Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

AS VÍTIMAS NÃO TÊM 'HIERARQUIA', SÃO VÍTIMAS PONTO FINAL!

Captura de ecrã 2016-06-13, às 22.01.06.png________________________________________________________________________________________________

 

A propósito do massacre de meia centena de pacíficos cidadãos ontem em Orlando (USA) - para além de mais de meia centena de outros gravemente feridos - vale a pena recordar bem a propósito este texto que é uma das muitas versões conhecidas de parte de um sermão de Martin Niemöller (alemão – pastor luterano – 1892-1984) e que por vezes de forma errada tenho visto atribuído a Bertolt Brecht: "A indiferença":

Primeiro levaram os comunistas,
Mas eu não me importei
Porque não era nada comigo.

Em seguida levaram alguns operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.

Depois prenderam os sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.

Logo a seguir chegou a vez
De alguns padres, mas como
Nunca fui religioso, também não liguei.

Agora levaram-me a mim
E quando percebi,
Já era tarde.

Foi um autêntico massacre aquele que foi levado a cabo por um louco, um extremista, um terrorista como todos aqueles que têm no últimos tempos levado a cabo atentados como este - França, Bélgica, Iraque, Turquia, Rússia e tantos outros pontos deste mundo virado do avesso.

 

Mas quer queiramos admiti-lo ou não, ainda vivemos num tipo de sociedade onde o esgar de horror que pomos no nosso semblante perante uma tragédia deste tipo, é construído muito à medida do 'tipo de vítimas' que são atingidas.

 

É verdade, 'tipo de vítimas'!

 

Neste caso, parece que eram apenas 'paneleiros' que tinham decidido conviver alegremente e de forma pacífica e celebrar a sua alegria num local reservado - seguindo talvez um ritual um pouco diferente daquele que é usado por outros seres humanos de cor eventualmente diversa mas  ditos de 'barba rija e cabeça eventualmente rapada' em idênticos locais de 'celebração', alegria e convívio.

 

'Hierarquizar' as vítimas segundo a cor da sua pele (ou qualquer outro tipo de 'sinais identificadores') é obviamente estúpido!

 

As vítimas são-no apenas e ponto final!

 

Em França, na Bélgica, no Iraque, na Turquia, na Rússia, o sangue de todas tem a mesma cor e idêntica consistência e a violência com que os terroristas de todo o tipo e usando todo o tipo de armas o fazem jorrar exige já muito mais do que o singelo gesto de respeito com nos curvamos em sua memória.

Esse justifica-se evidentemente e deve estar em primeiro lugar mas é necessário e urgente que assumamos uma atitude bem mais activa e de combate perante um tipo de  terrorismo que um dia nos pode encontrar no sítio errado e à hora errada e seja lá qual for o ritual que celebremos no momento, nos possa transformar da mesma forma em vítimas, ponto final!

 

Tal como então consegui articular com um nó na garganta o grito "Je suis Charlie" - eu que até não gosto do tipo de humor do Charlie Hebdo - hoje o grito que me sai da garganta e do teclado com que escrevo este texto só pode ser um: "eu sou 'Pulse' (a discoteca de Orlando), sou 'arco íris', sou gay de alma e coração (ainda que não de corpo)!

 

publicado às 21:10

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D