Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA E OS 'CRIADORES' DE EMPREGO - ENTRE A VERDADE E A FICÇÃO...

 

A ficção:

 

Ia um cidadão anónimo a caminho do trabalho, quando de repente se depara com um daqueles (quase) rotineiros assaltos a uma loja de material electrónico.

 

"Olha que giro, um assalto! Deixa-me lá ver como corre, que ainda é cedo para chegar ao trabalho".

 

Por esta amostra já dá para perceber que o dito cidadão não tem um sentido de responsabilidade cívica lá muito apurado. Prefere assistir ao 'filme' a pegar no telemóvel e ligar à polícia...

 

Passado algum tempo, começam a sair os assaltantes com as sacolas carregadas de 'produtos facilmente transaccionáveis' e um deles, ao ver o olhar de cobiça que o cidadão lançava sobre as embalagens vistosas de 'telelés' topo de gama que carregava - e pressionado que estava pela absoluta urgência da primeira dose que aquela hora do dia já deveria estar a 'mandar para a veia' - lança-lhe à queima roupa um desafio quase irrecusável: "se tiveres duas de cinquenta levas o saco".

 

O nosso cidadão por acaso até tinha mais do que 'duas de cinquenta', dado que contava no regresso do trabalho, passar por casa do senhorio para pagar a renda da casa. Fica fácil portanto, imaginar como é que este episódio terá terminado...


A realidade - meio ficcionada:

 

Ia um conhecido autarca da nossa praça - do ramo do 'urbanismo criativo' - a 'ver as vistas' do burgo alfenense, quando se depara com um conhecido 'testa de ferro' a comprar terrenos classificados como Reserva Ecológica Nacional (REN) ao preço da 'uva mijona'.

 

"Olha que giro, um negócio de terrenos! Deixa-me lá ver... etc., etc.,".

 

Nisto, tinham-se já retirado os modestos proprietários rurais das terras 'que não valiam (quase) nada', meio tristes meio contentes com o produto do negócio que tinham acabado de fazer - tudo somado, uns modestos 4 milhões - começam a chegar ao mesmo ponto de encontro os Mercedes topo de gama carregados de homens de negócios com ar pouco recomendável. O nosso autarca conhecido pelo faro apurado para todo o tipo de negócios mais ou menos claros na área do empreendedorismo moderadamente transparente, pressente de imediato que aquele pode ser o negócio da sua vida - um dos... - e no entanto, de forma tão simples e tão fácil - para ele, obviamente.

Uma simples e mal redigida declaraçãozinha de intenções da autarquia comprometendo-se a 'dignificar' aquela extensa área de pinheiros e eucaliptos' baptizando-a desde logo com o nome pomposo de nova Zona Industrial de Alfena (ZIA) é a varinha mágica que faz multiplicar em minutos, não os pães que ali não os havia, mas os euros que se adivinhavam nos bolsos de todos os que acabavam de chegar. O gesto ter-lhe-á rendido aquilo que muitos adivinham mas poucos estarão em condições de poder provar.

Já o 'testa de ferro' esse, entre os quatro milhões pagos aos modestos proprietários iniciais e os 20 milhões embolsados ou a embolsar no futuro próximo - depois da consolidação do negócio - terá enriquecido... deixa cá ver, deixa cá ver... é só fazer as contas, como diria o Guterres.

 

Passou-se algum tempo sobre este assalto - sim, porque é de um assalto que estamos (também) a falar - e chega ao terreno um outro autarca que não é do ramo do Urbanismo criativo e depara-se com aquele imenso tesouro ao ar livre.

 

"Olha que giro! Uma Zona Industrial para a Jerónimo Martins"...

 

Alguém que ouviu o aparte alerta-o para o facto daquilo ser o 'produto de um assalto' que não deve ser mexido até ao trânsito em julgado das queixas que se encontram a ser apreciadas no Ministério Público.

Qual quê nem qual carapuça! Se o produto do assalto pode - teoricamente - ajudar a criar alguns postos de trabalho, porque é que devemos ter pruridos ou preocupações com o cumprimento das Leis?

 

"Faz-se um PDM aditivado com uma pequena dose de detergente - tipo 'OMO lava mais branco' - e pronto. Caso encerrado"  - isto é o que o nosso autarca está inclinado a fazer...

 

Caso encerrado coisa nenhuma! É que este é um daqueles casos típicos em que os fins não justificam os meios!

publicado às 13:41

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D