Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

SEC (Sociedade de Empreitadas e Construções) UMA EMPRESA INCUMPRIDORA E SOCIALMENTE IRRESPONSÁVEL

 

A SEC - Sociedade de Empreitadas e Construções, de Almerindo e Artur Carneiro, agora falida, é um verdadeiro 'case study' de mau comportamento social e de litigância de má-fé visando silenciar este Blog e o seu autor, por ter ousado afrontar uma das principais empresas do regime (de Melo & compª.) e pôr a nu estes falsos mecenas de Ermesinde.

Na hora do 'toca a fugir' estes empresários 'incumpridores e socialmente irresponsáveis'  - foi assim que eu os descrevi nos vários artigos do Blog que deram origem à queixa-crime - não hesitaram em se pôr a salvo com tudo o que puderam arrebanhar, deixando atrás deles a gritar 'aqui-del-rei' os seus trabalhadores espoliados.

 

 

(es·po·li·ar - Conjugar

(latim spolio, -are)
verbo transitivo
1. Tirar (a outrem) com artimanha a propriedade de alguma coisa.
2. Desapossar com violência ou fraude.
3. Despojar; esbulhar -  in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa).

 

Relembrando os factos:

 

Em 21 de Julho de 2015 escrevi aqui este artigo sobre o julgamento de dois 'crimes' de difamação agravada de que fui acusado por estes empresários 'incumpridores e socialmente irresponsáveis' e sobre a sentença proferida no dia 18 de Junho onde apesar das ajudas de dois (não) distintos autarcas "socialistas" de Ermesinde e do ex-presidente da Câmara de Valongo, que como testemunhas da SEC não hesitaram (os dois primeiros) em 'mentir com quantos dentes tinham na boca' ou (o último) a colocar 'photoshop' na verdade para (todos eles) tentarem transformar os 'lobos' Almerindo e Artur Carneiro em inofensivos 'cordeirinhos'.

Fui integralmente absolvido, numa sentença digna de registo.

 

Não se conformaram os incumpridores e já no limite do prazo para o fazerem, recorreram para o Tribunal da Relação do Porto - quem tem o dinheiro que falta àqueles a quem espoliou pode dar-se ao luxo de fazer 'litigância de má-fé'...

 

Como quem não deve não teme, aguardei serenamente, sem me deixar condicionar pelo ridículo 'rosnar' destes pequenos 'tigres de papel' - neste intervalo, já por mais de uma vez voltei a escrever sobre as lamentáveis personalidades do subúrbio e sobre os seus crimes, como pode ser constatado.

 

Hoje finalmente, chegou a previsível NOTÍCIA: o acórdão do Tribunal da Relação do Porto (1ª Secção Criminal) considerando improcedente o recurso dos litigantes e condenando-os a pagar as custas - 5 UC (+/- 500 Euros).

 

Recorte do Acórdão:

SEC_Tribunal da Relação.jpeg

Mais do que exteriorizar a minha satisfação por ver a nossa Justiça ser uma vez mais justa, julgo que merece ser destacada a justiça indirecta que este Acórdão faz aos trabalhadores roubados da SEC, revoltados com o papel de 'coitadinhos' que os incumpridores tentaram fazer passar no Tribunal de Valongo e agora também na Relação do Porto.

 

Muito em breve voltarei 'à antena' para actualizar a lamentável situação da falência da SEC falar sobre as dificuldades por que passam todos os espoliados que até ao momento continuam à espera da sua parte na divisão do valor apurado no leilão de bens. 

 

 

 

 

publicado às 19:13

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D