Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

QUASE NADA...

Quase nada, quase tudo....

Como é ténue por vezes a linha de separação entre os dois conceitos!

Um grão de areia é tão minúsculo e insignificante - quase nada - que para o sentirmos sob os nossos pés tem de se juntar a muitos outros, ganhando então o estatuto de areia!

Porém, mesmo sozinho, minúsculo e insignificante, ele agiganta-se e pode bem fazer a diferença - pode afinal ser tudo o que não deve existir - para que uma engrenagem continue a funcionar sem avarias!

Escrevi sobre isto de uma outra forma no meu outro espaço



publicado às 13:44

DÚVIDAS...

Hesito... Entre o platónico e o explícito, vacilo na forma de te amar.

Qual tântalo sequioso tenho-te ao pé sem me decidir se mergulho no azul dos teus olhos e me dessedento no fresco córrego que borbulha na orla dos teus lábios quando falas (ou chilreias) ou se pelo contrário me imolo no silêncio do meu amor inconfessado...

Porém, o instinto de sobrevivência impõe-me o passo em frente que faltava - afinal "um pequeno passo" para o homem que sou, no entanto gigantesco para a dimensão da "conquista" que tu representas...

(Escrevi sobre este estado de espírito, de uma outra forma no meu outro espaço:

http://terra-molhada.blogs.sapo.pt/17960.html)

 

 

 

publicado às 18:01

PRESIDENCIAIS BOÇALIDADES...

A gente já está mais ou menos habituada àqueles sketches supostamente cómicos de Sua Excelência mas mesmo assim, às vezes ainda nos consegue surpreender... Foi o caso de ontem no decurso da sua Visita à Turquia, naquela sua tirada sobre as compras da Dª. Maria...

Já os jornalistas que habitualmente o acompanham nestas visitas, esses nunca nos surpreendem: Sempre tão cáusticos com os políticos, comportam-se nestas viagens presidenciais, como aqueles figurantes dos programas de entretenimento das Televisões, contratados a 10 Euros por sessão para soltarem gargalhadas e baterem palmas. Contrapartida tácita pela honra de integrarem a Comitiva?

Vem isto a propósito daquela "piadola" do Professor  à boa e boçal maneira portuguesa, no decurso de um briefing com a Imprensa:

"A minha mulher, que está sempre a pensar nos netos, foi comprar umas lembranças enquanto eu vim trabalhar. Não lhe dei o cartão de crédito, mas sim Euros - penso que aqui aceitam Euros..."

Claro que todos sabemos que existem ainda muitos lares portugueses, onde as Marias para irem às compras, têm de pedir aos Maneis o dinheirito para os legumes e para as hortaliças. Só que neste caso, até porque falava para as televisões, bem podia Sua Excelência ter poupado a Dª. Maria ao vexame...

Registamos ainda aquela curiosa separação que Sua Excelência fez entre o seu trabalho (uma Conferência qualquer) e as compras da Dª. Maria... E nós que pensávamos que os programas paralelos preparados para as Primeiras Damas neste tipo de visitas, também constituíam trabalho!

 

publicado às 10:21

"VÍCIOS PRIVADOS, PÚBLICAS VIRTUDES..."

Processo disciplinar
Fernanda Câncio apresenta queixa contra jornalista por ter sido referida como ‘a namorada de…’
A jornalista Fernanda Câncio apresentou uma queixa à Comissão da Carteira Profissional de Jornalistas contra um jornalista do Correio da Manhã por este se ter referido a ela como «a namorada de…», escreve hoje o CM

Depois de ler a notícia, ficou-me uma dúvida: A Nandita vai processar um colega por este ter mentido sobre a sua relação com o engenheiro ("a namorada de...") ou por, não tendo mentido, se ter referido a ela considerando em termos públicos, como um dado adquirido o tal "estado civil" - "violando o dever de reserva"  da intimidade e da privacidade?

Em qualquer dos casos, eu solidarizo-me(!) com ela. Porquê?  Porque não é justo que a achincalhem assim publicamente -  a simples hipótese do tal namoro já seria ofensiva, agora considerar esse "estado civil" como um facto (tanto quanto consegui pesquisar, o jornalista não colocou "aspas" na ignominiosa palavra) já é demais!

Ninguém - nem sequer um jornalista - pode deixar nunca de ter presente a obrigatoriedade de respeitar a sequência  das palavras seguintes: "Vícios privados, públicas virtudes". E ser apresentada como "a namorada de..." (Sócrates) não é seguramente uma virtude que alguma mulher se orgulhe de ostentar. (Digo eu...)

publicado às 15:18

ESPÉCIE EM VIAS DE EXTINÇÃO

Margarida Menezes - fundadora do Clube das Virgens - está a enfrentar sérias dificuldades, para conseguir levar por diante a árdua tarefa de constituir um núcleo inicial congregador de similares vontades...

A fundadora não se cansa de apregoar em tudo quanto é sítio - TV's  Rádios, encontros diversos e agora no VI Congresso internacional do Desejo - as vantagens da abstinência no "consumo da carne".

Olhamos (literalmente)para o "pedaço de mau caminho", de cuja boca brotam tão profundos quanto desprendidos princípios, aquando da entrevista que deu a um dos canais de Televisão e somos assaltados por uma dúvida atroz: Como se faz a avaliação inicial para a admissão das associadas?

De facto, demos uma rápida olhada aos Estatutos e em nenhum lado encontramos resposta para a mesma, o que desde já nos parece constituir grave omissão.

Não encontramos também em todo o articulado Estatutário uma definição clara para o "estado de virgindade" que se propõem defender e promover o que me faz relembrar aquele episódio picante da D. Josefa (uma senhora da minha terra e dos tempos da minha juventude) que um dia resolveu ir ao Posto Médico com a cachopa mais velha (que tinha 17 anitos) porque a mesma andava há dias com uns estranhos achaques: " sabe senhor Doutor, a minha Genoveva há dois dias que desmaiou uma ou duas vezes, anda muito enjoada e além disso, já há dois meses que não lhe vem a menstruação..."

O médico lá procedeu aos habituais exames indicados para o quadro descrito e no final de tudo, "disparou" em direcção às duas de forma seca e sem "anestesia" o respectivo diagnóstico: "Ora bem... tenho uma boa e uma má notícia - e perante o olhar interrogativo das duas, completou - a boa, é que a sua cachopa continua virgem, a má, D.ª Josefa, é que está grávida de dois meses!"

Atónitas ambas, diz a mãe "que não, que não pode ser, porque a sua filha ainda é virgem..."

Foi aí que a Genoveva pediu "se podia dar uma palavrinha à mãe..."

Lá foram as duas para o fundo do consultório cochichar, voltando dois minutos depois para junto do médico: "ai senhor Doutor esta rapariga é uma perdida. Acabou de me dizer que um dia (p'raí há uns dois meses) em que a vi encostada à noitinha junto ao portão de entrada a falar com o Marcelino da venda, este lhe meteu "aquilo" nas coxas ... Será que pode ter sido isso senhor Doutor?"

 

Vamos lá pois, virgem Margarida Menezes, a colmatar essas graves omissões Estatutárias!

 

publicado às 11:16

PUBLICIDADE INSTITUCIONAL...

E PARA DESCOMPRIMIR, UM PEQUENO INTERVALO PUBLICITÁRIO...

A demonstração cabal de que nem sempre os meios de protecção resultam num condicionamento significativo dos prazeres da vida.

Proteja-se gozando (ou vice-versa)! 

publicado às 15:17

PARIDADES E PREFERÊNCIAS...

Já depois de ter feito click no botão "publicar" do post anterior, alguém que trabalha no Freeport e próximo do primeiro-ministro (ou vice-versa, já não me lembro bem...) deu-me conta deste episódio verdadeiramente delicioso:

Durante a selecção do grupo de funcionários destinados à abertura da Loja do Cidadão de Faro,para além das meninas que todos pudemos ver nas reportagens do dia da abertura a dar beijinhos a José Sócrates, havia também alguns rapazes - cumprindo aliás com aquilo que o Partido Socialista sempre defendeu...

Acontece que os mesmos foram requisitados pelos serviços de apoio do gabinete do primeiro-ministro, que não deram qualquer explicação para o facto.

Soube-se entretanto por um deles - quem é que disse que as mulheres eram umas "linguarudas"? - Que ao contrário do que aconteceu com as meninas de Faro, a eles não foram impostas quaisquer restrições a nível de indumentária. Ao contrário, foi-lhes sugerido, que o chefe veria com bons olhos, entre outras coisas, o uso de blusão de cabedal com aplicações metálicas, calças de corte anatómico, botas de estilo militar, uso de adereços estilo algemas ou correntes pendurados à cintura (obviamente de fantasia, que as genuínas são de uso exclusivo das forças de segurança), gel no cabelo e que para além disso, seria interessante que não se apresentassem de rosto escanhoado: bastava que aparassem os pelos da face aí de oito em oito dias - sempre na sexta-feira à noite, para que na segunda já não tivessem aquela cara parecida com as nádegas dos recém-nascidos. Quanto a perfumes, o Chefe não tinha nenhuma sugestão, sendo que a sua preferência ia para odores fortes (algo que sugerisse proximidade de cavalos)...

Claro que todo este episódio foi igualmente - tal como o do caso dos decotes e míni saias de Faro - escrutinado por essa classe corporativa e manhosa dos jornalistas. Só que aqui não encontraram "ponta por onde lhe pegar" e tudo teria passado despercebido não fora o caso da minha fonte ter sentido uma "comichãozita" na ponta da língua...

 

publicado às 10:36

LOJA DO CIDADÃO DE FARO - SEM DECOTES OU MINI SAIAS E DE PREFERÊNCIA COM BUÇO...

Instruções dadas em acção de formação antes da abertura da loja

Funcionárias da Loja do Cidadão de Faro proibidas de usar saias curtas e decotes

10.04.2009 - 08h36 PÚBLICO

As funcionárias da Loja do Cidadão de Faro, inaugurada a 3 de Abril, foram proibidas de usar saias curtas, decotes, saltos altos, roupa interior escura, gangas e perfumes agressivos. As instruções foram dadas numa acção de formação antes da abertura da loja, denunciou uma funcionária.


A funcionária que vemos na foto, encaminha-se para a saída da Loja, após ter sido impedida de continuar a atender um septuagenário que tratava do Cartão Único. A este, depois de lhe ter sido fornecido gratuitamente um pacote de lenços de papel para que pudesse limpar a copiosa baba com que regava o espaço à volta dos pés, foi-lhe pedido para passar à cadeira ao lado, onde o aguardava uma outra funcionária (esta já mais composta e de acordo com os normais padrões de apresentação definidos para os elementos femininos da função Pública, a que não faltava sequer um discreto e incipiente bigode) para concluir o atendimento. 

Estava para me deslocar propositadamente do Porto a Faro, só para ser atendido pela dita funcionária... Agora já não vale a pena: Bigodes por bigodes, vou ficar-me pela Loja mais próxima...  

publicado às 18:32

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D