poder, é que conseguem convencer os julgadores de serviço - e obviamente, porque ganham as acções, não têm que pagar as respectivas Custas...

publicado às 21:53

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D