Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

PROMISCUIDADE É...

Captura de ecrã 2017-03-20, às 14.38.54.png

 

Ricardo Bexiga, um 'suburbiano' por inerência e interesses conexos, é apenas um entre muitos exemplos de que o dom da ubiquidade existe de facto entre os políticos - no caso concreto, os políticos que fazem leis e as usam também como ferramentas de trabalho do seu dia a dia.

Advogado/ajustador directo com a Câmara de Valongo/accionista da Quaternaire Portugal / deputado da Nação / socialista Socratista / Segurista / Costista (neste último caso, por absoluta e óbvia conveniência) ele é um notável empreendedor capaz de agregar à sua actividade principal um sem número de outras, separadas por barras oblíquas (/) - ou slash para usara a terminologia anglófona que cai sempre bem nestas circunstâncias.

E é claro que facturando em todas elas, alguma presença efectiva ele deve garantir junto de cada um dos clientes, penso eu... Ficamos é sem saber qual de entre todas é a que se encontra imediatamente à esquerda da primeira slash, ou seja, a principal...

 

Parece no entanto que nos últimos dias, para além de mim e de mais uns quantos milhões de portugueses, a sub-comissão de ética da Assembleia da República resolveu também ela duvidar do referido 'dom' da ubiquidade - em relação a ele e a mais alguns da mesma 'espécie'. A semelhança fonética com promiscuidade, uma palavra de porte duvidoso sobejamente vulgarizada aqui no subúrbio,  deve ter contribuído para o avolumar da dúvida e isso acabou por dar uma visibilidade seguramente não pretendida por quem prefere os dias de nevoeiro aos de sol intenso e radioso.

E terá sido assim que de repente e seguramente a contragosto, Ricardo Bexiga se deu conta de que até no subúrbio já existem zonas onde a luz solar consegue penetrar e proporcionar uma boa exposição e um razoável nível de escrutínio.

 

Este post podia portanto ser sobre ele mas não é, ou pelo menos não é só sobre ele.

 

Foi no entanto esta sua subida à ribalta e seguramente a contragosto, que me trouxe à memória  o assunto principal do post e que já foi tema de discussão na Câmara do subúrbio em 2015 mas que acabou arquivado implicitamente, de forma apressada e sem grande alarido.

O que escrevi  AQUI e também AQUI seria suficiente para aguçar o apetite a uma oposição digna desse nome, não fosse o elevado número de telhados de vidro existentes em muitas casas do subúrbio aconselhar o máximo de contenção no arremesso de pedras para o outro lado da rua.

 

O recorte seguinte refere-se a uma declaração com data de 28 de Julho de 2015 assinada pelo advogado tarefeiro do escritório do deputado Bexiga - aquele que é mais ou menos residente no condomínio da Avenida 5 de Outubro (por força da emigração do seu patrão para a cidade tomada aos mouros pelo rei que batia na mãe e que agora é capital do reino cristão de Portugal).

De seu nome Frederico Bessa Cardoso, é a seu cargo que está a manutenção do, salvo erro, 4º. ajuste directo com a Câmara de Valongo.

Rec._1

Captura de ecrã 2017-03-18, às 19.36.05.png

 

Esta declaração é evidentemente de uma completa mentira e das duas uma: ou a mesma foi deliberadamente induzida pelo directamente interessado e visado na declaração  a fim de esconder a verdade sobre a sua situação irregular, ou então, como dizia o outro, 'estão todos feitos'.

 

Captura de ecrã 2017-03-20, às 14.29.10.png

A verdade, é que em 28 de Julho de 2015 o Engº. Paulo Ferreira, adjunto do presidente da Câmara, conforme pode ser constatado pelos recortes seguintes da certidão permanente com data de 29 de Julho de 2015 - o dia seguinte ao da declaração do escritório de Ricardo Bexiga - acumulava o cargo público de membro do Gabinete de Apoio à Presidência, como ajunto de José Manuel Ribeiro, com o de sócio gerente da CAMEF (Carlos Machado e Esteves Ferreira) uma empresa do ramo da Construção civil com alguma obra feita no subúrbio, nomeadamente para a Junta de Freguesia de Valongo, situação que manteve até 10 de Setembro de 2015 (ver últimos 2 recortes).

 

De qualquer forma, e para a hipótese de não estarem 'todos feitos', tanto o advogado/tarefeiro como o deputado/advogado seu patrão tiveram tempo e oportunidade mais que suficientes para assumirem o erro e rectificarem a referida declaração.

 

Não o fizeram e portanto a mentira é colectiva, ou seja, é de todos os que a alimentaram, dela beneficiaram ou a ela aderiram.

 

Rec._2:

REC_1.png

Rec._3:

REC_2.png

Rec._4:

REC_3.png

Perante a clara e indisfarçável incompatibilidade do membro principal do seu GAP - e seu adjunto - impunha-se ao presidente que tivesse também ele assumido publicamente e de forma clara o erro, com a humildade e a transparência que tanto apregoa.

Em vez disso optou pelo lamentável e habitual registo de negação e a oposição, na Câmara e na Assembleia Municipal, também não manifestou grande interesse em pegar no assunto com mãos de pegar. Os telhados de vidro ainda são uma das fragilidades do subúrbio e ninguém se atreve a atirar pedras para o outro lado da rua com receio dos danos próprios.

O assunto arrefeceu portanto e arrefeceu de tal maneira que os mais optimistas pensaram que tinha morrido...

 

No entanto e à cautela...

 

Porque a dúvida é como a semente lançada à terra fértil - mais tarde ou mais cedo germina e vira árvore - receou o visado que o tapete maior existente no condomínio não fosse suficiente para a esconder, pelo que à cautela optou a destempo (em 10 de Setembro de 2015) por se dirigir à Conservatória de Vila Nova de Famalicão - convenientemente afastada dos holofotes do subúrbio - para entregar uma alteração com efeitos retroactivos a 31 de Outubro de 2013!!! 

 

Em termos legais essa suspensão fora de tempo, depois de paga a respectiva multa até pode ser legal. Mas os actos praticados até esse momento de forma ilegal, no exercício de uma função também ela ilegal , não podem ser legalizados por uma declaração retroactiva.

Rec._5:

REC_5.png

Rec._6:

REC_4.png

 

Perante isto...

 

Poderia eu ter esticado mais a corda e avançado de facto para uma denúncia junto do Ministério Público, como era aliás a minha intenção inicial? Poder podia, mas seria seguramente mais um assunto destinado ao arquivamento liminar.

 

Além de que...

 

1) A oposição na Câmara ouviu a minha denúncia inicial e acompanhou os seus desenvolvimentos assobiando para o ar;

2) Os deputados municipais idem aspas;

3) O Presidente da Assembleia Municipal - a quem entreguei todas as provas relacionadas com o assunto - considerou normal que o adjunto do presidente tivesse estado cerca de 2 anos a exercer funções de forma claramente ilegal e não achou nada estranho que tenha suspendido o cargo de sócio gerente da CAMEF apenas em 2015 e com efeitos retroactivos à data em que assumiu o cargo de adjunto;

 

O evidente desinteresse e mútuas condescendências da esmagadora maioria dos actores  em presença sugeria-me que 'chutasse para canto' e seguisse em frente rumo a pelejas mais importantes. Foi o que fiz, tendo em conta que tenho andado ao longo dos últimos 2 anos e meio a pregar no deserto contra promiscuidades várias e contra corrupção que continua a inquinar o poder local do subúrbio. Se calhar não deveria ter desistido tão rapidamente, porque esta gente sem dignidade não se coibiu de voltar ao registo mentiroso cerca de 2 anos depois, desta vez em Tribunal  e no julgamento que terminou há cerca de 1 mês atrás, onde vários deles e por várias vezes não hesitaram em jurar falso e mentir ao Tribunal com vistas à condenação (provisória) do cidadão Celestino Neves.

 

E assim termina este post que tendo começado a falar do deputado Ricardo Bexiga e das suas barras oblíquas não se ficou por aí, porque encenações manhosas e actores de manhas várias são coisa que não falta nos vários palcos do subúrbio.  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 14:56

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D