Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

JULGAR EM NOME DO POVO

Captura de ecrã 2017-01-06, às 10.50.35.png

(Artigo completo AQUI )

 

A publicação tem já um ano, mas mantém toda a actualidade.

 

Os nossos Tribunais continuam a dar à opinião pública - ao Povo em nome do qual administram a Justiça - uma imagem nem sempre (muito pouco) consentânea com as cada vez maiores expectativas de um Povo que cada vez mais vai tomando consciência dos seus Direitos e por isso mesmo se vai tornando também muito mais atento e exigente.

Captura de ecrã 2017-01-06, às 10.58.26.png

 

(Constituição da República Portuguesa)

 

As sentenças muitas vezes antagónicas sobre assuntos semelhantes não são de molde a tranquilizar-nos.

Quando em Portugal a parte mais pequenina do Povo (a Pessoa) sempre que entra num Tribunal e tem 'aquela' sensação de que - apesar da Lei Maior (a nossa Constituição) e de todas as outras Leis que a ela se devem submeter -  'tudo pode acontecer', quando isto acontece, quase tudo está ainda por fazer em termos de "administração da Justiça em nome do Povo".

E nem os muitos exemplos de sentido contrário de decisões dos nossos Tribunais de que vamos tomando conhecimento nos confortam especialmente, porque eles são a excepção numa regra que caracteriza a nossa Justiça e que funciona tantas e tantas vezes - vezes demais -  a velocidades diferentes e com empenho quase sempre diferente também, conforme se trate de, como Órgão de Soberania,  julgar os políticos e os poderosos (as elites) ou o Povo simples (a plebe) de onde emana (de facto) todo o Poder.

 

Já para não falarmos da lamentável e infelizmente vasta desconformidade relativamente a outros ordenamentos externos que nuns casos nos vinculam - Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) por exemplo - e noutros nos deveriam servir de referência orientadora...

__________________________

 

Do que atrás é dito, poderá eventualmente transparecer a ideia de que esta minha opinião contradiz de algum modo o que tem vindo vindo a acontecer no Julgamento que está e decorrer em Valongo e onde eu sou exactamente acusado de "atentar contra a imagem e o bom nome da Câmara de Valongo e do seu Presidente".

Se transparece, o facto é que não contradiz - por enquanto pelo menos - e quando toda a informação puder ser disponibilizada essa (aparente) contradição rapidamente deixará de ser colocada.

 

Acresce que no que à 'Justiça de Valongo' diz respeito eu tenho muito pouca informação que me possa servir de base para formar 'jurisprudência', acrescendo até que, no único caso concreto e semelhante (que por acaso me envolveu) o resultado final foi mesmo um caso de verdadeira Justiça.

 

E se, com a excepção referida, não consigo antecipar 'jurisprudência' relativa a Valongo, muito menos conhecimento concreto possuo relativamente a Juízes concretos de Valongo.

 

E ainda bem - digo eu - que assim é, porque isso deixa-me evidentemente muito mais tranquilo em relação ao resultado final do meu Julgamento.

Além de que 'Capitolina' não é um nome muito vulgar e não devem existir assim tantas em Portugal...

 

 

publicado às 10:50

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D