Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

DEI SANGUE - MAS SOB PROTESTO SENHOR MINISTRO!

E Pronto!

Missão cumprida - com uma visita ao Intituto Português do Sangue e da Transplantação (Centro Regional de Sangue do Porto).

Uns minutos confortáveis na 'quase horizontal' a ver a minha dádiva a ser controlada pela balança oscilante e 460 cc depois de me 'libertar' do precioso líquido (apesar de não ter a cor azul) há uma espécie de magia que nos toca, ao imaginarmos o percurso inverso que ele um dia destes fará para ajudar a manter a vida a alguém que nunca nos conhecerá nem nós chegaremos a conhecer.

Vale a pena pensarmos todos - os que o possam fazer - neste gesto.

Hoje fi-lo mentalmente sob protesto - que o ministro da saúde até merecia que o tivesse expressado sob a forma escrita!

É uma 'estalada de luva branca' esta que hoje quero que registe senhor ministro:

Os dadores de sangue e os bombeiros, são pessoas em princípio saudáveis e portanto, o resultado do corte das taxas moderadoras é puramente simbólico - simbólico no pior sentido, mesmo ofensivo, diria eu!

Mas pronto, não sei se entre as suas preocupações se conta também a de ser dador de sangue - que ministro também pode fazê-lo - mas se um dia precisar de o receber, pode ser que se  'cruze' com o meu.

Se for o caso, 'encontrará nele' este voto de protesto que não terá no entanto, qualquer efeito nocivo sobre a sua saúde!


PS: e-mail de protesto enviado ao ministro da saúde sobre este mesmo assunto - que não sou de 'levar desaforo para casa':

 

Boa tarde,
Para conhecimento - e também para um formal protesto - junto a ligação para uma publicação de hoje no meu blogue pessoal.
Numa altura em que, em boa verdade e como hoje mais uma vez pude constatar, os Serviços ligados ao Instituto Português do Sangue e da Transplantação fazem tudo o que é humanamente possível, inexcedíveis na competência e na simpatia, para aumentarem o número de dádivas de sangue, o nosso governo e o senhor ministro, fazem o 'favor de remar contra a maré' com a questão das taxas moderadoras (dadores e bombeiros).
Não vai ser seguramente por isso que os dadores e os bombeiros deixarão de corresponder ao apelo, não do senhor ministro, mas de todos os que precisam de nós, mas também não iremos calar o nosso grito de revolta perante o insensato e injustificado gesto!


(segue-se o link para este post e o habitual 'com os melhores cumprimentos'...)

publicado às 13:03

TRANSPORTE DE DOENTES NÃO URGENTES...

 

Uma das 'regras de ouro' dos últimos governos visando a contenção da despesa pública 'na defesa do Serviço Nacional de Saúde', consiste em cortar em tudo que, possa embora parecer essencial, ou mesmo sendo-o de facto, tenha em contrapartida a 'vantagem' de mexer apenas ou quase só com pessoas sem capacidade reivindicativa.


Aliás, de tão habituados a tirar o chapéu quando os senhores doutores do governo falam deles e de tudo de bom que por eles vão fazendo, os visados pelos cortes, chegam até a ficar convencidos de que os sacrifícios que lhes impõem são uma inevitabilidade, uma consequência da "tal crise" de que ouvem falar em todos os quatro canais que a televisão digital terrestre lhes 'vendeu' - é o termo exacto, depois de terem sido obrigados a comprar aquela 'coisa' chamada descodificador...


Um dos cortes desde já anunciados, é aquele que tem a ver com o transporte de 'doentes não urgentes'.


O Hospital fica a mais de uma dezena de quilómetros? Paciência! Alguém com bom coração e (ainda) com dinheiro para a gasolina do carro e que por feliz acaso tenha de se deslocar para aquelas bandas, há-de representar a solução.


Mas também, mesmo que a gasolina falte, que o carro enguice, que não haja ninguém a ter de ir para os lados do Hospital, restará sempre a solução de 'transporte colectivo' destes novos tempos de crise: Três burros 'ligados em série' à maneira dos electricistas e de que a fotografia acima é um exemplo.


Um deles, monta-o a Ti'Arminda, a condutora e que também vai a uma consulta "por causa do coração que não anda bem" e os outros dois, podem resolver o problema do exame à próstata do Ti'Otílio e das análises e da radiografia aos pulmões da Ti'Adelina.


A Ti'Arminda é solidária e por isso vai fazer dois pequenos desvios para os pegar nos respectivos casebres onde moram e onde iriam ficar resignados à espera de melhores dias para os ditos exames.


Com um pouco de sorte do senhor Herculano da funerária da Vila - a sorte de uns é a má sorte de outros - não fosse a bondosa Ti'Arminda e talvez nem viessem a precisar da deslocação.


Retalhos do País real, de um País em crise profunda - que no entanto, não é para todos, mas apenas para aqueles que não a podem evitar, nem aos nefastos efeitos e ao sofrimento atroz que a sua passagem provoca aos mais frágeis e desprotegidos. Este País não é para velhos  - sobretudo, velhos doentes e pobres!

 

publicado às 21:29

DAR SANGUE - URGE!

Têm estado a ser feitos vários apelos aos dadores de sangue, dando conta de uma situação muito preocupante de escassez - sobretudo, se não erro, com os grupos "A" e "O" negativos.

Há quem tente associar esta situação à ofensa que o governo fez em relação aos dadores e aos bombeiros, retirando-lhes a isenção de taxas moderadoras nos hospitais. Custa-me a crer nesta associação, pelo menos de forma assim tão directa, mas que os dadores andam descontentes, lá isso andam.

Eu sou um deles, já há muitos anos, tenho quase 40 dádivas e pertenço exactamente a um dos grupos que está a fazer mais falta - o "O" negativo.

Neste momento e porque fui operado há menos de dois meses, estou impedido de fazer qualquer dádiva - o intervalo de segurança é de quatro meses.

Mas se entretanto a gritante injustiça a que fiz referência não for corrigida, no momento em que puder de novo regressar às dádivas, não deixarei de o fazer, mas na mesma altura, pedirei o "Livro de Reclamações" onde deixarei lavrado o meu veemente protesto e recomendo vivamente a todos os restantes dadores, que adoptem idêntica atitude.

Acho que quem precisa deste bem insubstituível que é o sangue, não pode ter a sua vida dependente nem da revolta mais que justa dos dadores, nem da burrice do governo - e tenho de pedir desculpa aos burros por os comparar aos nossos governantes...

publicado às 16:37

HOSPITAL PRIVADO DE ALFENA - URGÊNCIAS "LOW COST" (?)


 

Entrou bem o novo Hospital Privado de Alfena, integrando-se harmonicamente no mundo que o rodeia, o mundo dos negócios manhosos, do embuste, da venda da banha da cobra ou da transacção do gato por lebre.

Primeiro, foram os anúncios de vários rastreios gratuitos à maneira dos concessionários das marcas de automóveis - "traga-nos o seu carro no próximo sábado para um checkup completamente grátis e ainda lhe oferecemos um porta chaves e um kit de limpesa de vidros", onde regra geral, são detectados sempre inúmeros problemas, feitos vários alertas e oferecidas campanhas especiais de reparação.

Não sei se tem sido (se é) assim que as coisas se passam com o HPA e com os ditos rastreios - não fui nem tenciono ir a nenhum deles e também não os recomendo aos meus melhores amigos.

Agora o que eu sei, é que este novo "coelho tirado da cartola" - as urgências low cost a 30 euros cada - é um autêntico embuste e deveria ser investigado pela ERS e pela ARS-Norte. Isso eu sei. E até posso dar um exemplo concreto de um jovem com um certo grau de deficiência e que por isso mesmo, sofre frequentes quedas, que lá foi levado pela mãe com o engodo do custo anunciado - que foi cumprido - mas que depois de somados os consumíveis e os extras todos, sendo que o ferimento (na cabeça) era um corte ligeiro que apenas exigiu uma sutura com duas ou três tiras de steri-STRIP, totalizou 98 euros!

Portanto, no abdicar (do custo inicial) é que está o ganho: levam-se os incautos ou menos precavidos ao engano e depois, é só aplicar a factura tipo "chapa 5"!

Caso para gritar aqui d´el...ERS!

 

 

publicado às 21:54

PAÍS DE ARAQUE - VONTADE DE EMIGRAR...

Começo a dar razão a Pedro Passos Coelho - no que toca aos seus recentes conselhos para que os portugueses emigrem. Não obviamente pelos mesmos motivos que ele invoca - longe disso - mas porque este País deprime-nos, revolta-nos, transforma-nos até em pessoas potencialmente violentas e eu confesso que não gosto disso.

 

Motivos não me faltam para justificar este meu desabafo, desde o direito que o governo se arroga e que nega aos outros ladrões - porventura até menos perigosos - de nos vir ao bolso e retirar o que lá está, passando pela repetitiva questão dos boys e das girls para substituírem os boys e as girls nomeados pelo governo anterior, pelo favorecimento ilícito e imoral dos privados da área das telecomunicações, com a questão da Televisão Digital Terrestre, entre outros, tudo isto é mais do que suficiente para explicar a minha revolta e "a minha perigosa caminhada para um estado de violência tal, que já quase admito poder vir a participar um destes dias numa qualquer revolução que alguém se disponha a liderar" .

 

Mas há uma questão que me deixa especialmente descontrolado e que tem a ver com o fechar de olhos por parte de quem governa, ao exercício ilegal de actividade de muitas clínicas e hospitais privados, que fazem publicidade nas Rádios, nas TV's, nos Jornais, que facturam ao Estado os serviços prestados no âmbito das convenções com a ADSE e outros, mas que ninguém conhece, ninguém sabia que estavam a funcionar - até que um dia, acontece um acidente grave e aí, vêm todos ao mesmo tempo, para vistoriar, para impôr prazos para determinar alterações de instalações, para em última instância mandar encerrar.

 

A partir de uma situação concreta - o pedido de informação sobre o licenciamento do Hospital Prvado de Alfena - foi um pouco como as cerejas, ou dito de outra forma, foi "cada cavadela sua minhoca":

O Hospital da Arrábida do grupo Espírito Santo, tem o processo de licenciamento a decorrer, na sequência de obras de ampliação e várias alterações efectuadas, depois da compra ao DMI, mas entretanto, nunca parou a sua actividade. A Clipóvoa Boavista, do mesmo grupo, também tem o licenciamento irregular.

Todos estes e seguramente muitos mais, continuam e continuarão a funcionar, sem que as Entidades Reguladoras, as Administrações Regionais de Saúde e sei lá quem mais, "saibam" disso - dizem que não podem actuar porque não têm meios suficientes para isso.

 

Isto é o Portugal de que os portugueses obviamente não se orgulham. Isto é a lei da selva, isto é laxismo do Estado, que gastando o nosso dinheiro em mordomias e criação de cargos à medida para os boys e as girls, não lhe sobra depois o necessário para assumir o papel de regulador no avanço desmedido e sem regras dos privados numa área tão sensível como é a da saúde.

 

Perante isto, o que mais nos apetecia - mesmo que não fosse apenas para ganhar dinheiro - seria emigrar e ganhar em qualidade dos serviços públicos, em seriedade política, fiabilidade por parte dos agentes reguladores.

 

Mas tínhamos de ser obviamente muito selectivos, pois muitos dos defeitos que nos atormentam, foram importados ao longo dos últimos anos, pelo "bom aluno português" que se tem revezado na governação do País! 

 

publicado às 14:34

ACREDITAR!

Encontro inesperado

No local mais improvável

O mesmo ar afável

O mesmo sorriso rasgado

Mas senti que era diferente

Menos seguro o seu caminhar

Menos brilhante o seu olhar

Amigo atento sente sempre...

E ainda que o sofrimento

Seja algo indefinido

Ou apenas pressentido  

Senti-o nesse momento

(Como a bruma matinal

Na despedida do Verão

Pressagiando a transição

Para a estação outonal)

Mais tarde nesse dia

Tive concreta explicação

E sem negar apreensão

Só espero de quem avalia

Um monumental NÃO

E se o coração

De amiga periclita

O dos amigos incita

(No meu léxico cara amiga

Desânimo foi palavra banida

Inventei outra equivalente

ACREDITAR - firmemente)

 

Escrito em 14 de Setembro.

(Pretende ser um gesto de solidariedade para com uma amiga a braços com uma dúvida sobre a sua saúde – que espero, ou melhor, que acredito, não virá a confirmar-se!)

publicado às 22:16

A VIDA VALE A PENA!

Nesta altura, discute-se na Assembleia da República um projecto de lei - ou melhor, vários, que na politica, todos gostam de "apresentar trabalho", nem que seja apenas para escrever o mesmo texto do adversário político ao qual retiram uma vírgula aqui, acrescentam um ponto ali, quando não se ficam apenas pela simples formatação do texto...

Refiro-me ao chamado "testamento vital" - ao qual espero a sociedade dê a devida relevância.

Nada que tenha a ver por enquanto, com uma outra questão mais profunda - e porventura muito mais polémica - que é a da eutanásia e sobre a qual já muito se tem escrito, dito e debatido.

Valerá a pena talvez, passarmos os olhos muito por alto sobre a aridez dos textos agora em discussão, mas mais do que isso, aquilo sobre o qual vale de facto a pena reflectir, é o que a sociedade tem feito, faz ou pode fazer, para que a qualidade de vida dos seus cidadãos - nos diversos escalões etários, os quais como é óbvio, implicam uma atenção também diferenciada -  se mantenha com um nível de dignidade compatível com as exigências de um País que se pretende solidário.

Tenho um entendimento muito pessoal sobre a vida - eventualmente partilhado por muitas outras pessoas - e que se resume a umas quantas condicionantes sem as quais, ela (a vida) deixará de fazer grande sentido:

 

- Enquanto conseguirmos sorrir, não com aquela espécie de esgar ou sorriso de plástico dos políticos em campanha eleitoral ou dando entrevistas, mas com um sorriso espontâneo, amigável, empático, a vida vale a pena.

 

- Enquanto sentirmos que mesmo nos nossos momentos mais adversos, temos amigos à volta que exigem que vivamos, que mais do que isso, nos dizem que a nossa ausência lhes causará profundo sofrimento e que no caminho que nos falta percorrer, eles estarão sempre ao nosso lado, a vida vale a pena.

 

- Enquanto os "homens sábios" que estudam, fabricam, prescrevem e ministram os medicamentos ou executam os actos cirúgicos ou as ajudas técnicas de que em determinado momento, de forma temporária ou definitiva possamos passar a ter de estar dependentes nos garantirem que isso não apagará , nem o nosso sorriso nem o daqueles que nos rodeiam, a vida vale a pena.

 

- E a vida vale ainda a pena, enquanto sentirmos prazer em escutar o marulhar das ondas do mar, enquanto o canto das aves não nos for indiferente, enquanto à beira mar nos alegrarmos perante a magia de um por de sol, enquanto a surpresa de sermos apanhados por uma inesperada chuva de verão não constituir motivo de incómodo, mas antes pelo contrário nos divertir e der prazer.

E tudo isto, independentemente de estarmos apoiados nas nossas próprias pernas, numa cadeira de rodas ou suportados por um qualquer outro tipo de ajuda técnica.


PS: Tinha este pequeno texto já semiacabado, quando o destino fez com que me cruzasse com uma querida amiga num local onde costumamos deslocar-nos sobretudo quando temos alguma dúvida sobre o estado da nossa saúde, mas onde também podemos ir por simples rotina para as "revisões periódicas".

No meu caso foi este último motivo que ali me levou, sendo o primeiro a causa da deslocação da minha amiga.

Tal como ela, também eu já tive necessidade de esclarecer dúvidas relevantes e agir em conformidade - com determinação e sem medo - em situação não exactamente igual, mas de gravidade também relevante e neste momento felizmente, vivo já apenas a fase das consultas de rotina.

No caso dela, nem sequer existe ainda uma certeza, mas mesmo que existisse, ela tem pelo menos uma enorme vantagem sobre mim e sobre os milhares de outros cidadãos que se vêm de repente confrontados com certezas de idêntica gravidade: a juventude, que é sempre um factor de enorme relevância perante as situações de doença.

 

 

publicado às 12:19

(AINDA) HÁ VAGAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL...

Cegos

DGS recusa assumir ilegalidade da clínica do Algarve

Económico Digital

Miguel Costa Nunes
10/08/10 09:00


O director-geral da Saúde Francisco George diz que "é preciso concluir a investigação em primeiro lugar". "Não sei se esta clínica [de Lagoa, em que quatro pessoas ficaram em risco de cegueira na sequência de operações aos olhos] está fora da lei". (...)


Parecem enguias!

Porque se trata de assumir as respectivas responsabilidades em relação à "selva" em que está transformada uma parte significativa da Saúde privada deste País - clínicas, hospitais, laboratórios, consultórios médicos, empresas privadas de transporte de doentes, etc. -  assobiam para o ar, contorcem-se, esquivam-se o melhor que podem e sabem...

Para usar uma expressão bem portuguesa, "fugir com o rabo à seringa" é entre muitas, a maior das suas habilidades e aquela que mais tem contribuído para os manter e consolidar junto à teta maior do Orçamento: ERSE, alguns autarcas do Algarve, Inspecção Geral das Actividades em Saúde, governo, entre tantos outros responsáveis, não andavam por cá, não sabiam de nada, nunca viram a publicidade na Internet, nunca lhes passou pela frente (como no caso da ADSE) nenhuma factura para pagar, nem (como no caso dos autarcas) lhes ocorreu em algum momento, que podiam estar a enviar os seus munícipes para um qualquer vão de escada de onde pudessem entrar a ver e sair às escuras...

Este senhor então, já bem conhecido pelos seus dotes de exímio contorcionista a propósito da gripe A, dá aqui mais um ar de sua graça: "não sei se...", "estamos a investigar...", "está a ser investigada para se avaliar a natureza do problema que ainda não é clara..." - blábláblá.

A natureza do problema ainda não é clara Dr. Francisco George?

Então há uma Clínica não licenciada onde um oftalmologista (que até pode ser uma sumidade na matéria) opera doentes sem ter em conta as mais elementares boas práticas - um segundo cirurgião para o assistir, equipe de anestesia, de enfermagem, etc.. - sucedendo até ao que parece, ter sido "assistido" por um psicólogo clínico(!) e a natureza do problema ainda não é clara?

Até para o mais comum dos mortais eu acho que é suficientemente clara! E a solução - no que à sua pessoa diz respeito - também, Dr. Francisco George:

(Ainda) existem vagas para assentar tijolo nos lugares deixados por aqueles (médicos) emigrantes de Leste a quem a nossa Ordem dos Médicos soube e bem recuperar para a sua profissão de base e que por este País fora, vão dando o seu contributo para atenuar um pouco as carências que todos conhecemos!

publicado às 09:42

CEGUEIRA - UM RISCO PARA OS DOENTES, UMA CERTEZA PARA O GOVERNO QUE NÃO QUER VER!

Claro que o Serviço Nacional de Saúde nem sempre funciona bem!

Claro que às vezes, quando nos atende já é tarde demais!

Mas a verdade, é que em termos de fiabilidade (ainda) é o que mais tranquilidade nos garante...

Pessoalmente e embora como funcionário público seja beneficiário da ADSE, só em absoluto desespero é que admitiria recorrer a alguma (à maior parte) da "Saúde" privada que por aí prolifera - sobretudo para cuidados cirúrgicos!

Vem isto a propósito das muitas clínicas privadas que nos últimos anos têm brotado como cogumelos um pouco por todo o lado, oferecendo os "milagres" que o SNS não pode oferecer, mas vistas as coisas, quantas e quantas vezes, esses "milagres" resumem-se apenas ou quase só, à componente da hotelaria - quando não resultam, como no caso de que falo a seguir, em autêntico pesadelo!

A notícia tem estado aí - nas TV's, nas Rádios, nos Jornais - igual a tantas outras de idêntica gravidade, mas nem por isso se espera que seja a última a

acontecer nesta selva em que se transformou a Saúde privada em Portugal!

A I-Qmed - é deste caso que quero falar - está a atender doentes em Lagoa no Algarve, já há muito mais de um ano, tem acordos com Seguros de

Saúde, é reconhecida pela ADSE - hoje mesmo ouvimos num canal de TV um doente que lá foi operado e depois foi reembolsado por este subsistema de que é beneficiário - por Autarquias como Castro Marim e outras, que com ela celebraram protocolos para levarem lá alguns dos seus munícipes - é uma outra maneira de ganhar votos, gastando os dinheiros Públicos para engordar privados de má qualidade - mas vai-se a ver, nem sequer se encontra licenciada - quem o disse, foi a Autoridade Regional de Saúde!

Isto só podia mesmo acontecer num País do terceiro mundo como é Portugal - não pelo País em si que tem tantas ou mais potencialidades que muitos outros considerados grandes, mas pela "dimensão" dos seus governantes!


PS: Agora até a Ordem dos Médicos deu pelo crime - operar doentes sem autorização para tal - e vai instaurar um processo disciplinar ao Oftalmologista que executou as cirurgias.

Mas no meio desta bagunça toda, não me admiraria nada, se até as Finanças tivessem estado até aqui a cobrar calmamente os impostos dos prevaricadores... Qual cruzamento de dados, qual carapuça!

publicado às 14:23

DÊ SANGUE...

 

Hoje fui cumprir um dever cívico - pelo menos eu entendo como tal aquilo que fui fazer: Dar sangue para os que hoje precisam dele e não são tão poucos como isso.

Altura de férias, por isso menos movimento e também menos tempo de espera para a picada da ordem...

Pretendo com isto dizer que, se a "perda" de alguns minutos em fila de espera pudesse eventualmente representar um óbice "inultrapassável" para si, então esse obstáculo deixa de poder ser invocado!

Deixe-se pois de invocar dificuldades inexistentes, deixe-se de pieguices! Não dói nada, dispõe muito bem e se não tem outros motivos válidos, se a idade e o seu estado de saúde o permitem, então dirija-se a um dos locais de recolha possíveis para dar um dos poucos "produtos" que não podem ser "fabricados" e que tanta falta fazem.

Por mim, prefiro as instalações modelares do IPS no Porto (na Rua de Bolama à Quinta do Covelo), mas pode sempre encontrar opções eventualmente mais convenientes...

publicado às 15:36

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D