Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

TETRAEDRO DE FOGO...

Publicado no meu 'outro espaço':


Nos teus olhos a negação pode até ser percalço mas nunca opção porque  a minha reflexa reacção transforma o teu não onde adivinho indecisão em lenta degustação em deleitada fruição em contida mas agora consentida progressão.

 

Palpação avaliação a clara percepção da tua palpitação diagnostico e prescrevo a medicação e porque o não nunca foi a opção contendo-me contendo-te e prolongo o tântrico momento num século de tântrica interacção.

 

E finalmente a ignição a explosão a combustão um minuto mil minutos um milhão alimentada até à exaustão.

 

Ou não que a extinção nunca pode acontecer enquanto permanecer o triângulo de fogo onde a combustão só terá o seu fim quando um dos componentes morrer de inanição.

 

E pode até ocorrer uma irreversível evolução da triangular combustão para a tetraédrica reacção onde será o claro excesso quem determinará a extinção e apenas no fim de todo o encadeado processo.

 

E sendo assim mesmo que persistisse já não teria importância a opção entre o teu sim ou o teu não nem importante seria a inicial ambivalência entre o percalço e a assumida opção.


Uma abordagem poética  sobre a definição conceptual da química do fogo (a minha 'costela' de formador na prevenção de incêndios...)

publicado às 21:05

MOMENTO ÍNTIMO...

Amor dor amor prazer

Dor de te não ter

Por auto imposição

Por abdicação

Prazer

Se às convenções disser não

Se escolher a emoção

Amor dividido

Entre o amor proibido

E o que nos é permitido

No contrato promessa

Assumido na pressa

De fotógrafos apressados

Da gula dos convidados

Mas amor que fosse

Naquela modorra doce

De mel apelidada

Onde a lua é invocada

Inevitável

A geometria variável

Do coração

Aos costumes dirá não

Reconquistarei o passado

Ou presente adiado

E juro

Que o farei futuro

Sem fotógrafos apressados

Nem gula nem convidados

Amor prazer

Por te voltar a ter


Breve desresponsabilização (citando um fragmento de Autopsicografia de Fernando Pessoa):

 

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

publicado às 00:22

CARTA A MEUS FILHOS SOBRE OS FUZILAMENTOS DE GOYA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poema de Jorge de Sena (in "Metamorfoses", 1963; "Antologia Poética", págs. 108-111, Porto: Edições Asa, 1999)


Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso.
É possível, porque tudo é possível, que ele seja
aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo,
onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém
de nada haver que não seja simples e natural.
Um mundo em que tudo seja permitido,
conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer,
o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós.
E é possível que não seja isto, nem sequer isto
o que vos interesse para viver. Tudo é possível,
ainda quando lutemos, como devemos lutar,
por quanto nos pareça a liberdade e a justiça,
ou mais que qualquer delas uma fiel
dedicação à honra de estar vivo.
Um dia sabereis que mais que a humanidade
não tem conta o número dos que pensaram assim,
amaram o seu semelhante no que ele tinha de único,
de insólito, de livre, de diferente,
e foram sacrificados, torturados, espancados,
e entregues hipocritamente à secular justiça,
para que os liquidasse com «suma piedade e sem efusão de sangue».
Por serem fiéis a um deus, a um pensamento,
a uma pátria, uma esperança, ou muito apenas
à fome irrespondível que lhes roía as entranhas,
foram estripados, esfolados, queimados, gaseados,
e os seus corpos amontoados tão anonimamente quanto haviam vivido,
ou suas cinzas dispersas para que delas não restasse memória.
Às vezes, por serem de uma raça, outras
por serem de uma classe, expiaram todos
os erros que não tinham cometido ou não tinham consciência
de haver cometido. Mas também aconteceu
e acontece que não foram mortos.
Houve sempre infinitas maneiras de prevalecer
aniquilando mansamente, delicadamente
por ínvios caminhos quais se diz que são ínvios os de Deus.
Estes fuzilamentos, este heroísmo, este horror,
foi uma coisa, entre mil, acontecida em Espanha
há mais de um século e que por violenta e injusta
ofendeu o coração de um pintor chamado Goya,
que tinha um coração muito grande, cheio de fúria
e de amor. Mas isto nada é, meus filhos.
Apenas um episódio, um episódio breve,
nesta cadeia de que sois um elo (ou não sereis)
de ferro e de suor e sangue e algum sémen
a caminho do mundo que vos sonho.
Acreditai que nenhum mundo, que nada nem ninguém
vale mais que uma vida ou a alegria de tê-la.
É isto o que mais importa – essa alegria.
Acreditai que a dignidade em que hão-de falar-vos tanto
não é senão essa alegria que vem
de estar-se vivo e sabendo que nenhuma vez
alguém está menos vivo ou sofre ou morre
para que um só de vós resista um pouco mais
à morte que é de todos e virá.
Que tudo isto sabereis serenamente,
sem culpas a ninguém, sem terror, sem ambição,
e sobretudo sem desapego ou indiferença,
ardentemente espero. Tanto sangue,
tanta dor, tanta angústia, um dia
– mesmo que o tédio de um mundo feliz vos persiga –
não hão-de ser em vão. Confesso que,
muitas vezes, pensando no horror de tantos séculos
de opressão e crueldade, hesito por momentos
e uma amargura me submerge inconsolável.
Serão ou não em vão? Mas, mesmo que o não sejam,
quem ressuscita esses milhões, quem restitui
não só a vida, mas tudo o que lhes foi tirado?
Nenhum Juízo Final, meus filhos, pode dar-lhes
aquele instante que não viveram, aquele objecto
que não fruíram, aquele gesto
de amor, que fariam «amanhã».
E, por isso, o mesmo mundo que criemos
nos cumpre tê-lo com cuidado, como coisa
que não é só nossa, que nos é cedida
para a guardarmos respeitosamente
em memória do sangue que nos corre nas veias,
da nossa carne que foi outra, do amor que
outros não amaram porque lho roubaram.

Lisboa, 25-06-1959


PS: uma excelente sugestão do meu querido amigo Castro Neves, à qual eu acrescentei o saudoso e inimitável declamador Mário Viegas...

Um poema que tem tantos pontos de toque com a nossa realidade actual!

 

publicado às 01:28

TERRA INSEMINADA...

Sonhei

Com beijos molhados

Roubados

Inesperados

Apressados

Acordei

A chuva caía

Lágrimas de alegria

Na terra que fremia

Enquanto as bebia

Inspirei

Da janela escancarada

A volúpia indisfarçada

Da terra molhada

Fecundada

Rejubilei

Este inverno esquecido

De verão travestido

Soltou desinibido

O seu sémen contido

Acreditei

E cavando

As mãos sujando

A terra afagando

Inseminando

Plantei

 

(Escrito no dia 3 de Fevereiro, um Sábado, bafejado com esta chuva tão desejada e tão atrasada)

publicado às 22:45

"CO-INCINEREMO-LOS" - CADEIRA E TUDO...

Esta é (apenas) uma das muitas imagens que ilustram hoje as páginas de muitos Jornais, que desassossegam muitas consciências que alarmam muitos governantes e que - embora a estes não lhes convenha reconhecê-lo - incomodam também muitos dos que se perfilam na linha de sucessão para aceder sem grandes pressas ao "pote".

Pelas ruas deste País adiado, desfilaram "licenciados" em caixas de supermercado (e os pais deles), "licenciados em call center (e os pais deles), "licenciados" em filas dos centros de emprego (e os pais deles) "licenciados" em estágios profissionais não remunerados (e ainda e mais uma vez, os pais deles também).

Do outro lado, assistindo da tribuna refastelados na cadeira do poder - uma gigantesca estrutura "multiplataformas" de "engorda", ligada ao Povo através de uma complicada ramificação de cateteres por onde flui o "alimento" para esta cambada de sangessugas vorazes que nunca está saciada e que mesmo na véspera do protesto, reclamou mais uma transfusão reforçada do mesmo.

Também estes, "licenciados", "doutorados" e "pós graduados" - em exames "via fax", em diplomas assinados ao domingo, em "freeportes" em "faces ocultas" e noutras tantas malfeitorias...

E porque isso lhes convinha, ouvimo-los em todos os canais de televisão e também na rádio a fazerem apelos (!)  estranhos  aos Partidos da esquerda, para que soubessem controlar as possíveis infiltrações de "provocadores" no seio dos manifestantes - não fossem os protestos ganharem demasiada força e descambarem para situações semelhantes às do Egipto, da Líbia e de outros Países onde o Povo começa (finalmente) a acordar...

Já se aperceberam, é que nesta nova era da Internet e das redes sociais, as manifestações já não são como aquelas que eles se habituaram a promover ou a enfrentar até há pouco: Os "facebook", os "twitter" e outros meios alternativos, permitem saltar etapas, encurtar distâncias, contornar burocracias, baralhar ou surpreender os "SIS" - e apanhá-los literalmente "com as calças na mão"...

 

 

publicado às 14:15

AS PALAVRAS QUE DIZEMOS...

Abomino certas palavras

Letras e sílabas ligadas

Habilmente manipuladas

Sobretudo quando somadas

Fazem a injusta sentença

A discussão, a desavença

Ou  então a frase extensa

De quem não diz o que pensa

Escuto-as no dia a dia

Com prazer ou arrelia

Palavras, palavras, palavras

Exaltadas

Sussurradas

Destemperadas

Ou então inflacionadas

Por serem de circunstância

Podem trazer a jactância

Que impõe distancia

Ou a ingenuidade da infância

Palavra – no singular

Pode – às vezes - significar

Que quem acaba de a dar

Terá de a honrar...

 

E na circunstância,  ocorre-me o que disse a propósito o poeta Egito Gonçalves no seu poema:

Com palavras (*)

 

Com palavras me ergo em cada dia!
Com palavras lavo, nas manhãs, o rosto
E saio para a rua.
Com palavras — inaudíveis — grito
Para rasgar os risos que nos cercam.

Ah!, de palavras estamos todos cheios.
Possuímos arquivos, sabemo-las de cor
Em quatro ou cinco línguas.
Tomamo-las à noite em comprimidos
Para dormir o cansaço.

As palavras embrulham-se na língua.
As mais puras transformam-se, violáceas,
Roxas de silêncio. De que servem
Asfixiadas em saliva, prisioneiras?

Possuímos, das palavras, as mais belas;
As que seivam o amor, a liberdade...
Engulo-as perguntando-me se um dia
As poderei navegar; se alguma vez
Dilatarei o pulmão que as encerra.

Atravessa-nos um rio de palavras:
Com elas eu me deito, me levanto,
E faltam-me palavras para contar...

 

(*)  Poema do livro "Sonhar a Terra Livre e Insubmissa" : 04/03/2005

 

publicado às 11:31

DEVAGAR, COMO QUEM CORRE...


Enlaças-me apertas-me

Como trepadeira ao seu tutor

E gemes imploras ou ordenas

Que venha depressa que voe

Mas eu não vou nem voo

Nem podia fazê-lo

Porque já estou

Precoce cheguei

Mesmo sem me apressar

Dez vezes dez contei

Devagar como quem corre

Sobre a corda bamba

Qual funâmbulo sem o ser

Correndo o risco de cair

Cavalguei o nada

Que antes de ti

Era apenas o verbo

E chegado ao fim da linha

À última estação

Sem te ver a meu lado

Entre o desistir

E viajar noutro dia

Decidi esperar por ti

Até que chegaste

Me enlaçaste me apertaste

Ascendeste sobre o meu cansaço

Ordenaste que fosse e eu fui

Como se fosse a vez primeira

Dez vezes dez contei

Como da primeira vez

E voei como ave marinha

Voo mergulho voo mergulho

Dez vezes dez contei

E retemperados (ou cansados) chegamos!

 

publicado às 23:25

NATAL DE PARTILHA...

Natal pleno é

Ajudar o outro a ter igual

A tudo o que já temos

(E às vezes não merecemos)

Mesmo antes do Natal

E também não ficaria mal

Um pouco de luz a menos

Porque só assim veremos

O brilho da estrela - a tal

Que dizem foi o sinal

Do Natal que hoje temos

Do Natal que queremos

Menos desigual

Aqui ou em Nazaré


P.S.: Do mais simples dos desejos se pode fazer um projecto e do projecto mais simples pode nascer uma Obra...

Este é apenas o meu desejo mais simples que gostaria simplesmente de partilhar com todos os meus amigos...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 20:44

FIM DE ESTAÇÃO...

Por vezes mergulhamos tão fundo e tão intensamente, que só por milagre não nos afogamos - no mar, na força da rebentação das suas ondas ou no amor e no travo agridoce que cada momento nos deixa no corpo e na alma no final de cada mergulho.

Por isso é que quando as circunstância da vida nos obrigam a abdicar - ainda que seja apenas temporariamente - do usufruto de algum desses prazeres, damos por nós assim: nostálgicos, abúlicos, com esta vaga e quase inexplicável sensação de perda...

(Escrevi sobre isto de uma outra forma no meu outro espaço - Terra Molhada)

publicado às 15:10

QUASE NADA...

Quase nada, quase tudo....

Como é ténue por vezes a linha de separação entre os dois conceitos!

Um grão de areia é tão minúsculo e insignificante - quase nada - que para o sentirmos sob os nossos pés tem de se juntar a muitos outros, ganhando então o estatuto de areia!

Porém, mesmo sozinho, minúsculo e insignificante, ele agiganta-se e pode bem fazer a diferença - pode afinal ser tudo o que não deve existir - para que uma engrenagem continue a funcionar sem avarias!

Escrevi sobre isto de uma outra forma no meu outro espaço



publicado às 13:44

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D