Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

SÓCRATES, MEU IRMÃO...

Captura de ecrã 2017-10-15, às 15.07.31.png

 

Como eu te compreendo e me identifico contigo, meu caro José Sócrates, no que toca à lamentável perseguição que te estão a mover!

 

Como se não fosse suficiente a desdita de seres um excluído social pelo facto de teres dinheiro e fraca memória que não te permite explicar de forma detalhada e convincente a origem do mesmo ainda te querem responsabilizar também pelos cofres semeados por esse mundo fora por alguns dos teus amigos próximos  e onde, ao que parece, terão sido encontrados alguns milhões de euros não declarados e não justificados.

 

Mas será que para a nossa Justiça (por enquanto apenas o Ministério Público) já não é castigo suficiente teres de levar com a preocupação obsessiva desses mesmos amigos - "ah! vê lá se não te faz falta uma nova tranche de notas de 500, não deixes atrasar a renda do T0, nem o ordenado do motorista, não te esqueças da revisão do BMW... " - e ainda te querem responsabilizar também pelas traquinices dos mesmos?

 

E vá-se lá também saber porquê, muitos dos (outros) amigos que te rodeavam, te bajulavam e te puxavam pela aba do casaco para pedirem benesses, empregos, oportunidades de negócios ou simplesmente solicitar a tua desinteressada e altruísta magistratura de influência que os ajudasse nas suas escaladas sociais, empresariais, políticas ou outras,  começaram a evoluir para a categoria de falsos amigos dispostos até a falar contra ti e a alinharem com aqueles que te perseguem.

 

Sócrates meu amigo e meu irmão, como eu te compreendo!

 

Também eu tenho sido perseguido - olha! por um dos (creio que ainda) teus amigos, deputado da tua bancada na Assembleia da República (10-03-2005 a 19-06-2011) e agora autarca de renome no Concelho onde resido.

E igualmente tal como no teu caso, embora por razões mais comezinhas e menos nobres: por  utilizar um direito fundamental como a Liberdade de expressão para atentar contra o bom nome do dito autarca e a sua família (!) e para o difamar, usando um Blog de mau porte de que sou dono.

 

Porém, ao contrário de ti, eu beneficio de uma posição privilegiada de que - acredita! - até me custa falar...

 

Sou um simples delinquente primário, desconhecido dos média e vivo numa rua simpática do centro da Cidade de Alfena, numa moradia também simpática e muito parecida com todas as que a rodeiam com um jardinzito catita e uma oliveira que dá azeitonas no centro, enquanto tu, meu amigo e meu irmão, tens de viver exposto a todos os vitupérios nesse bairro social que é o Parque das Nações com vistas para o Tejo e os gritos das gaivotas que diariamente te deixam quilos de excrementos na varanda.

 

Outro privilégio - eu considero-o como tal - de que me lembrei agora:

 

No processo que me foi movido pelo teu (será que falso?) amigo e em que pasmemos todos, a Justiça teve o desplante de me absolver, eu simples delinquente anónimo pude recorrer a um advogado oficioso que me recebia no seu escritório simples e funcional em vez - no teu caso  - entrar T0 adentro (no teu caso) com o sócio atrelado  e obrigando-te a servir-lhes a torradita com manteiga e o galãozito morno com adoçante sintético...

 

(É claro que tu até podias levá-los àquela pastelaria da esquina - no bairro social das Nações existem esquinas, certo? - mas terias de enfrentar aquele entra-e-sai de trolhas para saborearem o seu diário 'beer-breack' enquanto atiram rajadas de piropos às catraias que passam no passeio em frente, ou as 'assistentes técnicas de trabalho doméstico' a fofocarem sobre a vida das patroas enquanto debicam o croissant com creme e a meia de leite da meia-tarde).

 

Mas claro que sei meu caro José Sócrates, meu amigo meu irmão, que ao contrário do que aconteceu comigo simples e anónimo delinquente primário, tu enfrentas o problema cada vez mais aborrecido das novas tecnologias ao serviço da Justiça e das polícias - as escutas telefónicas!

 

(Dizem que quando telefonavas àquele amigo especial a pedir 'fotocópias' ou 'aquela coisa' tu estarias a pedir notas de 500, mas conhecendo-te como eu conheço, eu acredito apenas na tua versão meu amigo!

Não me posso esquecer do famoso processo 'apito dourado' e das famosas escutas com referências a fruta e chocolates e se tentava insinuar que isso se referia a meninas e outros miminhos para os árbitros. Como sabes, o processo foi arquivado e portanto, não vejo grandes motivos para te preocupares, mas mesmo assim, não descures a vigilância).

 

É claro que também sei que as más-línguas têm utilizado demasiadas vezes em relação a ti aquele ditado popular "quem cabritos vende e cabras não tem de algum lado lhe vem" - nomeadamente por causa de viveres no tal T0 do bairro social das Nações...

 

Como se todos não soubéssemos que a habitação ali existente está ao nível da habitação social mais modesta!

Eu por exemplo, nem que me pagasses muito bem aceitaria trocar a minha moradia simpática com jardinzito catita e oliveira que dá azeitonas no meio pelo teu modesto T0!

_____________________________

PS: Sócrates, meu amigo meu irmão, sei que lançaste ontem o teu novo livro...

Tens a certeza que o amigo que o escreveu e te ajudou a escolher o título é mesmo teu amigo de verdade?

Não achas que "José Sócrates O MAL QUE DEPLORAMOS" é algo ambíguo ou sou sé eu a pensar assim?

 

 

publicado às 11:27

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D