Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ALFENA - O 'ROSSIO NA RUA DA BETESGA ', PELO MENOS...

Acho que ainda não vai ser a última vez que vou regressar ao 'urbanismo criativo' de Alfena...

 

Conforme aqui escrevi, encontrei-me ontem ao final da tarde no local da 'controversa construção' da Rua do Viveiro com o dono da mesma, o qual entre outras coisas afirmou que a Câmara tinha uma contraproposta sua relativamente à qual ainda não tinha resposta - isto para tentar justificar o 'prego a fundo' na construção, nomeadamente dos muros.

 

Achei estranho, porque sei que este executivo não é do género de 'engonhar' - perdoe-se-me a expressão.

 

Hoje soube afinal, que o Senhor Rui não tem resposta porque "tem estado ausente no estrangeiro".

 

Assim já percebo melhor...

 

Apesar de ter chegado apenas ontem - presumo que quando falou comigo tivesse acabado de regressar do aeroporto - nem por isso a obra deixou de avançar em velocidade de cruzeiro.

Retenho das suas palavras - e também do que conhecia da situação - que "tudo está de acordo com a Lei e com o PDM e que só fez aquilo que a Câmara disse que podia fazer".

 

Com esta última parte até concordo, já quanto ao resto, a prova de que não não é bem assim, nomeadamente o enquadramento legal da mesma, remeto para o recorte abaixo e que prova que sobre o mesmo assunto podem (de facto) existir duas visões diferentes por parte de dois executivos camarários que também são diferentes e tenho a certeza que a última visão do problema é aquela que mais se aproxima dos parâmetros legais - deixando embora uma pequena margem de negociação que lamentavelmente o dono do empreendimento não soube ou não quis aproveitar - porque "estava ausente no estrangeiro".

 

- Claro que vai ter de cumprir a Lei e isso implica que tenha de demolir parte da construção já erguida, o que é lamentável.

- Claro que existiram responsabilidades a nível do executivo anterior que esta Câmara está agora a gerir.

- Claro que houve técnicos da Câmara que se 'atravessaram' de forma demasiado irresponsável neste problema e que provavelmente condicionaram também o executivo anterior na sua decisão.

 

Mas há também um papelinho que se chama 'termo responsabilidade' e que o arquitecto autor do projecto teve de entregar na Câmara, o qual o vincula de forma irrevogável ao mesmo - aos seus méritos mas também aos seus eventuais vícios!

 

E é disso que estamos a falar!

 

E já agora, não ajuda nada para a solução do problema, que os 'assessores jurídicos' informais do dono da moradia lhe continuem a incutir a convicção de que a Câmara não pode fazer nada - ou então, que se fizer vai ter que 'pagar as vacas ao dono'.

 

Os actos administrativos podem ser sempre revogados, desde que razões de relevo o justifiquem. Era o que mais faltava que não pudessem!

 

E as razões de relevo podem ser melhor apreendidas a partir do recorte abaixo, onde - com alguma generosidade como eu já disse - os técnicos da Câmara tentam encaixar o 'Rossio na rua da betesga'...

 

Será caso para perguntar se os técnicos da Câmara terão agora inventado um novo enquadramento legal para a obra em causa: novo PDM, novo RMEU, novo RGEU, novo DL nº. 163/06...


 

publicado às 19:20

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D