Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO DO NOSSO DESCONTENTAMENTO - O 'ERRO DE CASTING' PERSISTE...

 Nota prévia:

 

Captura de ecrã 2018-08-04, às 15.40.32.png

 

Depois da retumbante derrota em toda a linha do 'Polvo (geneticamente modificado) de Valongo' na batalha (quase) da minha vida e que ficará conhecida como "O Julgamento do Século", eu tinha prometido que iria conceder a mim próprio um tempo de 'relax' para fruir em pleno e de forma mais ou menos prolongada o sabor agridoce da imensa vitória que não me envolveu apenas a mim, mas também a muitos amigos sem a ajuda dos quais o resultado teria sido evidentemente bem diferente...

 

Porém...

 

Valongo - o Concelho e não o vasto território de imensas belezas naturais e algum Património natural e edificado que nos orgulha - é um perfeito 'case study' de sucessivos erros, de acumulação de asneiras, de decisões que nada têm a ver com a defesa dos interesses das populações da região e que ao longo dos anos persistem e se têm mesmo agravado em comparação  - desde logo - com aquela que já foi a 'progenitora' da maior parte do nosso território: Maia (Terras do Lidador ou Terras da Maia)

Se quiséssemos simplificar - e não queremos mesmo fazê-lo - poderíamos dizer que talvez a assimetria advenha das potencialidades do território maiato propriamente dito, com uma maior proximidade ao litoral e ao turismo que sempre o prefere, da sua maior vizinhança com a Grande e Invicta Cidade.

 

Não é no entanto esse o nosso problema!

 

Valongo, este lamentável Concelho nasceu torto e tarde ou nunca se endireitará, porque tem a má sorte de (quase) sempre ter sido governado por gente medíocre.

 

Reportemo-nos apenas ao pós-25 de Abril de 1974:

 

* A Maia teve o privilégio de contar com esse 'monstro' do Poder Local, Vieira de Carvalho e logo a seguir com Bragança Fernandes e o actual, Domingos da Silva Tiago.

 

* Em Valongo contentamo-nos com João Moreira Dias, Fernando Melo, João Paul Baltazar e o que agora temos - para nossa desgraça, José Manuel Ribeiro.

 

* Na Maia, as Instituições e o tecido associativo recebem apoios assinaláveis, as empresas são atraídas pela qualidade das infraestruturas colocadas à disposição dos investidores e cuida-se do território como se deve cuidar de um investimento que quanto melhor preservado for mais investimento conseguirá atrair.

 

* Em Valongo é a desgraça total, o desleixo completo a falta de respeito para com um território bonito, pleno de belezas naturais mas ao abandono e cuja preservação estará sempre, na ordem das prioridades, a seguir a qualquer concerto do Quim Barreiros, da Xana Toc-Toc ou de uma qualquer e deficitária edição da Expoval.

 

* Na Maia não se contratam pseudo-escritores para divagarem sobre a história das Terras do Lidador. Quem escreve sobre a Maia - e muitos o fazem - fá-lo por conta própria e por causa do imenso acervo sobre o qual pode discorrer.

 

* Em Valongo, até para resumir 180 anos de memórias da elevação a Concelho - um resumo mal compilado, ficcionado, deturpado e que mais se assemelha a um volumoso panfleto para vender 'banha da cobra' a turistas ocasionais com pouco tempo para investigarem pormenores perdidos no tempo sobre um território ao qual dedicarão um ou dois dias de atenção antes de seguir viagem rumo à Grande Cidade ou ao vasto litoral mais a sul - tem de se arranjar um avençado e pagar-lhe a peso de ouro.

 

(Sobre o dito livro/panfleo e sobre Alfena por exemplo, existem no mesmo verdadeiras anedotas que um dia destes tentarei com algumas ajudas externas desmontar, tais como o famoso (!)  "Pilar de S. Lázaro" ou a leprozaria que se teria localizado na margem direita do nosso Rio Leça (!).

 

Valongo é um território bonito e as suas gentes não merecem ser governadas assim!

 

(Ou talvez mereçam se persistirem - se todos persistirmos  - em curvar a cerviz perante o nepotismo, a negligência, a corrupção, o privilégio dos 'boys' no acesso aos lugares próximos do trono do actual monarca reinante).

 

Nota final:

 

Por tudo isto e muito mais é que o propósito que tinha de me conceder um tempo de lazer e fruição das muitas coisas boas que me têm andado escapar continua a assemelhar-se à ponte da letra da música dos Jáfumega: "...uma miragem p'ra outra margem" - mas qual margem?...

 

 

publicado às 13:37

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D