Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

JULGAR EM NOME DO POVO

Captura de ecrã 2017-01-06, às 10.50.35.png

(Artigo completo AQUI )

 

A publicação tem já um ano, mas mantém toda a actualidade.

 

Os nossos Tribunais continuam a dar à opinião pública - ao Povo em nome do qual administram a Justiça - uma imagem nem sempre (muito pouco) consentânea com as cada vez maiores expectativas de um Povo que cada vez mais vai tomando consciência dos seus Direitos e por isso mesmo se vai tornando também muito mais atento e exigente.

Captura de ecrã 2017-01-06, às 10.58.26.png

 

(Constituição da República Portuguesa)

 

As sentenças muitas vezes antagónicas sobre assuntos semelhantes não são de molde a tranquilizar-nos.

Quando em Portugal a parte mais pequenina do Povo (a Pessoa) sempre que entra num Tribunal e tem 'aquela' sensação de que - apesar da Lei Maior (a nossa Constituição) e de todas as outras Leis que a ela se devem submeter -  'tudo pode acontecer', quando isto acontece, quase tudo está ainda por fazer em termos de "administração da Justiça em nome do Povo".

E nem os muitos exemplos de sentido contrário de decisões dos nossos Tribunais de que vamos tomando conhecimento nos confortam especialmente, porque eles são a excepção numa regra que caracteriza a nossa Justiça e que funciona tantas e tantas vezes - vezes demais -  a velocidades diferentes e com empenho quase sempre diferente também, conforme se trate de, como Órgão de Soberania,  julgar os políticos e os poderosos (as elites) ou o Povo simples (a plebe) de onde emana (de facto) todo o Poder.

 

Já para não falarmos da lamentável e infelizmente vasta desconformidade relativamente a outros ordenamentos externos que nuns casos nos vinculam - Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) por exemplo - e noutros nos deveriam servir de referência orientadora...

__________________________

 

Do que atrás é dito, poderá eventualmente transparecer a ideia de que esta minha opinião contradiz de algum modo o que tem vindo vindo a acontecer no Julgamento que está e decorrer em Valongo e onde eu sou exactamente acusado de "atentar contra a imagem e o bom nome da Câmara de Valongo e do seu Presidente".

Se transparece, o facto é que não contradiz - por enquanto pelo menos - e quando toda a informação puder ser disponibilizada essa (aparente) contradição rapidamente deixará de ser colocada.

 

Acresce que no que à 'Justiça de Valongo' diz respeito eu tenho muito pouca informação que me possa servir de base para formar 'jurisprudência', acrescendo até que, no único caso concreto e semelhante (que por acaso me envolveu) o resultado final foi mesmo um caso de verdadeira Justiça.

 

E se, com a excepção referida, não consigo antecipar 'jurisprudência' relativa a Valongo, muito menos conhecimento concreto possuo relativamente a Juízes concretos de Valongo.

 

E ainda bem - digo eu - que assim é, porque isso deixa-me evidentemente muito mais tranquilo em relação ao resultado final do meu Julgamento.

Além de que 'Capitolina' não é um nome muito vulgar e não devem existir assim tantas em Portugal...

 

 

publicado às 10:50

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D