Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

O CASO FREEPORT E A ARTE DE "ENGOLIR SAPOS"...

 

Afinal, parece que a "falta de confiança” entre os dois Senhores com aspecto de diligentes amanuenses - aqueles que consideraram (por omissão) José Sócrates “não corrupto” no caso Freeport - e a Senhora com ar de governanta simpática, não corresponde à verdade...

Ou afinal, as acusações feitas por muitos e também pela comunicação social, de que a hierarquia no seio do Ministério Público está moribunda, fica cabalmente (?) desmentida.

A hierarquia funciona tão bem e de forma tão eficiente, que em poucos dias soubemos, veiculada pelos mesmos actores, uma coisa e o seu contrário - sendo que o seu contrário deve ter sido ditado pela Senhora com ar de governanta simpática aos senhores com ar de amanuenses diligentes, de forma algo parecida com aquelas cenas dos filmes da acção: com uma pistola apontada à cabeça...

Nós compreendemos perfeitamente que às vezes na vida de cada um, "valores mais altos se alevantam": Na função pública (e também no Ministério Público) as progressões na carreira não se fazem exactamente da mesma forma que no sector privado e um superior hierárquico na primeira, tem sempre uma relevância diferente daquela que se verifica no segundo...Por isso mesmo e por mais repugnante que isso possa parecer ao comum dos mortais, há "sapos que têm de ser engolidos""ditos que têm de dar lugar a não ditos"!

Nós compreendemos... mas isso não significa que os desculpemos!

publicado às 11:07

SUA MAJESTADE A RAINHA...

 

Sub-repticiamente, como quem não quer a coisa, eis que nos entrou portas da República adentro, como se isto de sermos o mais velho aliado do mundo lhe desse esse direito!

Falo obviamente de Sua Alteza Real a Rainha de Inglaterra, que vá-se lá saber porque estranhos e insondáveis desígnios da sorte, resolveu em 9 de Outubro de 2006 tomar nas reais mãos os destinos de uma Procuradoria que todos nós desatentos súbditos, continuávamos a crer que pertencia à República!

Não fora Sua Majestade ter perdido as reais estribeiras a propósito dos sucessivos escândalos que têm rodeado nos últimos anos a investigação sobre o emblemático empreendimento que dá pelo real nome de Freeport e que alguns fiéis súbditos resolveram erguer nesta pequena e modesta "colónia" Lusitana e seguramente continuaríamos todos a acreditar que a República estendia a sua soberania a todas as Instituições do nosso Estado!

Mas também, tirando o abuso de ter "anexado" à socapa a nossa Procuradoria, para o trabalho que tem vindo a fazer, não fará grande diferença termos um PGR ou a Rainha de Inglaterra - digo eu...


PS: É impressão minha ou o discurso da tomada de posse em 2006 era mesmo do PGR (e não da Rainha de Inglaterra)?

publicado às 21:11

A ROUBALHEIRA...

Parece que afinal o Vitinho também "rosna"! E a gente que pensava que ele desde que abandonou o PCP, tinha passado apenas a "ronronar" qual gatinho doméstico...

Ontem deu já um ar da sua graça - que foi ao mesmo tempo, um aviso ao PSD e um sinal de alerta para dentro do Partido que representa: É que não parece nada avisado, começar para aí a acusar (ainda que indirectamente) os opositores de estarem de algum modo ligados à "roubalheira" do BPN, sabendo ele que se mantêm activos - ou pelo menos latentes - alguns "vulcões" e fumarolas de tonalidade rosa: Caso Cova da Beira, Freeport, "saco azul" de Felgueiras  e outros...

Não açaimem o homem e depois admirem-se se ao tentar morder as canelas dos inimigos, vos morder também as vossas!

publicado às 09:37

"A MULHER DE CÉSAR"...

PGR afasta Eurojust da investigação do caso Freeport

TSF-Hoje às 13:53

...Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República refere que «desde que se iniciou o inquérito sobre as alegadas pressões, [Pinto Monteiro] deu instruções no sentido de todas as diligências necessárias e que impliquem a cooperação judiciária internacional passarem a ser efectuadas sem a intervenção da Eurojust», passando a ser utilizados «outros canais»(...)


Diário Digital-Hoje às16:21
 

Eurojust diz não ter sido notificada de decisão do PGR
 

...A Eurojust afirmou hoje não ter sido notificada da decisão da Procuradoria-geral da República (PGR) de excluir aquele organismo europeu das diligências relacionadas com a investigação do caso Freeport(...)

Pobre República que tão fracos Procuradores tem...

Hesitante, periclitante, incapaz de marcar uma posição - a posição da República - face aos que a governam, ou melhor que se governam à custa dela...

Pobre República!

Mas já agora fica-me aqui uma dúvida: Será que o Procurador fez aquele anúncio apenas "para consumo interno"?

 "À mulher de César não basta ser séria, é preciso parecê-lo" mas com esta aparente encenação do Procurador, agora é que ela não parece nada "séria"

publicado às 19:37

AS "ASPAS" DA DEMOCRACIA - Take 2

Recebi hoje um comentário de blogueoliveiramartins a um dos meus post - As "ASPAS" DA DEMOCRACIA - publicado aqui e também aqui.

Ora bem... vamos lá esclarecer algumas dúvidas:

Eu critico - às vezes apetece-me mesmo zurzir - esta "democracia" que aceita ser controlada por "democratas" como Sócrates, Jaime Gama, Paulo Pedroso, Ferro Rodrigues e outros, que por cá andam, já andaram, ou pensam ainda andar e que deixam sempre atrás de si um odor tão intenso de "Freeport", "Cova da Beira" "Pedofilia" que os topamos à distância! (Antes que me esqueça, quero aqui deixar bem destacado o necessário "Disclaimer": não os acuso de nada porque não tenho provas que me permitam fazê-lo e mesmo que acusasse, seriam sempre inocentes até prova em contrário, com a respectiva condenação e trânsito em julgado, blá, blá, blá...) 

Critico ainda, alargando os horizontes para lá do "rectângulo",  a "democracia" da nossa velha aliada Inglaterra, onde os "democratas" que a governam, usam os dinheiros públicos para comprar sofás de massagens, alugar filmes pornográficos, comprar aparelhagens sofisticadas de home cinema.

Critico também os  "democratas" como Sílvio Berlusconi de Itália, que arrebanha todas as modelos bonitinhas que consegue, para a sua lista de candidatura ao Parlamento Europeu, ainda que no que toca a "cérebro", a maior parte delas o possua tão minúsculo como o dele próprio.

Mas quando critico tudo isto e muito mais,  o que eu pretendo é mais Democracia, nunca o regresso a um passado de má memória - nem a novos Salazares, Marcelos ou quejandos, nem tampouco o retomar de ideias sobre a restauração do Império ou outras patacoadas neocolonialistas que não interessam "nem ao menino Jesus".

É que eu, que tenho 61 anos, fiz a guerra colonial e por isso posso falar do que foi com conhecimento de causa!

Em 27 de Julho de 1970, ia eu a bordo do velhinho paquete Niassa em pleno alto mar como furriel miliciano,  a caminho de Moçambique, quando a Rádio Conacri deu em primeira mão a morte do ditador.

Juro que não ouve consternação a bordo!

Chegados à guerra - Provincia de Cabo Delgado - tive oportunidade de conhecer por dentro, ao longo dos 28 meses que aí permaneci, o que era o colonialismo português.

Dou apenas em rápidas pinceladas, dois pequenos exemplos:

1.  O Nunes, famoso caçador de elefantes, com a ajuda do seu "exército" de caçadores armados com as mais modernas armas de caça levava a cabo uma autêntica razia nas manadas de elefentes, para lhes extrair as presas e as centenas de toneladas de marfim que representavam e que anualmente exportava para as brancas e civilizadas metrópoles que lhas pagavam a peso de ouro.

Porque a Frelimo o ameaçava - não por nenhuma preocupação especial com os bichos que ele dizimava, mas pelo roubo que levava a cabo - havia sempre um pelotão das várias companhias estacionadas na zona, que rotativamente lhe assegurava a protecção - com todo o conforto possível e todas as "mordomias" diga-se, desde um confortável acampamento com água quente, cerveja refrigerada, carne fresca em abundância entre outras!

2.  Nas localidades onde existia população civil, destacava-se a sinistra figura do Administrador, com o seu grupo de "cipaios" - espécie de milícia local arregimentada e mantida fiel e controlada, à custa de um salário miserável e algumas benesses e com a qual levava a cabo autênticas tropelias entre a pobre população indefesa.

Como é sabido, naquele tempo prosperavam em Moçambique algumas grandes companhias de exploração do algodão, as quais, sobretudo na altura da colheita, necessitavam de uma grande quantidade de mão de obra - barata se possível, mas se fosse "escrava" melhor ainda.

Como homem de mão das grandes companhias, o Administrador tinha uma forma habilidosa e suigéneris de conseguir o número de braços que lhe pediam: Fazia publicar uma espécie de "Edital" em que dava um período de tempo - suficientemente curto para não poder ser cumprido - para que os donos das palhotas procedessem à sua cobertura com capim novo.

Findo o prazo, mandava os "Cipaios" prender os incumpridores e aplicava-lhes uma multa, que por não poderem pagar, ele transformava em dias de trabalho gratuito (escravo) na colheita do algodão.

Portanto, meu caro amigo Oliveira Martins, eu não gosto de Ditaduras - sobretudo das que não têm "aspas" quase pelas mesmas razões porque não gosto das "democracias" a fingir!

Mas agradeço a sua visita e apesar de não concordar com parte do conteúdo dos seus post, gosto da maneira como escreve e partilho do seu ponto de vista "poético" em relação à figura ridículo/patética do padre Melícias ...

 

publicado às 12:34

REPÚBLICA DAS BANANAS...

Sócrates ainda não se demitiu?

E Pinto Monteiro?

E Lopes da Mota?

O quê? Está tudo na mesma?

Pois está... Tinha-me esquecido que Portugal, estando embora na União Europeia integra também de pleno direito a "Confederação Independente das Repúblicas das Bananas" - cujos membros como todos sabemos, adoptam regras de conduta muito próprias!

 

publicado às 13:34

O "EUROJUSTO"...

Lopes da Mota, o “pressionador”, vai ser alvo de um processo disciplinar.

Fica no entanto a pairar nas nossas mentes esta “gigantesca” dúvida: Lopes da Mota pressionou a pedido de quem?
Sim, que não sendo ele “parte interessada” relativamente ao efeito das pressões – não é ele que está a ser acusado de corrupção – alguém lhe pediu para o fazer.
O ministro Alberto Costa, obviamente nega, Sócrates - como habitualmente - também, pelo que só resta pôr a “corda no pescoço” ao homem do EUROJUST e conduzi-lo ao “cadafalso”. Sem um queixume do “condenado”, como compete a um verdadeiro “pau-mandado” que sabendo “ao que ia”, não tem porque se queixar.
Tudo simples, tudo dentro do expectável, tudo “Eurojusto”…
publicado às 17:19

PROCURA-SE...

"PROCURA-SE VIVO OU...VIVO":

Indivíduo do sexo masculino, caucasiano, porte médio (mas com nariz acima da média). Bem falante, veste habitualmente fato e gravata, embora também já tenha sido visto esporadicamente em equipamento de jogging, fingindo a prática dessa actividade.

Considerado extremamente perigoso, faz-se normalmente acompanhar por alguns exemplares "caninos" de raças perigosas que lhe asseguram a cobertura necessária, quer para a prática das suas actividades ilícitas, quer para a retirada após a consumação das mesmas.

Há fortes indícios da sua ligação a algumas das fraudes mais conhecidas ocorridas nos últimos anos: Caso Freeport, e Processo Cova da Beira, entre outros.

Pelo que se conhece dos principais casos conhecidos que o ligam a ele utiliza habitualmente como camuflagem para a prática dos crimes, várias qualificações:  "engenheiro", "engenheiro-técnico", "membro do Governo" ou ainda - imagine-se só! - "Primeiro Ministro" da Nação!

Às pessoas que eventualmente venham a ser abordadas por ele, recomenda-se todo o cuidado - principalmente com as carteiras - aconselhando-se a que sem darem nas vistas, entrem imediatamente em contacto com a "Polícia das Nações Unidas" - a UNPOL - uma vez que as Autoridades do nosso País - Policiais e Judiciárias - não dispõem dos meios adequados, nem para a sua detenção nem para o seu julgamento.


PS: Vi - ou sonhei que vi - este anúncio afixado em várias esquinas e nas montras de algumas lojas (e coloco aqui a dúvida, porque quando quis confirmar se era mesmo verdade, já não encontrei nenhum exemplar afixado... Pode ter sido alguém a retira-los, ou simplesmente nunca terem existido). Mas pelo sim pelo não, aqui vai o necessário

Disclaimer: Qualquer semelhança com alguma pessoa ou pessoas, vivas ou que já tenham vivido neste País - onde como é sabido não se conhece nenhum caso de corrupção - é mera coincidência (ou não...)

publicado às 21:43

Mais sobre mim

imagem de perfil

Posts mais comentados

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D