Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

SÓCRATES, MEU IRMÃO...

Captura de ecrã 2017-10-15, às 15.07.31.png

 

Como eu te compreendo e me identifico contigo, meu caro José Sócrates, no que toca à lamentável perseguição que te estão a mover!

 

Como se não fosse suficiente a desdita de seres um excluído social pelo facto de teres dinheiro e fraca memória que não te permite explicar de forma detalhada e convincente a origem do mesmo ainda te querem responsabilizar também pelos cofres semeados por esse mundo fora por alguns dos teus amigos próximos  e onde, ao que parece, terão sido encontrados alguns milhões de euros não declarados e não justificados.

 

Mas será que para a nossa Justiça (por enquanto apenas o Ministério Público) já não é castigo suficiente teres de levar com a preocupação obsessiva desses mesmos amigos - "ah! vê lá se não te faz falta uma nova tranche de notas de 500, não deixes atrasar a renda do T0, nem o ordenado do motorista, não te esqueças da revisão do BMW... " - e ainda te querem responsabilizar também pelas traquinices dos mesmos?

 

E vá-se lá também saber porquê, muitos dos (outros) amigos que te rodeavam, te bajulavam e te puxavam pela aba do casaco para pedirem benesses, empregos, oportunidades de negócios ou simplesmente solicitar a tua desinteressada e altruísta magistratura de influência que os ajudasse nas suas escaladas sociais, empresariais, políticas ou outras,  começaram a evoluir para a categoria de falsos amigos dispostos até a falar contra ti e a alinharem com aqueles que te perseguem.

 

Sócrates meu amigo e meu irmão, como eu te compreendo!

 

Também eu tenho sido perseguido - olha! por um dos (creio que ainda) teus amigos, deputado da tua bancada na Assembleia da República (10-03-2005 a 19-06-2011) e agora autarca de renome no Concelho onde resido.

E igualmente tal como no teu caso, embora por razões mais comezinhas e menos nobres: por  utilizar um direito fundamental como a Liberdade de expressão para atentar contra o bom nome do dito autarca e a sua família (!) e para o difamar, usando um Blog de mau porte de que sou dono.

 

Porém, ao contrário de ti, eu beneficio de uma posição privilegiada de que - acredita! - até me custa falar...

 

Sou um simples delinquente primário, desconhecido dos média e vivo numa rua simpática do centro da Cidade de Alfena, numa moradia também simpática e muito parecida com todas as que a rodeiam com um jardinzito catita e uma oliveira que dá azeitonas no centro, enquanto tu, meu amigo e meu irmão, tens de viver exposto a todos os vitupérios nesse bairro social que é o Parque das Nações com vistas para o Tejo e os gritos das gaivotas que diariamente te deixam quilos de excrementos na varanda.

 

Outro privilégio - eu considero-o como tal - de que me lembrei agora:

 

No processo que me foi movido pelo teu (será que falso?) amigo e em que pasmemos todos, a Justiça teve o desplante de me absolver, eu simples delinquente anónimo pude recorrer a um advogado oficioso que me recebia no seu escritório simples e funcional em vez - no teu caso  - entrar T0 adentro (no teu caso) com o sócio atrelado  e obrigando-te a servir-lhes a torradita com manteiga e o galãozito morno com adoçante sintético...

 

(É claro que tu até podias levá-los àquela pastelaria da esquina - no bairro social das Nações existem esquinas, certo? - mas terias de enfrentar aquele entra-e-sai de trolhas para saborearem o seu diário 'beer-breack' enquanto atiram rajadas de piropos às catraias que passam no passeio em frente, ou as 'assistentes técnicas de trabalho doméstico' a fofocarem sobre a vida das patroas enquanto debicam o croissant com creme e a meia de leite da meia-tarde).

 

Mas claro que sei meu caro José Sócrates, meu amigo meu irmão, que ao contrário do que aconteceu comigo simples e anónimo delinquente primário, tu enfrentas o problema cada vez mais aborrecido das novas tecnologias ao serviço da Justiça e das polícias - as escutas telefónicas!

 

(Dizem que quando telefonavas àquele amigo especial a pedir 'fotocópias' ou 'aquela coisa' tu estarias a pedir notas de 500, mas conhecendo-te como eu conheço, eu acredito apenas na tua versão meu amigo!

Não me posso esquecer do famoso processo 'apito dourado' e das famosas escutas com referências a fruta e chocolates e se tentava insinuar que isso se referia a meninas e outros miminhos para os árbitros. Como sabes, o processo foi arquivado e portanto, não vejo grandes motivos para te preocupares, mas mesmo assim, não descures a vigilância).

 

É claro que também sei que as más-línguas têm utilizado demasiadas vezes em relação a ti aquele ditado popular "quem cabritos vende e cabras não tem de algum lado lhe vem" - nomeadamente por causa de viveres no tal T0 do bairro social das Nações...

 

Como se todos não soubéssemos que a habitação ali existente está ao nível da habitação social mais modesta!

Eu por exemplo, nem que me pagasses muito bem aceitaria trocar a minha moradia simpática com jardinzito catita e oliveira que dá azeitonas no meio pelo teu modesto T0!

_____________________________

PS: Sócrates, meu amigo meu irmão, sei que lançaste ontem o teu novo livro...

Tens a certeza que o amigo que o escreveu e te ajudou a escolher o título é mesmo teu amigo de verdade?

Não achas que "José Sócrates O MAL QUE DEPLORAMOS" é algo ambíguo ou sou sé eu a pensar assim?

 

 

publicado às 11:27

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D