Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

NÃO APLAUSOS - QUASE APUPOS - PARA D. MANUEL CLEMENTE...

Unknown.jpg

 

D. Manuel Clemente disse AQUI, a propósito do 'assunto do momento' envolvendo os colégios privados com contrato de associação com o Estado e financiados por todos nós, o seguinte:

 

 

  Igreja pede “justo financiamento"

 

Muitos dos cCaptura de ecrã 2016-05-09, às 20.45.25.pngolégios privados que vêem ameaçado o seu funcionamento são católicos e já este domingo o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, apelou ao “justo financiamento" das escolas do ensino particular e cooperativo e ao respeito pelas "escolhas" dos pais. “O Estado é subsidiário dos pais e das respectivas escolhas e iniciativas educativas, num quadro geral de direitos humanos efectivamente respeitados”, considerou, lembrando que aqueles que optam pelas escolas não estatais “são tão contribuintes” como os outros. Na intervenção, enviada à agência Ecclesia, o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa sustentou ainda que as escolas estatais “deverão atender ao que os pais pretendem para os seus filhos, em termos de valores a transmitir”.

 

D. Manuel Clemente é o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, é o Cardeal Patriarca de Lisboa e é além do mais, um intelectual sério e respeitado.

Não pode por isso envolver-se neste assunto nada sério sem que a sua seriedade corra o risco de sair beliscada, sobretudo se tivermos em conta que está a intervir em causa própria - não na causa da Igreja católica porque isso não seria criticável, mas na causa dos mesmos interesses mesquinhos daquela gente manipuladora de crianças que não hesitou em interromper as aulas por várias horas para industriar professores e alunos a escreverem aquelas carradas (folclóricos carrinhos de mão) de cartas de protesto para entregar ao governo e treinarem respostas a eventuais perguntas da comunicação social.

 

 

Sim D. Manuel Clemente, muitos desses colégios pertencem à Igreja!

 

Ainda bem que não desceu ao ridículo de integrar o folclórico cortejo de idiotas chapados empurrando um desses carrinhos de mão amolgados e ferrugentos .

Os meninos (e meninas) dos colégios privados têm direito a preferi-los às escolas públicas? Têm sim senhor! Mas nesse caso, os  paizinhos que paguem a factura!

Diz D. Manuel que esses paizinhos também pagam impostos, logo, também financiam o ensino público...

Pois pagam e se calhar até deviam pagar mais, para ver se muitas das condições da Escola Pública melhoram para que se tornem suficientemente dignas para acolher os seus 'meninos (e meninas) queque'.

 

Haja paciência, D. Manuel Clemente!

 

Vossa Excelência Reverendíssima nunca ouviu falar nos negócios espúrios em torno do ensino privado que envolvem gente gananciosa e corrupta da 'direita à esquerda cor de rosa' e que faz com que dentro do próprio PS se oiçam críticas ao ministro?

Encontre outros alvos para a sua intervenção em nome da CEP e sobretudo, pense melhor antes de integrar o 'grupo-folclórico-de-empurradores-de-carrinhos-de-mão-ferrugentos-carregando-centenas-de-quilos-de-cartas-manipuladas-contra-o-ministro-da-educação'!

publicado às 20:34

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D