Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

CÂMARA DE VALONGO - FALANDO DE 'GOVERNOS-SOMBRA'...

Já não é a primeira vez que ouço este tipo de observações - quando me atrevo a criticar algumas indefinições e/ou omissões no âmbito da actividade da Câmara de Valongo neste início de um novo mandato:

- Gostava de o ver no meu lugar e ter de tomar decisões que podem representar riscos financeiros elevados para a Câmara... 

 

Pois bem...

 

Nós prometemos MUDAR VALONGO e não há mudança - nenhuma mudança - que esteja isenta de riscos.

 

Lamentavelmente, sou obrigado a constatar que o actual executivo parece ter optado por não correr nenhum risco - ou risco quase nenhum - e os resultados estão aí para quem os quiser conferir:

 

- A prometida auditoria interna às áreas sensíveis do Município está por se fazer. Os 'esqueletos' continuam portanto a ocupar as inúmeras prateleiras dos vários Serviços, nomeadamente na área do Urbanismo.

 

- A substituição de quadros técnicos manifestamente ligados a casos polémicos durante o anterior mandato não avançou, havendo mesmo alguns a quem foram atribuídas funções de destaque na condução de processos de relevo como sejam por exemplo, o da discussão pública da proposta do novo PDM, empreendedorismo, fiscalização - aqui o assunto adquire foros de (quase) escândalo, face ao histórico de algumas figuras - entre outros.

É - deveria ser - inconcebível que funcionários que tenham a decorrer acções judiciais relacionadas com a sua área profissional, possam manter-se no mesmo posto ou com áreas de contacto significativas com o mesmo!

Não se trata aqui de punir ninguém por antecipação às decisões judiciais, mas apenas de proteger e salvaguardar a Instituição de suspeitas induzidas pelas situações referidas - protegendo ao mesmo tempo os próprios visados relativamente a extrapolações que possam ser feitas e às vezes até de forma não totalmente justa...  

 

- A Concessão das Águas de Valongo (BeWater) lá continua impávida, serena e incumpridora e apesar do recente e arrasador relatório do Tribunal de Contas que classifica este tipo de concessões como verdadeiramente ruinosas para o interesse público, a verdade é que nem o incompleto e funcionalmente incipiente Conselho de Administração que restou do anterior mandato foi substituído, nem - e isso era o que deveria ter sido feito - a Comissão de Fiscalização da concessão que a Lei prevê foi constituída.

 

- Os processos de reposição da legalidade urbanística que transitaram do anterior mandato já suficientemente 'marinados' - alguns de dimensão tão pequena que nenhum constrangimento de ordem financeira pode verdadeiramente ser invocado para impedir que avancem - continuam por resolver e a serem empurrados para a frente de forma genérica e abstracta, com as 'respostas' do costume: "estamos a tratar do assunto e brevemente iremos avançar (para as contra-ordenastes, para as posses administrativas e/ou demolições coercivas)" - entre outras hipóteses...

 

- A Câmara continua a relacionar-se com determinadas Instituições - IPSS e outras - e a transferir para as mesmas os apoios financeiros possíveis, sem cuidar de apurar se as mesmas cumprem um conjunto de regras de gestão, de transparência e de boas práticas que garantam uma correcta aplicação dos dinheiros públicos transferidos.

 

(Lembro só o facto de haver uma Instituição de âmbito cultural contra a qual corre trâmites no Ministério Público uma queixa do então candidato e agora presidente de Câmara, em que a autarquia foi alegadamente lesada e no entanto, todo o apoio da Câmara a esta Instituição decorre e é promovido, como se nada de relevante estivesse por apurar.

No caso de uma conhecida IPSS, apesar da forma profundamente criticável como esta é gerida e apesar das inúmeras acusações de total falta de transparência - está mesmo a ser apreciada na CADA uma queixa sobre este assunto - o relacionamento desta Instituição com a Câmara decorre como se dúvidas ou reservas de espécie alguma não existissem)!

 

Perante esta mão-cheia de exemplos negativos e (muito) preocupantes, uma de duas coisas me vejo forçado a fazer, dado o envolvimento que assumi perante muitos dos apoiantes da candidatura da MUDANÇA:

 

1) Demarcar-me publicamente deste tipo de práticas, enveredando assumidamente por uma via de completa ruptura, hipótese que rejeito em absoluto - pelo menos por enquanto;

 

2) Retirar uma clara consequência da frase anteriormente citada - "Gostava de o ver no meu lugar e ter de tomar decisões que podem representar riscos financeiros elevados para a Câmara" -  e desafiar alguns bons amigos igualmente descontentes com o actual estado em que se encontra o 'acervo de esqueletos de estimação' da nossa Câmara, no sentido de avançarmos com um 'velho' projecto que nem sequer é original, mas que pode de uma vez por todas ajudar a desmontar algumas dificuldades e/ou impossibilidades que são invocadas para não se fazer nada:

 

Um 'executivo-sombra' para a Câmara de Valongo, onde seja possível de uma forma organizada contrapor às más medidas - ou à ausência de quaisquer medidas - aquelas que no nosso entender seriam em cada caso as mais adequadas.

 

Há desafios que nos são impostos e este - se entretanto não constatar razões suficientes que me afastem do mesmo - é claramente um desses casos...

 

publicado às 13:37

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D