Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

ROUBALHEIRA - OU UMA EXPLICAÇÃO POSSÍVEL PARA CERTOS LUCROS...

O que vou escrever a seguir, é apenas uma espécie de "aviso à navegação" e pretende também em certa medida, assumir-se de forma algo pretensiosa - dirão alguns - como um Serviço Público:

 

Take 1:

Se alguma alminha alfenense (daquelas que ainda tenham o contador da água dentro de casa e lhes ocorra num momento de "loucura" mudá-lo para o exterior - acedendo aliás aos apelos nesse sentido feitos pela própria VEOLIA - é melhor contar primeiro até 10, ou melhor ainda, dormir uma noite descansada e decidir no dia seguinte:

A mim, que tenho a mania de decidir tudo rapidamente, tentaram extorquir-me - e não coloco "aspas" na palavra - 900 euros - vou escrever por extenso - novecentos euros!

Depois de um processo "negocial" bastante intenso, lá me devolveram o referido valor já desembolsado, mas não garanto que o façam noutros casos!


Take 2:

Idêntica recomendação relativamente à EDP que, quando a Rua da Várzea foi remodelada e alargada aqui há uns anos atrás, não se interessou minimamente por corresponder aos apelos de toda a gente - e creio que também da própria Câmara - para que instalasse as  infra estruturas adequadas à era em que vivemos:

É que eu ainda mal tinha acabado "de sair de uma" e logo me fui meter noutra, ao tentar cortar o "cordão umbilical" que me liga a esta grande empresa nacional e por enquanto, praticamente ainda detentora do monopólio do fornecimento da energia que chega aos clientes residenciais - "cortar", no sentido de alterar o ramal aéreo, para outro tipo de solução mais consentânea também com o actual século.

Ao mesmo tempo e tal como no caso da água, mudei o contador da forma habitual para o mureto do jardim e equipado de acordo com todas as normas e com o necessário "caminho" também já instalado até à anterior entrada no meu quadro eléctrico e do actua contador.

Nova e "agradável surpresa"me aguardava numa carta chegada um dia destes à minha caixa de correio - à que está instalada no gradeamento do meu jardim, que a EDP anda a pedir aos clientes para aderirem à factura electrónica, mas ela própria ainda não deixou de "cortar árvores" e poupar nas impressoras:

A EDP - a tal dos lucros astronómicos e dos prémios generosos aos seus gestores, mas também  a da falta de respeito por aqueles a quem presta um serviço indispensável e que lhe proporcionam os tais "bons resultados" obtidos - exige-me menos um pouco que aquilo que a VEOLIA me exigia pelo contador da água: "só" 800 (oitocentos) euros!

Assim percebe-se porque é que, neste último caso pelo menos, os lucros têm sido tão astronómicos...

Desta forma, dificilmente conseguiremos acabar nos anos mais próximos, com esta inestética e pouco segura "teia" de energias que se cruza sobre as nossas cabeças...

Como seria de prever, estou mais uma vez a "negociar" e a tentar evitar esta nova extorsão, mas ainda me resta uma nova etapa: a PT, que prefere sempre - também não se interessou em devido tempo, por instalar as adequadas alternativas - os ramais aéreos e aqueles postes de madeira com ar de acentuada "cifose" e  de que sevão partir a qualquer momento, tal é a carga que suportam, onde além do mais deixa, ou é obrigada a deixar, pendurar também a ZON - veja-se o que está no canto do meu jardim!

Vamos lá a ver então, como vai correr essa terceira etapa - que a conclusão sobre a segunda, está prevista para àmanhã...

publicado às 00:14

ESPAÇO SOLIDÁRIO - 3

Encontrei aqui o texto que reproduzo abaixo, em que se relata mais um dos assaltos praticados pela Caixa Geral de Depósitos.

E porque denunciar qualquer ROUBO de que se tenha  conhecimento, é dever de todos, aqui vai o meu contributo.

OBS.: Quero dizer que (ainda) sou cliente da CGD, mas prometo rever rapidamente a situação...

Ocorre-me na circunstância a canção do Zeca Afonso:

 

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas pela noite calada
Vêm embandos com pés veludo
Chupar o sangue fresco da manada
Se alguém se engana com seu ar sisudo
E lhes franqueia as portas à chegada
Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada

(...)


A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a enviar aos seus clientes mais modestos uma circular que deveria fazer corar de vergonha os administradores - principescamente pagos - daquela instituição bancária.
A carta da CGD começa, como mandam as boas regras de marketing, por reafirmar o empenho do Banco em oferecer aos seus clientes as melhores condições de preço qualidade em toda a gama de prestação de serviços, incluindo no que respeita a despesas de manutenção nas contas à ordem..
As palavras de circunstância não chegam sequer a suscitar qualquer tipo de ilusões, dado que após novo parágrafo sobre racionalização e eficiência da gestão de contas, o estimado/a cliente é confrontado com a informação de que, para continuar a usufruir da isenção da comissão de despesas de manutenção, terá de ter em cada trimestre um saldo médio superior a EUR1000, ter crédito de vencimento ou ter aplicações
financeiras associadas à respectiva conta.
Ora sucede que muitas contas da CGD,designadamente de pensionistas e reformados, são abertas por imposição legal.
É o caso de um reformado por invalidez e quase septuagenário, que sobrevive com uma pensão de EUR243,45 - que para ter direito ao piedoso subsídio diário de EUR 7,57 (sete euros e cinquenta e sete
cêntimos!) foi forçado a abrir conta na CGD por determinação expressa da Segurança Social para receber a reforma.
Como se compreende, casos como este - e muitos são os portugueses que vivem abaixo ou no limiar da pobreza - não podem, de todo, preencher os requisitos impostos pela CGD e tão pouco dar-se ao luxo de pagar despesas de manutenção de uma conta que foram constrangidos a abrir para acolher a sua miséria.
O mais escandaloso é que seja justamente uma instituição bancária que ano após ano apresenta lucros fabulosos e que aposenta os seus administradores, mesmo quando efémeros, com «obscenas» pensões (para citar Bagão Félix), a vir exigir a quem mal consegue sobreviver que contribua para engordar os seus lautos proventos.
É sem dúvida uma situação ridícula e vergonhosa, como lhe chama o nosso leitor, mas as palavras sabem a pouco quando se trata de denunciar tamanha indignidade.Esta é a face brutal do capitalismo selvagem que nos servem sob a capa da democracia, em que até a esmola paga taxa.
Sem respeito pela dignidade humana e sem qualquer resquício de decência, com o único objectivo de acumular mais e mais lucros, eis os administradores de sucesso.

 

Medita e divulga... Mas divulga mesmo por favor...Cidadania é fazê-lo, é demonstrar esta pouca vergonha que nos atira para o miserabilismo social.
Este tipo de comentário não aparece nos jornais, tv's e rádios...
Porque será?

publicado às 14:15

ESPAÇO SOLIDÁRIO - 2

 

CONSULTÓRIO DN/SEFIN

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Despesas de manutenção na CGD

07 Novembro 2009O avô e o pai de Alfredo Reis decidiram abrir uma conta conjunta, no balcão do Fundão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), no montante de 500 euros, destinada aos seus filhos, ou seja, bisnetos dos depositantes. No momento da abertura da conta, o cliente deixou bem vincado que o depósito se destinava aos seus bisnetos, pelo que queria a garantia de que esse valor bem como o destino dos recursos assim depositados não seriam nunca alterados. Essa garantia foi dada e o depósito, portanto, foi concretizado. Durante alguns anos, sem que tal fosse, por qualquer modo, comunicado ao titular, no caso o bisavô ou à sua esposa, que se deslocavam à CGD com frequência sempre que iam levantar a reforma, a CGD foi retirando da conta sucessivos montantes a título de comissões de gestão. Quando os titulares, ao fim de algum tempo, se lembraram de perguntar qual o saldo da conta, descobriram então que ele estava consideravelmente abatido, por sucessivas liquidações de comissões de manutenção de conta, sem que esses débitos tenham sido comunicados aos titulares ou sem que tivessem sido enviados, com regularidade, extractos da conta.

consultório

A Sefin considera este caso exemplar de má qualidade de serviço, de falta de informação e de transparência e de abuso de confiança da parte da CGD. Isto devido à prática de comissões de manutenção e gestão de conta não previstas no contrato inicial de abertura e à ausência do envio de documentos, retratando a liquidação de comissões de manutenção de conta ou de extractos contendo informação sobre a evolução do saldo da conta. Por outro lado, a falta de consideração por quem se situou nos princípios do serviço bancário mínimo e do direito à não exclusão é igualmente criticável. Mas, sobretudo, é inaceitável que a CGD aceite uma conta em determinadas condições, de garantia do capital para os bisnetos do depositante e titular da conta e não avise que a conta seria sujeita a custos com comissões de manutenção e gestão. Ao actuar deste modo, a CGD claramente abusou da confiança que o cliente nela depositou, com a agravante que resulta das caracteristicas do depósito - de um bisavô para os seus bisnetos - e de se tratar de um banco que é público.

Contactada pelo DN, recebemos da CGD a seguinte resposta: "Nas aberturas de conta posteriores a 2000, os clientes assinam as Condições Gerais de Abertura de Conta, onde este tipo de despesas se encontra previsto. Para os clientes com contas anteriores, a Caixa envia uma carta-aviso, a primeira vez que a conta apresenta condições para cobrança destas despesas, cobrando as despesas no trimestre seguinte (existem condições de isenção destas despesas). As contas enquadradas em serviços mínimos bancários, que se regem por legislação específica e às quais a Caixa aderiu, estão isentas deste tipo de despesas. A Caixa emite extracto DO, salvo se a conta for caderneta, em que cabe ao cliente efectuar a actualização dos movimentos respectivos." 


Em parceria com a Sefin, o DN procura dar voz a quem tem razões de queixa

Envie-nos o seu caso, para a Associação Portuguesa de Defesa dos Consumidores de Produtos e Serviços Financeiros (Sefin) - sefin.mail@gmail.com - ou contacte o 213860981. Pode ainda contactar o DN, através do endereço electrónico economia@dn.pt .


 

 

publicado às 14:07

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D