Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ESTA PARÁBOLA PODIA SER SOBRE ALFENA...

Era uma vez...

 

Uma leira de terreno sem utilidade nenhuma e que por isso mesmo, tinha um valor quase simbólico, isto é, não valia nada que pudesse despertar a cobiça de quem quer que fosse.

 

(Isto era o que o dono da dita pensava).

 

Um belo dia, numa daquelas caminhadas para queimar calorias e ver as vistas e os eucaliptos - passou por ali um conhecido homem de óculos escuros e de negócios, oops, de 'negócios escuros e de óculos' e...

 

- "Olha que giro! Uma leira que não vale nada, vou perguntar ao dono se quer vender..."

 

O dono que não tinha nenhuma ideia sobre 'utilidades alternativas' para a leira sem utilidade nenhuma disse:

 

- "Eu bendo, quanto bale?"

 

Marralha daqui, marralha dali, fita métrica estendida e 'reestendida' em todas as direcções - "deixe verificar bem isto, que eu não quero que pense que estou enganá-lo..." - o nosso homem de negócios escuros e de óculos ou vice-versa chegou a um valor 'justo' e lá combinaram uma data para selar o negócio no sítio onde este tipo de negócios são selados: no cartório notarial.

 

Entretanto...

 

Este pequeno episódio repetiu-se N'vezes com N'proprietários de outras N'leiras:

 

- "Olha aqui mais uma leira, olha mais outra e outra, etc., etc." e os respectivos - "bendo, quanto bale?" 

 

Enquanto isso...

 

Num outro belo dia semelhante aos outros belos dias já referidos, o nosso homem de 'negócios escuros e de óculos, ou vice-versa' cruzou-se numa das suas caminhadas para 'queimar calorias e ver as vistas e os eucaliptos', com uma conhecida 'fada-madrinha' munida da característica varinha de condão. Observadora como costumam ser quase todas as 'fadas-madrinhas' esta leu nos olhos por detrás dos 'óculos escuros do homem de negócios talvez escuros' o que lhe ia na alma que ele não tinha e propôs-lhe um pacto:

 

- "Proponho-te transformar em lingotes de ouro maciço estes terrenos que não valem nada se me acenderes uma velinha e recheares a minha caixa de esmolas" - pura usurpação de identidade da fada-madrinha, esta de querer fazer-se passar por santa com direito a velinhas e caixa de esmolas, mas enfim...

 

Mas como diz o Povo na sua fé, "o homem põe e Deus dispõe" e um belo dia, oops, um mau dia a 'fada-madrinha que se fingiu de santa' incompatibilizou-se com o 'divino' e foi apeada por este do pedestal que dava poder à varinha de condão.

 

Resumindo...

 

Ainda hoje o nosso 'homem de óculos escuros e de negócios, ou vice-versa' olha para aquelas courelas todas unidas, e oscila entre a depressão e a esperança de que o milagre prometido aconteça, mas nada! - pelo menos até agora...

 

A única coisa que lhe tem aquecido a alma que ele já não tem há muito e que está prestes a ocorrer, é que as novas 'tábuas da Lei' que em breve substituirão as velhinhas de 1995 - também há quem lhes chame 'PDM' - prometem fazer renascer o apagado condão da 'varinha de condão', pese embora o facto de já não ser empunhada pela 'fada madrinha que tinha a mania que era santa'.

Pormenor sem importância, porque o que verdadeiramente conta é o efeito do condão e não a origem do mesmo.

 

Esta podia ser uma 'parábola' sobre Alfena...

 

 

publicado às 22:46

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D