Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

A TERRA COMO LIMITE...

UM ESPAÇO ONDE ESCREVEREI SOBRE TUDO, SOBRETUDO, SOBRE TUDO QUE SEJA CAPAZ DE CAPTAR A MINHA ATENÇÃO. UM ESPAÇO ONDE O LIMITE NÃO LIMITA - APENAS DELIMITA.

VALONGO - 'INVERTEBRADOS' QUE FALAM, 'BONECOS DE PLASTICINA' QUE MEXEM E OUTRAS HISTÓRIAS...

Captura de ecrã 2016-03-1, às 23.00.30.png

 

Alguém comentava há dias comigo - era mais uma pergunta disfarçada de comentário: "esta sua recente amizade de estimação com o José Manuel Ribeiro, depois de ter estado tão próximo dele na campanha eleitoral de 2013 tem de certeza uma história por detrás"...

 

É verdade, como aliás acontece sempre em todos os nossos comportamentos e atitudes, existe sempre uma explicação mais ou menos escondida que os explica...

 

Em primeiro lugar, porque José Manuel Ribeiro deixou de ser confiável.

Corrijo, a sua personalidade escondida de pessoa não confiável veio ao de cima, ou então era eu que antes andava distraído.

Mas isso quando muito, poderia simplesmente levar-me a congelar o relacionamento pessoal e ficar-me por aí. Portanto, dirão os mais perspicazes, terão de existir outros motivos. E dirão muito bem, porque de facto existem!

 

Em vez de me pôr para aqui a contar todos os detalhes vou contar dois ou três episódios curtos a partir dos quais será possível fazer todas as extrapolações e traçar o perfil do 'suspeito' - suspeito?

 

Take 1:

 

Durante a campanha eleitoral e na sequência de uma reunião da sua 'task-force' de campanha em Valongo na qual participei depois de um telefonema em cima da hora - um Domingo à tarde - atribuiu-me credenciais de administrador da sua página de candidatura no Facebook.

Lá fui fazendo o que me era pedido, respondendo aos vários comentários e críticas, analisando propostas, filtrando insultos, defendendo a candidatura...

A certa altura a 'máquina' deve tê-lo pressionado para que revisse a responsabilidade que me tinha atribuído, ou então foi ele que simplesmente pensou 'melhor' - afinal eu nem era militante (!) - e sem que me dissesse "água vai", de repente dou por mim sem credenciais!

Alguém acredita que até hoje ele não fez nenhum comentário sobre o assunto? E eu apostei comigo próprio que seria capaz de nunca lhe perguntar sobre o assunto e ganhei.

 

Take 2

 

Ainda antes deste episódio e aproveitado a 'visibilidade' deste Blog, ele enviava-me informação sobre a 'falsificação de listas' (?) de militantes por parte do seu camarada Afonso Lobão na luta pela conquista de Concelhia do PS e partilhava informação sobre as queixas junto das estruturas nacionais do Partido.

Estranho? Pois é. Afinal eu nem era militante do PS nem estava em vias de o ser...

 

Take 3

 

Numa conversa tida no seu gabinete já depois de ser presidente da Câmara, a propósito do PDM então em fase final de revisão e num momento já um pouco 'azedo', veio à baila a questão do 'garimpo de Alfena' e da plataforma logística da Jerónimo Martins prevista para o local.

 

Duas frases:

 

1. "Eu confesso que ainda não sei o porquê da sua actual animosidade em relação a mim mas aviso já: quem semeia ventos colhe tempestades".

Dias depois, aconteceu o famoso flyer sobre a minha 'garagem clandestina'(?) - aquele que meteu fotos aéreas e tudo.

 

2. "Ó Celestino! o PDM é para aprovar nem que eu tenha de exigir disciplina de voto ao grupo" (ao qual eu ainda pertencia).

 

É claro que quando cheguei a casa (depois desta reunião) a primeira coisa que fiz foi redigir a carta de desvinculação do grupo municipal do PS, passando a assumir o estatuto de deputado independente na Assembleia Municipal.

Não precisou portanto de exigir disciplina de voto, mas desconfio que esperava bem mais de mim, isto é, que lhe entregasse o lugar de deputado para o distribuir a um(a) dos seus batedores de palmas. 

A partir daí, foram dadas rigorosas 'instruções' à Mesa da Assembleia - à parte que ele consegue controlar - para que as minhas intervenções passassem a ser 'cronometradas ao segundo' e para que toda a informação não obrigatória e até aí enviada por correio electrónico a todos os membros do grupo, me fosse cortada.

 

Take 4

 

Já na fase de discussão pública do PDM, a Associação Coragem de Mudar, de cuja Direcção faço parte, em conjunto com a Associação Al Henna e Clube 9 de Paus (integro ambas igualmente) resolveram organizar uma sessão pública - aquela onde participou o professor Paulo Morais.

Pedimos o Centro Cultural de Alfena à Câmara para uma sexta-feira à noite e recebemos um e-mail de confirmação da cedência.

Por dificuldades de última hora na agenda de Paulo Morais, foi decidido transferir a sessão de sexta-feira para o sábado seguinte à tarde.

Contactei os Serviços que me confirmaram uma vez mais a disponibilidade - não havia nenhum outro pedido para o local.

Teríamos de enviar um e-mail a formalizar a alteração, o que eu fiz de imediato.

Não sei porquê, mas às vezes somos assaltados por 'presentimentos' estranhos e umas horas mais tarde resolvi confirmar a recepção do e-mail.

Do lado de lá, quem me atendeu começou a gaguejar e eu que tenho um mestrado em 'psicologia forense' alimentei o diálogo enquanto pude até que cansado, o interlocutor soltou:

"Recebemos instruções do engenheiro Paulo Ferreira (o adjunto do presidente) para 'esquecermos' o seu e-mail. Portanto, o que vai suceder é que no sábado não vai estar ninguém para abrir o Centro Cultural".

'Passei-me'! Liguei ao Paulo Ferreira e entre ameaças de que faríamos a sessão ao ar livre e com megafone, ele lá foi gaguejando, negando, inventando dificuldades de agenda, metendo os pés pelas mãos e vice-versa, mas acabou por se render à evidência: No sábado iria estar alguém para abrir o Centro Cultural.

 

Bem...

 

Eram para ser apenas três 'takes' e já vamos no quarto, logo, estará contado o suficiente para traçar o perfil de José Manuel Ribeiro como político/pessoa/presidente de Câmara: Uma pessoa "não confiável", para usar as palavras de Arnaldo Soares, presidente da Junta de Alfena, ontem na sessão da Assembleia Municipal.

 

Ah! É claro que existem muitos mais episódios para descrever esta curta mas muita rica história de traições e falta de vergonha - não, não estava a falar de mim...

 

 

publicado às 21:07

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D