Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO - "...FRACO REI FAZ FRACA A FORTE GENTE"

Eu tive um sonho...

 

Tal como Egito Gonçalves (com Luís Veiga Leitão e Papiniano Carlos) em 1973, eu e mais uns quantos amigos quase tão ingénuos quanto eu, ousamos 'Sonhar a (nossa) Terra Livre e Insubmissa' - decorria o 'longinquo' ano da graça de 2013... 

 

Valongo é apenas uma minúscula mancha no mapa do País mas mesmo assim, achamos que valia a pena ajudar a transformar este dormitório às portas da Invicta em terra de gente igual à gente da Cidade Grande.

 

Os sonhos têm sempre a dimensão de quem os sonha  e a dimensão do meu foi apenas até onde a vista alcançava. Mesmo assim ainda é vasto o território de Vallis Longus, esta terra de ouro, ardósia e regueifa onde escolhi viver há quase 30 anos e da qual gosto (quase) tanto como da vizinha do lado, onde nasci e vivi a minha juventude 'pré-militar' e onde vou de vez em quando para visitar amigos de infância ou comprar Jesuítas - sim porque digam o que disserem, iguais aos da Confeitaria Moura em Santo Tirso não se fazem em lado nenhum - perdoem-me a imodéstia.

 

Valongo foi para mim durante cerca de 2/3 dessas quase três décadas, uma perfeita antítese de qualquer sonho que valesse a pena. Foi até em muitos momentos concretos, mais pesadelo que sonho, mas sobre isso já escrevi quase tudo o que me ocorreu oportunamente escrever.

 

Tudo isto para dizer que quando alguém tenta desesperadamente e durante tanto tempo - quase 20 anos neste caso - colocar distância entre o pântano que vê alastrar à sua volta de forma insidiosa e ameaçadora e a réstia de enseada - de águas límpidas, aparentemente - que de repente começa a vislumbrar na linha do horizonte próximo, é fácil 'tomar a nuvem por Juno'.

Ou dito de outra forma, o risco de confundir a 'Barca do Inferno' com uma qualquer outra barca é um risco real...

 

Foi o que aconteceu comigo  no tal 'longínquo' ano da graça de 2013...

 

Pensava eu e os ingénuos que me acompanharam no 'acto de sonhar' que iríamos todos conseguir MUDAR VALONGO, que depois de termos batido no fundo, a coisa só podia melhorar.

Era verdade, mas apenas pela metade: efectivamente, ainda que não piore, existe sempre a possibilidade de a situação persistir inalterada. Foi isso que aconteceu, o que no caso específico de Valongo assume a dimensão de quase catástrofe.

 

Lembro-me como se fosse hoje, daquela frase soltada por um grande amigo que nos acompanhou no crédulo percurso visando pôr distância entre nós e o pântano e nos debatíamos com o dilema "embarcamos, não embarcamos" - cito-a de memória:

 

"... é fraquinho - referia-se ao homem que vinha ao leme da 'barca' - mas ainda não tem 'cadastro' - por comparação com os navegadores da barca do pântano...

 

Tinha razão. Era (é) fraquinho o timoneiro...

 

E como escreveu o grande Camões no Canto III, estrofe 138 dos Lusíadas, "...fraco Rei faz fraca a forte gente".

 

Apesar da urgência da saída para espaço aberto e águas mais profundas, tem persistido em manter-se entre margens e nas águas turvas do canal, entretido numa estéril sequência de pequenas regatas com muitos floreados, que podendo encher o olho às gentes que lhe admiram a destreza, não o conduzem a lado nenhum e muito menos a bom porto.

 

Aplausos entusiásticos lhe prodigalizam os basbaques e mais alguns profissionais das 'palmas coreografadas' à mistura. Bolina! bolina! lhe gritamos nós, tentando que nos ouça no meio do encenado coro que é música para os seus ouvidos.

 

Ingénuos talvez, ainda mantínhamos uma réstia de crédito nas suas boas intenções iniciais, mas tal como a areia fina da ampulheta, também o nosso benefício da dúvida se esgotou rapidamente, determinando o fim de um ciclo - um fim que não tem mais princípio, porque é o fim de um sonho e não há nada de mais violento e irreversível do que o 'assassinio premeditado' de um sonho! 

 

 

 

 

 

 

publicado às 13:54

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D