Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

MUDAR VALONGO (EM ACTUALIZAÇÃO)...

 

 


 

Hoje - pela primeira vez no actual mandato - regressei às minhas intervenções no ponto reservado ao público nas reuniões de Câmara, com a colocação das questões constantes do e-mail em que solicitei a intervenção - ver recorte acima.

 

Em resposta à primeira questão, o presidente da Câmara respondeu-me mais ou menos assim:

"Essa obra não tem qualquer registo na Câmara (não foi portanto licenciada, concluo eu) e não foi obviamente paga. Sugiro-lhe que requeira à Junta alguma informação sobre a mesma".

 

Ora bem...

 

Recordo aqui que a 'Obra', conhecida em Alfena, por motivos que de todo me escapam, como "varandas do camelo" - desconhecia a existência de camelos em Alfena, mas enfim... - foi uma espécie de 'miminho' pré-eleitoral de João Paulo Baltazar para compensar a perda do mirífico projecto do 'Vale do Leça' que basicamente quando foi apresentado, era uma espécie de 'ovo no cu da galinha', sendo que a 'galinha' neste caso são os herdeiros (filhos) do falecido dono da Quinta das Telheiras que em rota de colisão com o padrasto (ou equiparado) Sebastião Costa, resolveram não 'ecludir' o dito 'ovo'...

 

A resposta do presidente, sintética e directa, arrumou o assunto mas mesmo assim eu ainda olhei para o lado direito da mesa, nomeadamente para o ex-presidente, para ver se notava algum sinal de desconforto... nada! - impávido e sereno durante a minha pergunta, impávido e sereno ficou a seguir à resposta do presidente...

Fico por isso a pensar se as tais 'varandas do camelo' terão sido oferecidas por algum mecenas desconhecido.

No entanto, recordo-me de alguém me ter dito há algum tempo atrás que o empreiteiro terá ido à Câmara logo a seguir às eleições para tentar receber a factura correspondente e confrontado com a impossibilidade de o conseguir terá mesmo ameaçado agarrar numa equipa e vir a Alfena desmontar aquela beleza de esplanada voltada para coisa nenhuma - ou melhor, para os terrenos agrícolas de um lado e para o trânsito da Rua de S. Vicente do outro.

 

Portanto, não foi oferta...

 

Não conheço o senhor de lado nenhum, mas recomendo-lhe vivamente que desista do carcanhol, quando não, ainda lhe aplicam uma multa por executar uma obra ilegal (não licenciada) e sem qualquer parecer da APA (ex-ARH) uma vez que se localiza na margem do Rio Leça.

 

Mais um mistério que iremos procurar desvendar, na medida do possível.

 

Relativameente à questão do 'império colonial' da BeWater (Águas de Valongo), o assunto está a ser acompanhado em permanência, sobretudo depois do relatório arrasador do Tribunal de Contas que envolveu 27 municípios.

 

A questão da construção da Rua do Viveiro em Alfena 'estacionou' (informação do vice-presidente) na irredutibilidade do proprietário, o que motivou para já a apresentação de uma queixa no Ministério Público por parte da Junta de Freguesia.

 

Fiz questão de deixar claro na minha intervenção, que a Moção proposta pelo grupo municipal do PS na Assembleia de Freguesia - e aprovada por unanimidade - não foi um mero exercício de escrita criativa e é mesmo para levar a sério. A Câmara (o actual executivo, que herdou esta 'batata quente') não pode passar um atestado de irresponsabilidade a todos os deputados municipais dizendo-lhes nas 'entrelinhas': "Obrigado pelo vosso contributo que apreciamos muito, que lemos com todo o cuidado mas que logo a seguir deitamos para o caixote do lixo - porque o consideramos destituído de qualquer interesse"!

 

Já agora, interrogo-me: porque carga de água é que o presidente da Junta de Freguesia de Alfena optou por uma queixa no Ministério Público - que não interrompe a obra e provavelmente só virá a ter uma decisão já depois da mesma concluída - e não por uma providência cautelar que essa sim, impediria que esta prosseguisse?

 

Sobre a última questão, um lamentável processo de favorecimento ilícito do ex-presidente da Câmara num caso entre dois vizinhos com idênticos anexos ilegais e onde um deles fez queixa do outro.

O reclamado, perante a ameaça da Câmara - já no 'longínquo' (salvo erro) ano de 2011 - de tomar posse administrativa e proceder à reposição da legalidade urbanística, optou por um comportamento responsável e previdente, demolindo ele mesmo os anexos.

Já o reclamante, cuja filha conhecia o então vice-presidente João Paulo Baltazar, optou pela apresentação de um pedido de licenciamento (o qual apenas cobre uma pequena parte do ilícito, sendo que a parte restante terá de ser mesmo demolida) obtendo com esse pedido, uma suspensão do processo de reposição da legalidade, assinada por João Paulo Baltazar, tendo o processo ficado por ali a 'marinar' até ao momento.

Como é óbvio, o cidadão em causa, não sendo o único culpado em todo este processo de favorecimento ilícito, não pode continuar no entanto a beneficiar da lentidão dos serviços na sua correcção, pelo que se exige uma decisão urgente sobre este assunto.

 

Não pode em momento algum permitir-se que o outro cidadão, que neste caso reclama sobre a flagrante desigualdade de tratamento, seja levado a pensar que apesar de mudança operada em 29 de Setembro na Câmara de Valongo "na realidade do dia a dia, afinal está tudo na mesma".

 

Porque não está - nem podia!

publicado às 21:26

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D