Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

DIREITOS IRRENUNCIÁVEIS - MESMO EM VALONGO!

Captura de ecrã 2016-12-18, às 20.35.43.png

Profundamente sensibilizado, tomei hoje conhecimento da criação deste grupo público que pretende de algum modo colmatar o lamentável 'apagão' da nossa imprensa local, regional - e porque não dizê-lo, também Nacional - relativamente ao atentado contra a Liberdade de expressão que está em curso em Valongo.

 

Se um blogger que por acaso também é deputado municipal eleito nas listas de quem agora o acusa está a ser julgado - já lá vão 4 sessões de julgamento e já estão marcadas mais 2 para Janeiro - lhe são exigidos 100 mil euros de indemnização isto não constitui motivo de notícia, então não sei o que mais terá que acontecer para transformar em Jornalistas aqueles que se contentam em ser apenas 'ardinas' na distribuição dos 'jornais com conteúdo pago', que é aquilo em que os nossos média em geral aceitaram transformar-se.

 

Este 'apagão' prova no entanto, que na Câmara de Valongo existe no GAP (o gabinete de apoio à presidência) pelo menos uma pessoa que faz bem o seu trabalho: a jornalista assessora para a comunicação, oriunda da LUSA.

 

A teia de dependências em torno da distribuição directa ou indirecta da publicidade de "algumas Restradas deste País e umas quantas empresas mais próximas do regime" e das publicações e anúncios legais geradoras de receitas, que no momento presente são fundamentais para a sobrevivência de quem vive do que escreve ou publica, fazem o resto.

 

"O julgamento do Celestino Neves" por muita importância que possa ter para mim próprio, é no entanto e apenas uma ínfima gota de água do imenso oceano de atentados aos Direitos fundamentais dos cidadãos livres  - no mundo, em Portugal e também em Valongo um Município governado por um presidente (que diz ser) socialista. A publicação que reproduzo a seguir mais não pretende do que ser o ponto de partida para a partilha de opiniões, consonantes ou não com a minha, mas sempre sem deixarem de terem presentes estas duas questões fulcrais:

 

* É ou não legítimo - um Direito portanto -  a qualquer cidadão "expressar de forma agreste, dura, por vezes desagradável, a sua opinião crítica ou mesmo as suas suspeitas baseadas em razoável convicção relativamente a alegados actos de corrupção por parte dos detentores de cargos públicos"?

 

* Neste julgamento, está ou não em causa esse Direito?

________________________________________________________________

A publicação que se segue, foi a primeira que me ocorreu para lançar o debate no Grupo:  

Captura de ecrã 2016-12-18, às 20.38.42.png

É do senso comum que "quem escreve sobre o que é consensual não precisa de invocar o Direito à Liberdade de expressão".

 

(Acho que nem Jacques de La Palice teria dito melhor)

 

Portanto, o que tenho escrito sobre a actual gestão da Câmara está longe de ser consensual. 

O caso em concreto que motivou a criação deste Grupo fechado - um acto solidário que muito me sensibiliza - e que opõe o deputado municipal independente Celestino Neves ao actual presidente da Câmara não é nem nunca foi um problema de ofensas à sua dignidade como pessoa, como presidente de Câmara e por maioria de razão, à própria entidade pública Câmara de Valongo.
O que está em causa é o facto de terem existido uma série de compromissos eleitorais do então candidato para comigo e para com os valonguenses em geral os quais, passado que foi o calor do momento eleitoral, rapidamente foram abandonados ou relegados para o 'arquivo morto' de todas as promessas incómodas cujo incumprimento esteve desde sempre - dedução minha - na intenção de quem as fez.
Para além de tudo que possam alguns pensar, insinuar ou expressamente afirmar, este julgamento de que já se contam 4 sessões e estão marcadas mais 2 para Janeiro, TEM ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE a ver com o processo de corrupção da Novimovest/Santander, no alto da Fonte da Prata em Alfena e onde se instalou a Chronopost e se ultima a instalação da plataforma logística da Jerónimo Martins, entre outros que a seguir virão.
O simples facto de se ter permitido que um grupo privado se tivesse apropriado em 2007 e sem qualquer instrumento legal que o permitisse, de um bem público - as áreas REN e RAN são bens públicos - terraplanando uma vasta área de terreno, atulhando ribeiros e linhas de água, comportando-se como se mandassem no País e de tudo ter sido profusamente comentado e noticiado por muitos Órgãos de Informação locais e nacionais já seria suficientemente grave para preocupar o Ministério Público deste País.
Não foi!
Como não o foram as duas denúncias entretanto apresentadas pelo PCP e pelo Dr. Paulo Morais, cujo destino foi aquele que à partida se adivinhava: o arquivamento.
Escrevi muito sobre isso antes das eleições autárquicas de 2013 e de ter sido convidado pelo actual presidente a integrar a sua lista.
Sabia ele portanto o que eu pensava sobre o assunto - dizia-me até que pensava o mesmo que eu sobre o mesmo - e portanto não deveria ter constituído surpresa o facto de eu ter entrado em rota de colisão consigo a partir do momento em que decidiu fazer o contrário de tudo o que havia prometido.
Mas fiz mais:
Para além de discordar publicamente - falando e escrevendo sobre o assunto, entreguei em Dezembro de 2015 no Ministério Público uma extensa e documentada denúncia, a qual deu origem à reabertura das anteriores e já referidas do PCP e de Paulo Morais e sobre a qual já fui ouvido como testemunha na Polícia Judiciária.
Não está obviamente em causa o interesse que o investimento invocado para esquecer todo o passado dúbio do negócio - a plataforma logística da Jerónimo Martins - pode representar para Valongo e para Alfena, mas sim a forma como as mais-valias (compra de vários lotes de terreno por 4 milhões e vendidos no mesmo dia à Novimovest por 20 milhões) foram apropriadas.
De todas as posições que se conhecem sobre isto e das várias 'nuances' que à sua volta se vão construindo, as únicas que não mudaram foram a minha e a do grupo de pessoas e associações que comigo se relacionam e que desde o início disseram com todas as letras o que pensavam sobre a corrupção e o enriquecimento ilícito aparentemente implícitos na alteração cirúrgica da Carta REN de Valongo para aquela vasta área e na sua inclusão no novo PDM.

A capacidade construtiva que agora legalmente (?) lhe foi outorgada pelo actual presidente, essa sim é que constitui um facto novo - ou não? - e não foi preciso mais de um ano sobre a eleição de 2013 para que eu me confrontasse com esta lamentável mudança e me visse obrigado a romper com o presidente da Câmara e a escrever o que escrevi acerca dele.


A maneira como escrevo, ríspida, agreste e nem sempre agradável de se ler, essa tem a ver apenas com o estilo) e sobre isso até concedo que alguma coisa possa mudar ou corrigir. Já sobre o conteúdo, ainda não vi nenhum argumento minimamente consistente que me permita sequer equacionar qualquer outra abordagem relativamente ao diferendo.

publicado às 20:36

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D